NOTIMP - NOTICIÁRIO DA IMPRENSA

Capa Notimp Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil e até do mundo. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.


PORTAL R7


FAB aciona KC-390 Millennium para levar donativos à Bahia

15 toneladas de suprimentos darão apoio às populações mais atingidas pelas enchentes no extremo Sul do estado

Luiz Fara Monteiro | Publicada em 17/12/2021 13:04

A missão do KC-390 Millennium, da Força Aérea Brasileira (FAB), nessa quinta-feira (16/12), foi de transportar donativos alimentícios (perecível e não-perecível) para atender às populações mais atingidas pelas enchentes nas cidades do extremo sul da Bahia. O destino da carga, com peso de aproximadamente 15 toneladas, é em apoio à ajuda humanitária. A ação é desencadeada pelo Ministério da Defesa, por meio das Forças Armadas, as quais prestam apoio à Defesa Civil do estado baiano.

A aeronave FAB 2854, que pertence ao Esquadrão Zeus (1º GTT), decolou da Base Aérea de São Paulo (BASP), em Guarulhos (SP), às 15h45 (horário de Brasília), com destino a Teixeira de Freitas (BA), onde pousou às 17h20. Cerca de 45 toneladas em carga, doada pela Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (CEAGESP), devem ser encaminhadas a Bahia durante os próximos dias.

O Piloto do KC-390, Capitão Aviador Eugênio da Gama Jacobs, comentou acerca do cumprimento desta missão. “Neste momento de dificuldade, que sentimos a importância do nosso trabalho, isto é, participar do apoio de transporte de alimentos para brasileiros que se encontram em uma calamidade, por conta das enchentes ocorridas na Bahia. Ainda mais nesse período de fim de ano, que todos nós queremos nos unir com nossasfamílias, que sentimos o dever de ajudar àqueles que passam por dificuldade. É nesse contexto de solidariedade com o nosso próprio povo, que sentimos orgulho de servir a Força Aérea Brasileira”, salienta o Oficial.

A fim de apoiar na ajuda humanitária, a FAB já empregou sob a coordenação do Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), de Brasília (DF), uma aeronave H-36 Caracal, operada pelo Esquadrão Falcão (1º/8º GAV), que decolou com uma comitiva do Poder Executivo para realizar um voo com o objetivo de avaliar a situação. Um helicóptero H-60L Black Hawk do Esquadrão Pantera (5º/8º GAV) também foi engajado. Um C-130 Hércules, operado pelo Esquadrão Gordo (1º/1º GT), transportou aproximadamente 2,5 toneladas de medicamentos.

A ação é uma cooperação mútua entre o Ministério da Defesa, o Ministério da Saúde e o Ministério do Desenvolvimento Regional.

PORTAL PODER AÉREO


Força Aérea Brasileira transporta alimentos para vítimas das chuvas na Bahia


Redação Forças De Defesa | Publicada em 17/12/2021

A Força Aérea Brasileira (FAB) transporta, nesta sexta-feira (17), cerca de 30 toneladas de donativos alimentícios (perecíveis e não-perecíveis) para atender às populações mais atingidas pelas enchentes nas cidades do extremo sul da Bahia.

Pela manhã, uma aeronave KC-390 Millennium do Esquadrão Zeus (1º GTT) decolou da Base Aérea de São Paulo (BASP) carregado com 15 toneladas de doações feitas pela Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (CEAGESP). Para às 16 horas, está prevista mais uma decolagem com outras 15 toneladas de alimentos.

A ação integra a cooperação mútua entre o Ministério da Defesa, o Ministério da Saúde e o Ministério do Desenvolvimento Regional para apoiar os municípios atingidos pelas chuvas. Na quinta-feira (16), a aeronave FAB 2854 já havia transportado outras 15 toneladas até Teixeira de Freitas (BA), totalizando, nos dois dias, aproximadamente 45 toneladas de donativos.

Ainda nesta sexta-feira (17), a FAB também transporta uma carga de 23 toneladas de alimentos não perecíveis pelo modal terrestre, em uma carreta do Centro de Transporte Logístico da Aeronáutica (CTLA).

