NOTIMP - NOTICIÁRIO DA IMPRENSA

Capa Notimp Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil e até do mundo. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.


PORTAL UOL


Atletas militares representarão 27% da delegação brasileira em Tóquio


Agência Brasil | Publicada em 03/06/2021 23:52

A 50 dias da abertura da Olimpíada, o Brasil contabiliza 232 vagas confirmadas em Tóquio 2020. Desse total, 63 foram asseguradas por desportistas inseridos no Programa Atletas de Alto Rendimento (PAAR) das Forças Armadas. Entre as 17 modalidades com atletas militares está o vôlei de praia, cuja dupla feminina que representará o país nos Jogos é formada pelas terceiros-sargentos Ágatha Rippel (Marinha) e Eduarda Lisboa, mais conhecida como Duda (Exército) . As parceiras estão juntas há quatro anos e têm no currículo a medalha de prata na Rio 2016. Nesta temporada, já conquistaram ouro, prata e bronze nas etapas de Cancún (México) do Circuito Mundial.  

O PAAR foi criado em 2008 pelo antigo Ministério do Esporte - atual Ministério Cidadania - em parceria com o Ministério da Defesa, com o objetivo de contribuir para o fortalecimento da equipe militar em eventos esportivos de alto nível. Além dos benefícios da carreira militar - assistência médica, incluindo nutricionista e fisioterapeuta - os atletas que integram o PAAR têm a sua disposição centros de treinamento no Rio de Janeiro, tais como o da Marinha (Centro de Educação Física Almirante Adalberto Nunes-Cefan), do Exército (Centro de Capacitação Física do Exército-CCFEX e Complexo Esportivo de Deodoro) e o da Aeronáutica (Universidade da Força Aérea - Unifa).

Outro destaque entre os atletas do PAAR é Gabriel Constantino. Aos 26 anos, o terceiro-sargento do Exército é especialista da prova dos 110 metros com barreiras. O carioca afirma que integrar o PAAR, em meio à pandemia, foi fundamental para manter o alto desempenho.

"Tivemos diversas adaptações e não seria possível eu treinar com tão alta performance. Continuei mantendo meus treinos, fisioterapia, acompanhamento médico e com nutricionista. Graças ao Programa, chego para representar o Exército e o Time Brasil nas Olimpíadas de Tóquio", destacou o velocista em depoimento ao site do Ministério da Defesa. 

Ainda no atletismo, os militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica contribuíram com 17 medalhas para a delegação brasileira no Campeonato Sul-Americano da modalidade. Ao todo, foram dez ouros, duas pratas e cinco bronzes. O torneio ocorreu no final de maio, em Guayaquil (Equador). 

Da canoagem slalom, Ana Sátila, terceiro-sargento da Aeronáutica, garantiu a vaga olímpica no Campeonato Mundial, na Espanha, em 2019. Mesmo classificada, a atleta, de 25 anos, passou por dificuldades para manter o ritmo da preparação por causa da pandemia. 

A atleta Ana Sátila, terceiro-sargento da Aeronáutica, competirá pela primeira vez na carreira em duas categorias da canoagem - a K1 (caiaque) e a C1 (canoa) - em Tóquio 2020 - Reprodução/Instagram/Ana Sátila

"Fiquei quatro meses treinando em casa, mas a gente conseguiu manter bem a parte física", disse a atleta que, pela primeira vez na carreira, competirá em duas categorias da canoagem, a K1 (caiaque) e a C1 (canoa).

Nesta sexta-feira (4) terá início a aplicação da segunda dose da vacina contra o novo coronavírus (covid-19) no Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Porto Alegre, Belo Horizonte e Fortaleza. A imunização de atletas olímpicos e paralímpicos teve início no último dia 14, após a doação de vacinas pela Comitê Olímpico Internacional (COI). Uma ação interministerial - Ministérios da Defesa, da Saúde e da Cidadania - com apoio do Comitê Olímpico do Brasil (COB) e do Comitê Paralímpico Brasileiro (COB) comanda a logística de vacinação de atletas pelo país. Até o momento, mais de 1280 integrantes do Time Brasil foram vacinados com a primeira dose. 

PORTAL AEROFLAP


Em reunião, Comandante da FAB e Embaixador Americano falam sobre o Programa Espacial Brasileiro


Gabriel Centeno | Publicada em 03/06/2021

Na última quarta-feira (02), o Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro Carlos de Almeida Baptista Junior, e o Embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Todd C. Chapman, reuniram-se em Brasília.

