NOTIMP - NOTICIÁRIO DA IMPRENSA

Capa Notimp Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil e até do mundo. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.


PORTAL AEROFLAP


KC-390 realiza apoio inédito ao Programa Antártico Brasileiro


Redação | Publicada em 16/12/2021

No período de 13 a 15 de dezembro foi realizado o 3º voo de apoio logístico à Operação Antártica XL, com a movimentação de material e pessoal entre o Brasil e Punta Arenas -Chile.

Realizado pela 1ª vez com o KC-390, estavam a bordo da aeronave pesquisadores de 7 projetos apoiados na 1ª etapa da Operação, e os 16 componentes do Grupo-Base “Polaris”, que retornarão ao Brasil após 13 meses na Estação Antártica Comandante Ferraz.

Entretanto, aeronave escalada para a missão especial foi o FAB2854 pertencente ao Esquadrão Zeus e operado pelo 1ºGTT. O KC-390 decolou da Base Aérea do Galeão em direção ao aeroporto internacional de Punta Arenas, mas com uma parada no internacional de Pelotas antes de chegar ao destino final.

Denominado PROANTAR, o Programa Antártico Brasileiro desde 1982 é o carro-chefe nas pesquisas científicas do Brasil na Antártica. O Programa conta com pesquisadores de todo o Brasil, coordenado pela Marinha do Brasil, além da participação da Força Aérea Brasileira no suporte aéreo logístico que geralmente emprega o C-130 Hércules com voos periódicos até a Antártica.

Contudo, o PROANTAR tem como finalidade a promoção da pesquisa científica com a finalidade de compreender os fenômenos que ali correm, que tenham repercussão global e, especificamente, sobre o território brasileiro, assegurando a participação do Brasil nos processos decisórios relativos ao futuro daquele continente. 

Em função das restrições impostas pela COVID-19, ainda não foi possível a certificação do KC-390 para pouso na pista chilena na Antártica, mas o pouso em Punta Arenas é o primeiro passo deste desafio.

 

 

 

FAB recebe lote do míssil Meteor e reforça capacidade de combate do Brasil


Redação | Publicada em 16/12/2021 16:50

A Força Aérea Brasileira (FAB) recebeu o segundo lote do míssil Meteor, que vai equipar as aeronaves de caça F-39 Gripen, cujas primeiras quatro unidades foram entregues pela Saab, no dia 24 de novembro.

O primeiro lote havia sido comprado para o desenvolvimento da aeronave. Com o novo armamento, o Brasil dará um salto na capacidade de combate aéreo, cumprindo, assim, o objetivo de ser uma Força Aérea de grande poder dissuasório, operacionalmente moderna e atuando de forma integrada para a defesa dos interesses nacionais. 

O Meteor é um míssil BVR (do inglês, Beyond-Visual-Range), que significa além do alcance visual e oferece capacidade contra alvos a longa distância, como caças, Veículos Aéreo Remotamente Pilotados (VARP) e mísseis de cruzeiro, em um ambiente com maciça interferência de contramedidas eletrônicas.

Essa qualidade é alcançada por meio da motorização. Os mísseis convencionais são equipados com foguetes, que os aceleram a velocidades supersônicas mas, que com o passar dos segundos, vão perdendo potência. Assim, a capacidade de o míssil alterar sua rota em busca do alvo ou de fazer manobras vai se perdendo.

Já o Meteor mantém o uso do foguete no lançamento, mas conta também com um motor “scramjet”, que faz com que ele até ganhe velocidade durante o voo.

O equipamento é produzido pela fabricante europeia MBDA e conta com um link de dados bidirecional que permite que a aeronave de lançamento forneça atualizações de destino no meio do curso ou redirecionamento, se necessário, incluindo dados de outras aeronaves. O novo míssil pode, inclusive, acelerar ao chegar mais próximo do alvo, tornando qualquer tentativa de manobra completamente inútil. Dentre os países que já operam com o míssil estão a Espanha, a França, o Reino Unido e a Suécia.

A nova ferramenta, que integrará o moderno sistema de armas da FAB, aumenta o poder de dissuasão e as chances de evitar um confronto próximo com aeronaves inimigas, sendo capaz de oferecer inquestionável superioridade aérea para os pilotos na defesa dos interesses nacionais. O Meteor será um game changer nunca visto, ou seja, será um divisor de águas para o poder aéreo nacional. 