Ajuda humanitária

A fim de apoiar na ajuda humanitária, a FAB já empregou sob a coordenação do Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), de Brasília (DF), uma aeronave H-36 Caracal, operada pelo Esquadrão Falcão (1º/8º GAV), que decolou com uma comitiva do Poder Executivo para realizar um voo com o objetivo de avaliar a situação. Um helicóptero H-60L Black Hawk do Esquadrão Pantera (5º/8º GAV) também foi engajado. Já o C-130 Hércules operado pelo Esquadrão Gordo (1º/1º GT) transportou aproximadamente 2,5 toneladas de medicamentos.

 

PORTAL AEROFLAP


Embraer KC-390 Millennium da FAB transporta suprimentos para ajudar famílias na Bahia

Suprimentos darão apoio às populações mais atingidas pelas enchentes

Publicada em 17/12/2021

A missão do Embraer KC-390 Millennium, da Força Aérea Brasileira (FAB), nessa quinta-feira (16/12), foi de transportar donativos alimentícios (perecível e não-perecível) para atender às populações mais atingidas pelas enchentes nas cidades do extremo sul da Bahia.

O destino da carga, com peso de aproximadamente 15 toneladas, é em apoio à ajuda humanitária. A ação é desencadeada pelo Ministério da Defesa, por meio das Forças Armadas, as quais prestam apoio à Defesa Civil do estado baiano.

A aeronave FAB 2854, que pertence ao Esquadrão Zeus (1º GTT), decolou da Base Aérea de São Paulo (BASP), em Guarulhos (SP), às 15h45 (horário de Brasília), com destino a Teixeira de Freitas (BA), onde pousou às 17h20. 

A missão tem continuidade nessa sexta-feira (17/12), quando a FAB deve transportar mais 30 toneladas de alimentos perecíveis para Teixeira de Freitas. Além disso, mais 23 toneladas de alimentos não perecíveis seguem em deslocamento por terra para a região. 

Cerca de 45 toneladas em carga, doada pela Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (CEAGESP), devem ser encaminhadas a Bahia durante os próximos dias. O Piloto do KC-390, Capitão Aviador Eugênio da Gama Jacobs, comentou acerca do cumprimento desta missão.

“Neste momento de dificuldade, que sentimos a importância do nosso trabalho, isto é, participar do apoio de transporte de alimentos para brasileiros que se encontram em uma calamidade, por conta das enchentes ocorridas na Bahia. Ainda mais nesse período de fim de ano, que todos nós queremos nos unir com nossas famílias, que sentimos o dever de ajudar àqueles que passam por dificuldade. É nesse contexto de solidariedade com o nosso próprio povo, que sentimos orgulho de servir a Força Aérea Brasileira”, salienta o Oficial.

A fim de apoiar na ajuda humanitária, a FAB já empregou sob a coordenação do Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), de Brasília (DF), uma aeronave H-36 Caracal, operada pelo Esquadrão Falcão (1º/8º GAV), que decolou com uma comitiva do Poder Executivo para realizar um voo com o objetivo de avaliar a situação. Um helicóptero H-60L Black Hawk do Esquadrão Pantera (5º/8º GAV) também foi engajado. Um C-130 Hércules, operado pelo Esquadrão Gordo (1º/1º GT), transportou aproximadamente 2,5 toneladas de medicamentos.

A ação é uma cooperação mútua entre o Ministério da Defesa, o Ministério da Saúde e o Ministério do Desenvolvimento Regional.

PORTAL CAVOK


KC-390 Millennium da FAB transporta donativos para a Bahia

Suprimentos darão apoio às populações mais atingidas pelas enchentes

Fernando Valduga | Publicada em 17/12/2021 19:12

A missão do KC-390 Millennium, da Força Aérea Brasileira (FAB), na quinta-feira (16/12), foi de transportar donativos alimentícios (perecível e não-perecível) para atender às populações mais atingidas pelas enchentes nas cidades do extremo sul da Bahia.

O destino da carga, com peso de aproximadamente 15 toneladas, é em apoio à ajuda humanitária. A ação é desencadeada pelo Ministério da Defesa, por meio das Forças Armadas, as quais prestam apoio à Defesa Civil do estado baiano.