Também participaram da visita o Adido de Defesa e Exército Americano no Brasil, Coronel Lorenzo Harris; o Chefe de Assuntos Políticos e Militares da Embaixada dos Estados Unidos em Brasília, Mark R. Mineo; o Adido Aeronáutico Interino da Embaixada dos Estados Unidos, Jensen Ryan Kevin; além do Chefe da Segunda Subchefia do Estado-Maior da Aeronáutica (EMAER), Brigadeiro do Ar Paulo Roberto de Carvalho Júnior, informa a Força Aérea Brasileira. 

A reunião foi pautada pelas histórias de bons relacionamentos entre o Brasil e os Estados Unidos da América, desde os fatos históricos da Segunda Guerra Mundial, bem como assuntos correlatos.

Na oportunidade foi debatida a possibilidade da ampliação do Programa Espacial Brasileiro junto com os Estados Unidos. Neste contexto, o Comandante ressaltou, inclusive, que pretende participar, no mês de agosto deste ano, em Colorado Springs, do Space Symposium, principal encontro da comunidade espacial global.

Também foi abordado acerca do avanço do Brasil no desenvolvimento de aeronaves de maior porte, onde foram estabelecidas conversações iniciais para futuras parcerias que possam implementar o relacionamento da indústria aeronáutica de ambos os países.

Por fim, conversaram a respeito do aumento de intercâmbios entre as duas Forças Aéreas voltados ao preparo da defesa aérea e, principalmente, no combate ao narcotráfico, no que se refere à troca de informações de inteligências.

MINISTÉRIO DA DEFESA


63 militares do Programa Atletas de Alto Rendimento estão classificados para as Olimpíadas de Tóquio


Centro De Comunicação Social Da Defesa (ccomsod) | Publicada em 03/06/2021 10:08

Brasília (DF), 03/06/2021 - A 50 dias dos Jogos Olímpicos de Tóquio, 63 militares do Programa Atletas de Alto Rendimento (PAAR) das Forças Armadas garantiram vaga para a competição, em 17 modalidades, das 27 incluídas no torneio. As disputas estão previstas para ocorrer de 23 de julho a 8 de agosto.

Para garantir a segurança dos atletas olímpicos, paralímpicos e das comissões técnicas que representarão o Brasil em Tóquio, ação interministerial, composta pelos Ministérios da Defesa, da Saúde e da Cidadania, com apoio do Comitê Olímpico do Brasil (COB) e do Comitê Paralímpico Brasileiro (COB), possibilitou a vacinação contra a Covid-19.. A imunização teve início em 14 de maio e ocorre no Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Porto Alegre, Belo Horizonte e Fortaleza.

Até o momento, mais de 1280 integrantes do Time Brasil foram vacinados com a primeira dose. A partir de sexta-feira (4) até 12 de julho, será iniciada a aplicação da segunda dose da vacina.

Militares atletas

Há mais de 20 anos no Vôlei de Praia, a 3º Sargento da Marinha Ágatha Rippel, 28 anos, leva na bagagem experiência para disputar as Olimpíadas. Ela foi medalha de prata nos Jogos Olímpicos do Rio, em 2016. Desde 2017, faz dupla com a 3º Sargento do Exército Eduarda Lisboa e, no mesmo ano, as duas conquistaram o primeiro lugar no Campeonato Mundial Militar de Vôlei de Praia do Conselho Internacional do Desporto Militar (CISM), que ocorreu no Rio de Janeiro.  Em abril e maio, a dupla competiu no Circuito Mundial de Vôlei de Praia disputado em Cancún, no México. Foram 20 jogos em 18 dias e, na bagagem de volta, elas trouxeram três medalhas: uma de ouro, uma de prata e uma bronze.

O 3º Sargento do Exército Gabriel Constantino, 26 anos, participará da prova dos 110 metros com barreiras. Natural do Rio de Janeiro, ele começou no Atletismo aos 12 anos e afirma que o esporte deu oportunidades para que crescesse como pessoa e atleta. Ele afirma que integrar o PAAR, em meio à pandemia, foi fundamental para manter o alto desempenho. “Tivemos diversas adaptações e não seria possível eu treinar com tão alta performance. Continuei mantendo meus treinos, fisioterapia, acompanhamento médico e com nutricionista. Graças ao Programa, chego para representar o Exército e o Time Brasil nas Olimpíadas de Tóquio”, destacou.