Assim, a Força Aérea garante, ainda mais efetivamente, a manutenção da soberania do espaço aéreo com vistas à defesa da Pátria

DEFESA - AGÊNCIA DE NOTÍCIAS


II COMAR celebra oito décadas de atividades


Da Redação | Publicada em 16/12/2021 07:50

O Segundo Comando Aéreo Regional (II COMAR) celebrou, em uma série de eventos, o seu 80º aniversário. Nessa quinta-feira (09/12), a Organização Militar sediada no Recife (PE) foi homenageada em uma cerimônia militar com a presença do Comandante Militar do Nordeste (CMNE), General de Exército Richard Fernandez Nunes, que foi recebido pelo Vice-Secretário de Economia, Finanças e Administração da Aeronáutica (SEFA), Major-Brigadeiro do Ar Valter Borges Malta, que presidiu a solenidade; e pelo Comandante do II COMAR, Brigadeiro do Ar Cesar Faria Guimarães.

Em suas palavras, o Brigadeiro Cesar falou sobre a trajetória do Comando, reativado em 2 de julho de 2020. “Coordenada pelo Major-Brigadeiro Josuá, nosso Comandante entre 2009 e 2010, aqui também foi cumprida a maior operação de busca aérea no mar da América Latina, após a tragédia do voo AF 447, da Air France, que partiu do Rio de Janeiro a Paris em 31 de maio de 2009. Mas a Força Aérea não nos remete apenas aos capítulos do emprego do Poder Aeroespacial, traz para o povo da Terra dos Altos Coqueiros, programas e projetos sociais que reforçam a educação e asseguram o exercício da cidadania. Contamos há quase 30 anos com o Projeto Asa Branca, que oferece anualmente oficinas semi-profissionalizantes para adolescentes na faixa etária dos 13 aos 17 anos – uma iniciativa criada pela gestão do Major-Brigadeiro Cesar, entre os anos de 1993 e 1995″, discursou.

Além deles, estiveram presentes no evento o Arcebispo do Ordinariado Militar do Brasil, Dom Fernando José Monteiro Guimarães; o Presidente da Assembleia Legislativa de Pernambuco, Deputado Estadual José Eriberto Medeiros de Oliveira; o Subdiretor de Contratos e Convênios da Diretoria de Economia e Finanças da Aeronáutica (DIREF), Brigadeiro Intendente Antenor José Santos Margotto; o Subdiretor de Contabilidade da DIREF, Brigadeiro Intendente José Lopes Fernandes; o Chefe da Coordenadoria de Recursos Humanos da SEFA, Brigadeiro do Ar Alexandre Hoffmann, além de Comandantes, Chefes, Diretores e Prefeitos da Guarnição de Aeronáutica de Recife (GUARNAE-RF) e das Organizações Militares subordinadas ao II COMAR, demais autoridades civis e militares e veteranos da Força Aérea Brasileira (FAB).

Durante a solenidade, foi entregue o título honorífico de Membro Honorário da Força Aérea Brasileira (FAB) a personalidades pernambucanas, como reconhecimento pelos valiosos serviços prestados à Aeronáutica brasileira. Ainda, o Brigadeiro Cesar entregou uma homenagem aos Comandantes veteranos do II COMAR e os certificados ao Graduado e ao Praça Padrão do efetivo do Comando: Sargento de Material Bélico Ricardo Lessa Neves Junior e o Cabo Músico Henrique Moraes Alexandrino, respectivamente. Por fim, 12 militares foram agraciados com a Medalha Militar por tempo de serviço, que destina-se a recompensar os bons serviços prestados pelos Oficiais e praças da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, em serviço ativo. Foram concedidas medalhas de ouro, com passador de ouro; de prata, com passador de prata; e de bronze, com passador de bronze, aos militares que completaram, respectivamente, 30, 20 e 10 anos de bons serviços prestados.

 

COMARA chega aos 65 anos com uma história de integração na amazônia


Da Redação | Publicada em 16/12/2021 00:36

Desde 1956, a Força Aérea Brasileira (FAB), por meio da Comissão de Aeroportos da Região Amazônica (COMARA), vem levando a integração, o desenvolvimento e a capacidade de defesa da região. Genuinamente amazônica, a COMARA, há 65 anos, projeta, constrói e recupera aeroportos. No inicio da década de 1950, existiam somente 17 aeródromos na Amazônia e hoje é possível contabilizar mais de 170 pistas.