A aeronave FAB 2854, que pertence ao Esquadrão Zeus (1º GTT), decolou da Base Aérea de São Paulo (BASP), em Guarulhos (SP), às 15h45 (horário de Brasília), com destino a Teixeira de Freitas (BA), onde pousou às 17h20.

A missão tem continuidade nessa sexta-feira (17/12), quando a FAB deve transportar mais 30 toneladas de alimentos perecíveis para Teixeira de Freitas. Além disso, mais 23 toneladas de alimentos não perecíveis seguem em deslocamento por terra para a região. Cerca de 45 toneladas em carga, doada pela Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (CEAGESP), devem ser encaminhadas a Bahia durante os próximos dias.

O Piloto do KC-390, Capitão Aviador Eugênio da Gama Jacobs, comentou acerca do cumprimento desta missão. “Neste momento de dificuldade, que sentimos a importância do nosso trabalho, isto é, participar do apoio de transporte de alimentos para brasileiros que se encontram em uma calamidade, por conta das enchentes ocorridas na Bahia. Ainda mais nesse período de fim de ano, que todos nós queremos nos unir com nossas famílias, que sentimos o dever de ajudar àqueles que passam por dificuldade. É nesse contexto de solidariedade com o nosso próprio povo, que sentimos orgulho de servir a Força Aérea Brasileira”, salienta o Oficial.

A fim de apoiar na ajuda humanitária, a FAB já empregou sob a coordenação do Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), de Brasília (DF), uma aeronave H-36 Caracal, operada pelo Esquadrão Falcão (1º/8º GAV), que decolou com uma comitiva do Poder Executivo para realizar um voo com o objetivo de avaliar a situação. Um helicóptero H-60L Black Hawk do Esquadrão Pantera (5º/8º GAV) também foi engajado. Um C-130 Hércules, operado pelo Esquadrão Gordo (1º/1º GT), transportou aproximadamente 2,5 toneladas de medicamentos.

A ação é uma cooperação mútua entre o Ministério da Defesa, o Ministério da Saúde e o Ministério do Desenvolvimento Regional.

OUTRAS MÍDIAS


GENTE DE OPINIÃO - Uma representante feminina de Rondônia na Força Aérea Brasileira


Dante Ribeiro Da Fonseca | Publicada em 17/12/2021 11:18

Caros leitores, desde muito tempo sabemos que de todos os fatos do passado é tarefa do historiador selecionar aqueles que farão parte da História e aqueles que cairão no esquecimento. Antes de continuar devo esclarecer dois pontos, com o intuito de sanar a controvérsia que a primeira frase do presente artigo possa suscitar. O primeiro é que o historiador não realiza a seleção dos fatos, que julga principais, e não deixa de lado os demais a partir de um capricho de sua escolha, de determinada inclinação para essa ou aquela dimensão da vida. Em outras palavras, a escolha do historiador não é guiada por predisposições de sua individualidade, ao contrário, é socialmente orientada. É a pauta política ou social predominante naquele momento que orienta a escolha dos temas, dos problemas de pesquisa, das hipóteses de trabalho, do paradigma e, finalmente, dos “fatos” com os quais vai trabalhar. Há então uma interação dialética entre essas escolhas, de modo que os fatos são constituídos a priori, e a posteriori, pois conduzem sua própria constituição através das operações intelectuais de seu selecionador. Isso porque, o fato nunca é matéria bruta, mas constitui-se a partir de determinada teoria. Em segundo lugar, o que acontecerá com os fatos desprezados? Ficarão esquecidos eternamente como não relevantes para a História? A resposta é: não necessariamente. Como a História é reescrita indefinidamente, há sempre a possibilidade de resgatar fatos anteriormente desprezados quando se revelarem importantes para o estudo de novos objetos ou dimensões analíticas.