Integrante do PAAR pela Força Aérea, a 3º Sargento Ana Sátila, 25 anos, garantiu a vaga olímpica na Canoagem, em 2019, no Campeonato Mundial, na Espanha. Apesar da classificação antecipada, também enfrentou os contratempos impostos pela pandemia, principalmente na continuidade dos treinos. “Foram muitas dificuldades no meio do caminho. Fiquei quatro meses treinando em casa, mas a gente conseguiu manter bem a parte física e não perder nada. Estou feliz pela minha dedicação, mesmo tendo incerteza de tudo, foquei para chegar ainda mais preparada nos Jogos Olímpicos”, disse. Em Tóquio, será a primeira vez que a atleta competirá em duas categorias da Canoagem.

Competições

De 29 a 31 de maio, os militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica conquistaram 17 medalhas no Campeonato Sul-Americano de Atletismo, em Guayaquil, no Equador. Ao todo, foram 10 medalhas de ouro, duas de prata e cinco de bronze. Ainda há competições pré-olímpicas com possibilidade de classificação de mais militares atletas do PAAR para os Jogos de Tóquio.

Alto nível
O Programa Atletas de Alto Rendimento (PAAR) foi criado em 2008, por iniciativa do antigo Ministério do Esporte, hoje Cidadania, em parceria com o Ministério da Defesa. A iniciativa contribui para fortalecer a equipe militar brasileira em eventos esportivos de alto nível. Junto com o Comitê Olímpico do Brasil (COB), o Ministério da Cidadania, os Clubes aos quais os atletas do Programa pertencem e as Confederações e Federações Esportivas.

Os militares atletas que integram o Programa têm à disposição todos os benefícios da carreira, como direito à assistência médica, incluindo nutricionista e fisioterapeuta. Eles também dispõem de instalações esportivas militares para treinamento. São os centros da Marinha (Centro de Educação Física Almirante Adalberto Nunes - CEFAN), do Exército (Centro de Capacitação Física do Exército e Complexo Esportivo de Deodoro) e da Aeronáutica (Universidade da Força Aérea - UNIFA).

PORTAL DEFESANET


Tenente-Brigadeiro Botelho despede-se do serviço ativo da Força Aérea Brasileira

Cerimônia Militar ocorreu em Brasília (DF), nesta terça-feira (1º)

Agência Força Aérea | Publicada em 03/06/2021 09:50

A Força Aérea Brasileira (FAB) realizou, nessa terça-feira (1º), a cerimônia militar de despedida do serviço ativo do Tenente-Brigadeiro do Ar Raul Botelho. A solenidade aconteceu na Base Aérea de Brasília (BABR) e contou com a presença do Ministro da Defesa, Walter Souza Braga Netto, que presidiu o ato, acompanhado do Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos de Almeida Baptista Junior.

Participaram, também, do evento Oficiais-Generais da Marinha do Brasil, do Exército Brasileiro e da Força Aérea Brasileira, além de Comandantes, Chefes e Diretores de Organizações Militares e convidados.

O Comandante da Aeronáutica agradeceu ao Oficial-General pela sua dedicação e atuação no cumprimento da missão. “Hoje, passados os 48 anos dedicados ao Brasil, saudamos o Tenente-Brigadeiro Botelho por sublime momento que se despede da Força Aérea Brasileira, reconhecendo em seu semblante a mesma altivez daquele jovem que iniciou toda uma vida de compromisso com a bandeira Nacional.

Neste dia, assistimos com um misto de alegria e saudade, seu pouso final nesta Base Aérea de Brasília, palco onde fez a prova de concurso da Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR), em 1972”, destaca o Tenente-Brigadeiro Baptista Junior.

Na cerimônia, o Oficial-General recebeu a insígnia de Tenente-Brigadeiro do Ar do Major Aviador Plinio Nunes Marcos, Oficial que o acompanhou como assistente nos últimos anos da carreira. Recebeu, ainda, do Cadete Aviador Kelvin Gasparoto, como gesto de reconhecimento e respeito, a custódia definitiva do Espadim de Cadete da Aeronáutica.

O Tenente-Brigadeiro Botelho, em seu discurso de despedida do serviço ativo da FAB, agradeceu a todos que, por quase cinco décadas de dedicação ao País, atuaram ao seu lado, auxiliando e contribuindo para o sucesso de sua carreira. “Agradeço a todos com quem trabalhei, rogando que continuem resolutos na construção de uma Força Aérea coesa, moderna e com elevado índice de prontidão operacional. Estou certo que cumpri meu plano de voo, pronto para meu pouso final da carreira e encerro minha vida de azul na Força Aérea Brasileira. Ao encerrar, volto meu pensamento ao todo Poderoso, agradeço  a dádiva de concluir esta etapa da minha vibrante jornada com saúde e no seio dos meus familiares e amigos”, encerra.