FAB conquista medalhas no Campeonato de Salvamento Aquático das Forças Armadas


Da Redação | Publicada em 16/12/2021 04:14

O primeiro Campeonato Brasileiro de Salvamento Aquático das Forças Armadas aconteceu, de 5 a 10 de dezembro, no Centro de Educação Física Almirante Adalberto Nunes (CEFAN), na cidade do Rio de Janeiro (RJ). O campeonato contou com a participação de aproximadamente 90 militares representantes da Marinha do Brasil (MB), do Exército Brasileiro (EB), da Força Aérea Brasileira (FAB) e do Corpo de Bombeiros da Bahia, da Paraíba, do Maranhão, do Goiás, do Espírito Santo, além do Rio de Janeiro. 

A cerimônia de abertura foi presidida pelo Secretário de Pessoal, Ensino, Saúde e Desporto (SEPESD) do Ministério da Defesa, Tenente-Brigadeiro do Ar Jeferson Domingues de Freitas, acompanhado pelo Diretor do Departamento do Desporto Militar (DDM), Major-Brigadeiro do Ar João Campos Ferreira Filho.

Ao todo, foram 11 provas, sendo: 200m superlifesaver, 200m obstáculos, 50m reboque, 100m reboque com nadadeira e tubo de resgate, 100m resgate medley, 100 reboque, além de revezamentos mistos de 4x50m obstáculos, lançamento de cabo, 4×25 reboque, 4x50m medley e 4x50m lifesaver.

A equipe da FAB foi composta pelas Tenentes Daniele Cristina Jacovetti e Mariana Ayumi Fujisaki; pelos Sargentos Thamy Caretta Ventorin,pelos Sargentos Thamy Caretta Ventorin, Priscila Cristina Cavalcanti de Souza, Isabel Soares Fagundes e Guilherme Rosolen; pelo Cabo Ricardo Ferreira Araújo; e pelo Soldado Lucas Miguel Alves. Eles conquistaram o total de 14 medalhas, sendo sete de ouro, quatro de prata e três de bronze. A FAB atingiu o somatório de 423 pontos na classificação geral por equipes, ficando em segundo lugar na competição. Os Sargentos Thamy e Rosolen ficaram em segundo lugar no individual geral feminino e masculino, respectivamente. A Marinha do Brasil e o Exército Brasileiro conquistaram o primeiro e terceiro lugares, respectivamente.

A cerimônia de encerramento foi liderada pelo Presidente da Comissão de Desportos da Marinha e Comandante do CEFAN, Contra-Almirante Elson Luiz de Oliveira Góis, que parabenizou a todos os militares pela participação, eficiência e superação no decorrer da competição.

O Coronel Intendente Carlos Fernando de Souza Panissa, do efetivo da Comissão de Desportos da Aeronáutica (CDA), entregou o troféu de vice-campeão à equipe da FAB. “Parabenizo toda a equipe pelo desempenho durante o campeonato”, disse.

A Chefe de Equipe da FAB, Tenente Daniele Cristina Jacovetti, falou sobre o desafio da conquista. “A equipe foi composta por quatro militares do quadro do Programa de Atletas de Alto Rendimento, três militares do efetivo da CDA e um militar do efetivo do Esquadrão de Saúde de Pirassununga. Tivemos poucos dias de treinamentos, mas focamos nas técnicas de manuseio dos equipamentos utilizados para a competição”, explicou.

Nova edição da revista destaca treinamentos operacionais e missões internacionais da FAB


Redação | Publicada em 16/12/2021 15:16

A nova edição da revista Aerovisão já está disponível online. Entre outros assuntos, a publicação do quarto trimestre de 2021 relembra como ocorreram os eventos alusivos ao Mês da Asa, em celebração ao Dia do Aviador e o Dia da Força Aérea Brasileira, em prol de projetar e preservar a imagem da FAB. Com imagens, a revista privilegia também os principais momentos do Exercício Conjunto (EXCON) Tápio, realizado em Campo Grande (MS), e do Exercício Conjunto (EXCON) Tínia, em Santa Maria (RS).

Em entrevista, o Comandante da Escola Superior de Guerra (ESG), Tenente-Brigadeiro do Ar Luis Roberto do Carmo Lourenço, fala das novidades na área da educação na pasta do Ministério da Defesa; dentre elas, destaca os esforços para a criação da Escola Superior de Defesa (ESD).

Nesta edição, o leitor poderá, ainda, conhecer mais sobre as missões de ajuda humanitária com atuação dos militares da Força Aérea, bem como conferir uma matéria especial que resume uma longa história pouco conhecida entre os brasileiros: a participação da FAB na Missão de Paz da Organização das Nações Unidas na República Democrática do Congo, entre 1960 e 1964. Além dessas e outras pautas, uma matéria explica como funciona a Cooperação das Forças Aéreas Americanas (SICOFAA), que há 60 anos une países para fortalecer capacidades e salvar vidas.