Um bom exemplo disso é a questão do papel da mulher na História. Absolutamente desprezado nos séculos anteriores ao XX, a pouca atenção dada a mulher pela História revelava um estado de desigualdade em relação ao homem da participação feminina nos eventos sociais. À mulher pertencia a esfera privada da família, enquanto ao homem a esfera pública, para onde convergem as atenções quando se trata de conformar os principais fatos da História. É claro que existiram mulheres notáveis ao longo da História: governantes (Cleópatra, Vitória, Catarina), cientistas (Curie) e até mesmo militares (Maria Quitéria), mas eram exceções. É quando a mulher passa a cotidianamente dividir as responsabilidades da esfera pública com o homem que se torna objeto coletivo da História, tanto para diminuir os laços de subalternidade quanto para explicar uma série de fenômenos nos quais se ausentava o feminino.

Assim, dados os objetos centrais de minha atenção como historiador, tenho falado de pessoas e fatos que fizeram a História de Rondônia, em geral pessoas do sexo masculino e que já passaram da idade madura ou já faleceram. Ocorre que o tempo da História não é somente o passado. Na verdade o objeto da História não é o passado, como muitos equivocadamente pensam, o objeto da História é o homem em sociedade no tempo. Destarte, tomar uma cidadã contemporânea jovem e descrever um aspecto da sua ainda curta História de Vida, revela muito do passado, de como se operaram transformações e de como elas se manifestam no presente. Se é fato que a História não nos permite prever o futuro, é fato também que permite vislumbrar suas possíveis paisagens. De que tratamos aqui? Tratamos de uma jovem mulher, que desde muito tenra idade viveu em um pequeno e novo estado da Federação, cuja família não era rica. Mas tratamos também de como evoluiu a participação da mulher na sociedade. Apesar dessas aparente dificuldades, esta jovem conseguiu superar suas condições de vida e penetrar uma área da atividade militar, que até poucas décadas atrás era exclusivamente masculina.

Falo aqui de uma pessoa que, com sua trajetória de vida fez brilhar Rondônia, pois o fulgor de um estado é reflexo do brilho de seus cidadãos. O testemunho que aqui presto, tem como objetivo incentivar a todos os jovens a lutar por seus sonhos e ideais. A perceberem que não importa onde você nasce, onde você é educado, mas, se souberem valorizar os bons ensinamentos adquiridos dentro do lar, da escola e da sociedade serão bem sucedidos. Meu testemunho é sobre uma moça que, como tantos de nossos jovens, chegou bebê ainda em Rondônia e aqui se educou, reconhecendo essa terra como sua. Não estudou nas excelentes, e dispendiosas, escolas particulares disponíveis aos filhos dos mais abastados. Foi aluna das escolas Marcelo Cândia e o Colégio Tiradentes.

Tendo ficado órfã aos dois anos de idade, com o falecimento sua mãe Carmen Lucia Spirlandeli, sua família nuclear ficou reduzida ao pai Washington Nunes da Silva, que quando conheci há mais de vinte anos exercia a profissão de serralheiro, no conjunto 4 de Janeiro, e a sua irmã Hitala.

Falo hoje de uma pessoa que, apesar da adversidade dos anos iniciais e do socialmente modesto nascimento nasceu rica, porque teve um pai que soube orientá-la, apesar da falta do concurso da esposa, e não abdicou desse dever.  Falo de Hingrid Spirlandeli Nunes da Silva, que saindo de Rondônia cursou a Academia da Força Aérea Brasileira (AFA) em Pirassununga. Tendo iniciados seus estudos na AFA em 25/01/2010, pela mesma instituição concluiu os cursos de Bacharel em Administração e em Ciências Aeronáuticas (2013). Nos anos seguintes serviu em Natal (2014), Florianópolis (2015/2016) e Canoas (2017/2018). Nesse período atuou na Aviação de Patrulha e Busca Marítimas da Força Aérea Brasileira de 2015 a 2018 e como chefe da Seção Administrativa do Esquadrão Phoenix da Força Aérea Brasileira em 2017 e 2018.

Foi a primeira moça da região norte a pilotar os aviões da Força Aérea Brasileira. Mas não parou por aí, especializou-se em Análise do Ambiente Eletromagnético (2018) pelo Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA), em Ribeirão Preto, prestigiosa instituição militar de ensino e pesquisa. Na mesma instituição cursou o metrado em Guerra Eletrônica e Sensoriamento Remoto entre os anos de 2019 e 2021. Mas, sua atividade profissional não a impediu de viver outras dimensões da vida, casou-se com Denys Soares com quem teve dois filhos Anna e Matteo.