Currículo do Tenente-Brigadeiro Botelho

O Tenente-Brigadeiro do Ar Raul Botelho é natural da cidade de São Paulo (SP) e ingressou nas Forças Armadas em 1973, tendo sido declarado Aspirante, pela Academia da Força Aérea em 1979. Possui todos os cursos de carreira, dentre os quais o Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais, o Curso de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica e o Curso de Política e Estratégia Aeroespaciais.

Ocupou os seguintes cargos: Chefe da Seção de Investigação e Justiça da Base Aérea do Recife; Comandante de Esquadrilha na Academia da Força Aérea; Chefe da Subseção de Instrução e Chefe da Seção de Operações do 1º Esquadrão do Sexto Grupo de Aviação; Comandante do Destacamento de Proteção ao Voo de São Paulo; Comandante da Divisão Técnica do QUARTO Serviço Regional de Proteção ao Voo; Comandante do Grupo de Serviços de Base da Base Aérea de Santos; Comandante do 1º Esquadrão do Sexto Grupo de Aviação; Observador Militar da ONU em Moçambique – África; Assessor na Secretaria de Acompanhamento e Estudos Institucionais do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República; Representante do Brasil na Junta Interamericana de Defesa, em Washington; Assessor do Chefe do Estado-Maior do Comando-Geral do Pessoal; Membro Efetivo da Comissão de Promoção de Oficiais da Aeronáutica; Chefe da 5ª Subchefia do EMAER; Chefe da 6ª Subchefia do EMAER; Comandante da Primeira Força Aérea; Chefe do Estado-Maior do Comando-Geral de Apoio; Comandante do Terceiro Comando Aéreo Regional; Diretor-Geral do Departamento de Ensino da Aeronáutica; Comandante-Geral do Pessoal; Presidente da Comissão de Promoção de Oficiais; Chefe do EMAER; e Chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas do Ministério da Defesa.

Possui 3.600 horas de voo e foi agraciado com 24 condecorações nacionais e quatro estrangeiras. O Tenente-Brigadeiro Botelho foi promovido ao atual posto em março de 2015.

EMAER realiza workshop sobre necessidades de serviços espaciais

Objetivo foi identificar as principais necessidades de serviços espaciais no âmbito do Ministério da Defesa

Agência Força Aérea | Publicada em 03/06/2021 10:10

O Estado-Maior da Aeronáutica (EMAER) realizou, no dia 27 de maio, um workshop sobre as necessidades de serviços espaciais para o Ministério da Defesa. O objetivo foi identificar as principais demandas da área espacial no âmbito do Ministério da Defesa. O evento aconteceu no auditório do EMAER, em Brasília (DF), de maneira presencial e também por videoconferência, e contou com a participação do Chefe do Estado-Maior Conjunto do Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), Major-Brigadeiro do Ar Alcides Teixeira Barbacovi; do Chefe da Terceira Subchefia do Estado-Maior da Aeronáutica, Major-Brigadeiro do Ar João Campos Ferreira Filho; do Presidente da Comissão de Coordenação e Implantação de Sistemas Espaciais (CCISE), Brigadeiro do Ar Rodrigo Alvim de Oliveira; do Chefe da Assessoria Especial da Chefia de Logística e Mobilização do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA), Brigadeiro do Ar Adriano Beraldo Andrade; além de representantes do Ministério da Defesa; da Marinha do Brasil; do Exército Brasileiro; e da Força Aérea Brasileira.

Durante o workshop, o COMAE apresentou as atividades realizadas pelo Centro Conjunto Operacional de Inteligência (CCOI), bem como os serviços espaciais disponíveis para as Forças Armadas e agências governamentais. Na sequência, cada Força Singular e o Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas apresentaram as suas necessidades de serviços espaciais, seguido por um debate sobre a importância da integração efetiva da atuação das Forças e do uso das ferramentas espaciais.

Segundo o Major-Brigadeiro Campos, a utilização dessa tecnologia tornou-se vital para a manutenção da soberania do nosso País, com a possibilidade do emprego de satélites em áreas como vigilância, reconhecimento, comunicação, inteligência e meteorologia. “Não há como imaginar o planejamento de uma Operação sem utilização de serviços satelitais, como a capacidade de comunicação, imagens óticas, radar e todos os produtos que os satélites podem fornecer. Então, esse workshop é para que o EMAER, como coordenador da atividade espacial, conheça as necessidades que a Força Aérea ainda não conseguiu vislumbrar no âmbito da Defesa e aprimore o trabalho com base nelas”, concluiu o Oficial-General.