Hoje, quando vermos nossas aeronaves militares cruzarem os céus de Rondônia em datas como a comemoração ao Sete de Setembro, lembremo-nos que em algum lugar do Brasil uma moça, conterrânea nossa poderá ser a única da região Norte a estar pilotando uma dessas aeronaves. Esperamos que esse monopólio já se tenha rompido, ou vá se quebrar em breve, mas o papel de “destemida pioneira”, nunca perderá. Quem sabe, no futuro, a sorte lhe caberá o retorno a Rondônia, para comandar alguma unidade militar. Quem sabe, no futuro, teremos a primeira Brigadeiro do Ar (ou Brigadeira) com raiz em Rondônia.

Eis então, os exemplos valem mais que as palavras. Nesse país tão difícil há ainda espaço para realizações. Lutem, e quanto mais modestos forem vossos recursos maior será vossa luta, mas também a vitória será mais exultante. Sigam o exemplo dessa jovem lutadora. Mas não nos esqueçamos que o Brasil se constrói, principalmente, pelo esforço dos pais e mães em ocasionarem melhores condições de vida a seus filhos. Então, se a fortuna vos reservou o empenho de pais dedicados, aproveitem, porque sem eles o fardo fica mais pesado. Que o progresso se dá pela pela luta de cada geração. É então que, para finalizar, devo dizer que embora essas palavras pareçam apenas uma homenagem à nossa oficial aviadora são, sobretudo, uma homenagem ao seu dedicado e orgulhoso pai, cuja luta para educar sozinho as filhas acompanhei de longe.

EU, RIO - FAB transporta toneladas de alimentos para Sul da Bahia

Donativos alimentícios atenderão as cidades atingidas pelas enchentes

Fab Transporta Toneladas De Alimentos Para Sul Da | Publicada em 17/12/2021 17:59

Nesta sexta-feira (17), a Força Aérea Brasileira (FAB) transportou cerca de 30 toneladas de donativos alimentícios para as cidades atingidas pelas enchentes no extremo sul da Bahia. Segundo a FAB, pela manhã, uma aeronave decolou da Base Aérea de São Paulo (BASP) carregado com 15 toneladas de doações feitas pela Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (CEAGESP). Na tarde desta sexta, houve mais uma decolagem com outras 15 toneladas de alimentos.

A força também informou que ação integra uma cooperação mútua entre o Ministério da Defesa, o Ministério da Saúde e o Ministério do Desenvolvimento Regional para apoiar os municípios atingidos pelas chuvas. Na última quinta-feira (16), outra aeronave já havia transportado 15 toneladas até Teixeira de Freitas (BA), totalizando, nos dois dias, aproximadamente 45 toneladas de donativos.

A FAB ainda adiantou que nesta sexta ainda transportará uma carga de 23 toneladas de alimentos não perecíveis pelo modal terrestre, em uma carreta do Centro de Transporte Logístico da Aeronáutica (CTLA).

Ajuda humanitária

A fim de apoiar na ajuda humanitária, a FAB já empregou sob a coordenação do Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), de Brasília (DF), uma aeronave H-36 Caracal, operada pelo Esquadrão Falcão, que decolou com uma comitiva do Poder Executivo para realizar um voo com o objetivo de avaliar a situação. Um helicóptero do Esquadrão Pantera também foi engajado. Já o C-130 Hércules operado pelo Esquadrão Gordo transportou aproximadamente 2,5 toneladas de medicamentos.

DEFESA EM FOCO - FAB realiza primeiro teste de voo do motor aeronáutico hipersônico 14-X

O ensaio faz parte do desenvolvimento do Projeto PropHiper, Projeto Propulsão Hipersônica 14-X, um dos Projetos Estratégicos da Força Aérea Brasileira (FAB) e coordenado pelo Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA)

Redação | Publicada em 17/12/2021 16:00

A Força Aérea Brasileira (FAB), por meio do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), realizou, na terça-feira (14), o lançamento para viabilizar o ensaio em voo do 14-X S, primeiro demonstrador brasileiro da tecnologia hipersônica aspirada, conhecida pela sigla em inglês scramjet, por meio da Operação Cruzeiro. O ensaio faz parte do desenvolvimento do Projeto PropHiper, Projeto Propulsão Hipersônica 14-X, um dos Projetos Estratégicos da FAB e coordenado pelo Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA).

O 14-X S foi acelerado a uma velocidade próxima a Mach 6 (seis vezes a velocidade do som), a mais de 30 km de altitude, por meio de um Veículo Acelerador Hipersônico (VAH).Após a realização do ensaio, o conjunto seguiu a trajetória prevista, atingindo o apogeu em 160 Km, percorrendo um total de 200 km de distância, até seu impacto numa área segura no Oceano Atlântico.

Além do CLA, o Centro de Lançamento de Barreira do Inferno (CLBI) atuou como Estação Remota de Rastreamento. Com esse primeiro ensaio, o Brasil ingressa, de maneira definitiva, no seleto grupo de nações que detém o conhecimento técnico e os meios para projetar, construir, lançar e rastrear um sistema hipersônico aspirado.

O Projeto PropHiper teve início em 2006, e visou capacitar o Brasil na área estratégica e prioritária da hipersônica, em atendimento à Estratégia Nacional de Defesa (END), por meio da operação em voo de um sistema com propulsão hipersônica aspirada (tecnologia de propulsão scramjet). Para cumprir seus objetivos, o projeto foi dividido em quatro grandes metas, associadas, respectivamente, aos ensaios em voo dos demonstradores de tecnologia designados como:

I. 14-XS: demonstração em voo ascendente balístico da combustão supersônica;

II. 14-XSP: demonstração em voo ascendente balístico da propulsão hipersônica aspirada;

III. 14-XW: demonstração em voo planado (sem propulsão) de um veículo hipersônico controlável e manobrável com sistemas de guiamento, navegação e controle (GNC), emprego de materiais avançados, durante o voo hipersônico na estratosfera; e

IV. 14-XWP: demonstração em voo autônomo de um veículo hipersônico controlável e manobrável com propulsão hipersônica aspirada ativa.

Até o presente momento foram capacitados recursos humanos, construídos laboratórios e túneis de vento hipersônico (únicos na América Latina), além da realização de diversos ensaios em laboratório. O Nível de Maturidade Tecnológica da tecnologia de propulsão scramjet nacional é atualmente TRL 6, significando que a tecnologia constitui um protótipo totalmente funcional, sendo qualificado e aceito para operação em ambiente relevante, ou seja, fora do ambiente laboratorial. Após a Operação Cruzeiro, a tecnologia de propulsão hipersônica avançará para o TRL 7, com a comprovação e demonstração de seu funcionamento em ambiente relevante (voo atmosférico).

De acordo com o Coordenador Geral da Operação, Coronel Aviador Eduardo Viegas Dalle Lucca a realização da Operação Cruzeiro permitiu ao País dar um salto qualitativo no domínio da tecnologia hipersônica aspirada. Ressaltou, ainda, o ineditismo de lançar uma carga útil tecnológica nacional, empregando um veículo totalmente idealizado e fabricado no Brasil e usando a infraestrutura e meios operacionais dos nossos centros de lançamento. “A sinergia dos vários atores evidenciou a capacidade do DCTA de realizar um ensaio em voo desse nível de complexidade. Além disso, deixamos uma equipe qualificada e preparada para os novos desafios”, destacou o Coordenador Geral.

“O Centro de Lançamento de Alcântara ao receber uma operação de grande porte como a Cruzeiro se habilita cada vez mais para receber as empresas estrangeiras e consolidar a capacidade operacional do Brasil no segmento solo do Programa Espacial Brasileiro”, afirma o Coronel Aviador Marcello Corrêa de Souza, Diretor do Centro de Lançamento de Alcântara.

Para o Diretor do Instituto de Estudos Avançados (IEAv), Coronel Engenheiro Fábio Andrade de Almeida, “testar tecnologias hipersônicas em condições reais de voo é o auge das pesquisas que são desenvolvidas no IEAv. Sistemas inerciais e sensores de imageamento concebidos no laboratório do Instituto já realizaram ensaios em voo bem sucedidos em aeronaves e veículos suborbitais. Na Operação Cruzeiro, testamos um motor aeronáutico em voo hipersônico utilizando o hidrogênio como combustível, algo inédito na aviação nacional”.

O Diretor do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), Brigadeiro do Ar César Augusto O’Donnell Alván, ressaltou que o desenvolvimento do Veículo Acelerador Hipersônico pelo IAE, para viabilizar o lançamento do 14-X S, demonstrou que as tecnologias espaciais dominadas pela FAB são pilares indispensáveis para a inserção do Brasil em novos projetos espaciais. E demonstrou, mais uma vez, a capacidade da FAB em superar desafios de grande complexidade tecnológica.

NEWS BA - Força Aérea Brasileira transporta alimentos para vítimas das chuvas na Bahia


Redação | Publicada em 17/12/2021

A Força Aérea Brasileira (FAB) transporta, nesta sexta-feira (17), cerca de 30 toneladas de donativos alimentícios (perecíveis e não-perecíveis) para atender às populações mais atingidas pelas enchentes nas cidades do extremo sul da Bahia. Pela manhã, uma aeronave KC-390 Millennium do Esquadrão Zeus (1º GTT) decolou da Base Aérea de São Paulo (BASP) carregado com 15 toneladas de doações feitas pela Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (CEAGESP). Para as 16 horas, está prevista mais uma decolagem com outras 15 toneladas de alimentos.

A ação integra a cooperação mútua entre o Ministério da Defesa, o Ministério da Saúde e o Ministério do Desenvolvimento Regional para apoiar os municípios atingidos pelas chuvas. Na quinta-feira (16), a aeronave FAB 2854 já havia transportado outras 15 toneladas até Teixeira de Freitas (BA), totalizando, nos dois dias, aproximadamente 45 toneladas de donativos.

Ainda nesta sexta-feita (17), a FAB também transporta uma carga de 23 toneladas de alimentos não perecíveis pelo modal terrestre, em uma carreta do Centro de Transporte Logístico da Aeronáutica (CTLA).

Ajuda humanitária – A fim de apoiar na ajuda humanitária, a FAB já empregou sob a coordenação do Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), de Brasília (DF), uma aeronave H-36 Caracal, operada pelo Esquadrão Falcão (1º/8º GAV), que decolou com uma comitiva do Poder Executivo para realizar um voo com o objetivo de avaliar a situação. Um helicóptero H-60L Black Hawk do Esquadrão Pantera (5º/8º GAV) também foi engajado. Já o C-130 Hércules operado pelo Esquadrão Gordo (1º/1º GT) transportou aproximadamente 2,5 toneladas de medicamentos.

JORNAL GRANDE BAHIA - Aeronave KC-390 Millennium da FAB é abastecida com alimentos para serem doados à população da Bahia


Redação | Publicada em 17/12/2021

A Força Aérea Brasileira (FAB) transportou, nesta sexta-feira (17/12/2021), cerca de 30 toneladas de donativos alimentícios (perecíveis e não-perecíveis) para atender às populações mais atingidas pelas enchentes nas cidades do extremo sul da Bahia. Pela manhã, uma aeronave KC-390 Millennium do Esquadrão Zeus (1º GTT) decolou da Base Aérea de São Paulo (BASP) carregado com 15 toneladas de doações feitas pela Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (CEAGESP). Para as 16 horas, está prevista mais uma decolagem com outras 15 toneladas de alimentos.

A ação integra a cooperação mútua entre o Ministério da Defesa, o Ministério da Saúde e o Ministério do Desenvolvimento Regional para apoiar os municípios atingidos pelas chuvas. Na quinta-feira (16), a aeronave FAB 2854 já havia transportado outras 15 toneladas até Teixeira de Freitas (BA), totalizando, nos dois dias, aproximadamente 45 toneladas de donativos. Ainda nesta sexta-feita (17), a FAB também transporta uma carga de 23 toneladas de alimentos não perecíveis pelo modal terrestre, em uma carreta do Centro de Transporte Logístico da Aeronáutica (CTLA).