NOTIMP - NOTICIÁRIO DA IMPRENSA

Capa Notimp Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil e até do mundo. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.


PORTAL BLASTING NEWS BRASIL


Sabe por que os aviões quase sempre são pintados de branco?

Se surpreenda com os motivos pelos quais as empresa aéreas têm por opção a cor branca em suas aeronaves.

Jornalista Cosmopolitan

Você certamente já viu uma aeronave, seja de pertinho num aeroporto, através da mídia televisiva, ou até mesmo olhando para o céu. De empresas variadas, internacionais ou nacionais, particulares e até mesmo de carga, a grande curiosidade é saber por qual motivo elas são, em sua maioria, de cor branca. Na verdade, não existe uma única razão, mas sim algumas, e elas são verdadeiramente importantes até mesmo para a nossa segurança, como, por exemplo, na hora de identificar alguma rachadura na fuselagem, vazamento de óleo e outros problemas que envolvem a estrutura da aeronave, a cor favorece essa inspeção e identificação dos mesmos com mais facilidade. Outra atribuição é que esta cor funciona como um refletor de luz e também de calor, favorece o não aquecimento da aeronave por causa da luz solar. Outra coisa bem interessante, é que a cor foi escolhida por ser facilmente detectada no céu, e, apesar dele ser azul com nuvens brancas, saiba que o branco é muito mais visível a grandes distâncias que qualquer outra cor.

Tirando todas os favorecimentos técnicos de segurança, outra coisa que é levada em questão, são os custos e a mão de obra para pintar um avião, o que pode levar até mesmo algumas semanas a depender do orçamento solicitado. E, pensando nisso, a maioria das empresas aéreas faz a opção pela cor branca, afinal é mais fácil retocar pequenos arranhões e marcas ocasionadas pelo tempo de uso.

Uma ave colidindo com um avião por exemplo, pode deixar marcas em sua fuselagem, e aí vem uma outra dúvida: Será que o choque entre a aeronave e um pássaro, oferece risco de queda a um avião? Isso só seria possível se elas danificassem o motor e as turbinas, desta forma afetariam as hélices e partes do bichinho poderia adentrar no motor, oferecendo um risco de incêndio e paralisação de seu funcionamento. As turbinas estão preparadas para suportar colisões com objetos de até 3,6 quilos, e para você ter uma ideia, uma ave como o urubu pesa em média 1,5 quilos. É preciso lembrar que aviões voam muito mais alto que pássaros, e acidentes com estes animais são raros, acontecem mais na decolagem ou aterrizagem da aeronave.

 

PORTAL EL PAÍS


Após semanas de caos e insegurança, termina a paralisação da PM no Espírito Santo

Depois de acordo com governo capixaba, mulheres e familiares de PMs decidiram desocupar as portas dos batalhões no Estado

Heloísa Mendonça

Imagem

As mulheres e familiares de policiais militares do Espírito Santo desocuparam os portões dos batalhões e quartéis de diversas cidades capixabas, colocando fim a paralisação da polícia militar no estado, três semanas depois do seu início. O Quartel do Comando Geral (QCG), em Vitória, um dos locais mais emblemáticos do bloqueio realizado pelas mulheres, foi liberado nesta manhã. O fim do protesto ocorreu depois de familiares dos PMs e representantes do Governo do Estado chegarem a um acordo para por fim ao movimento. A reunião durou nove horas e foi mediada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT-ES).

Desde o início do mês, as mulheres fecharam as entradas de batalhões impedindo a saída dos militares para policiamento nas ruas capixabas, o que desencadeou um caos de violência no Estado. Durante a paralisação, pelo menos 199 pessoas morreram, segundo dados do Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo (Sindipol-ES).

O Governo do Estado assumiu o compromisso de que não haverá novos Procedimentos Administrativos Disciplinares (PADs) nem inquéritos policiais (que podem levar a expulsão e até a prisão dos agentes), mas deixou claro que não irá suspender os que já foram abertos. Além disso, afirmou que os policiais não serão transferidos da Grande Vitória para o interior e vice-versa, em eventual reformulação da Corporação. Outro pedido feito pelas mulheres e aceito pelo governo foi a desistência das ações judiciais contra familiares e associações.

O reajuste salarial da categoria, que era a principal reivindicação do movimento, no entanto, não foi discutido na reunião. Desde o início do protesto, o Governo argumenta que o aumento dos salário dos PMs - um dos menores do Brasil - é inviável devido à Lei de Responsabilidade Fiscal.

Um novo encontro está marcado para a próxima semana. Participaram da reunião, além das mulheres e do secretário de Direitos Humanos, Júlio Pompeu, representantes da CUT, do Ministério Público do Trabalho e do Tribunal Regional do Trabalho.

Segundo o comandante-geral da PM, coronel Nylton Rodrigues, todo o efetivo da corporação já retornou ao trabalho, conforme as escalas de serviço. Rodrigues informou, entretanto, que os 3.000 homens das Forças Armadas enviados ao estado para garantir a segurança da população durante a crise vão permanecer por mais tempo, atuando segundo o cronograma decidido anteriormente ao acordo.

De acordo com o comando da PM, os policiais já vinham retornando à rotina nas últimas três semanas. Antes da reunião com as mulheres dos policiais e associações, o comando-geral da corporação contabilizava a normalização dos serviços em 43 cidades capixabas.

“A nossa principal premissa era evitar o uso da força e isso foi feito. A segunda era resolver isso pelo diálogo e isso também foi feito”, afirmou Rodrigues em coletiva de imprensa. Em nome da Polícia Militar, o comandante geral também pediu desculpas aos capixabas pelo “momento terrível e trágico” para todos.

 

OUTRAS MÍDIAS


ODIARIO.COM (PR)


Mulheres desobstruem batalhões e motim de policiais no ES termina

CAROLINA LINHARES

BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) - Mulheres de policiais militares do Espírito Santo desobstruíram os portões dos batalhões neste sábado (25) dando fim ao motim que paralisou o policiamento no Estado desde o último dia 4.

A saída das mulheres ocorreu após um entendimento com o secretário de direitos Humanos do Espírito Santo, Júlio Pompeu, e a adesão da CUT (Central Única dos Trabalhadores) ao movimento.

Em reunião na noite de sexta (24), ficou acertado que não serão impostos novos procedimentos punitivos aos policiais e as ações judiciais contra familiares e associações de militares podem ser suspensas.

Um novo encontro está marcado para quinta-feira (2). Participaram da reunião, além das mulheres e do secretário de Direitos Humanos, representantes da CUT, do Ministério Público do Trabalho e do Tribunal Regional do Trabalho, que irão atuar como mediadores.

"Nós tínhamos 43 municípios com 100% dos policiais trabalhando até agora, mas hoje toda a PM responde às escalas de serviço", afirmou o comandante-geral da PM capixaba, Nylton Rodrigues, em entrevista à imprensa. O Espírito Santo tem 78 municípios.

"Nossa premissa era evitar o uso progressivo da força [para retirada das mulheres]", disse Rodrigues.

Em nome de todos os policias, o comandante se desculpou à sociedade "pelo momento terrível e trágico para todos".

Uma das mulheres autuantes no movimento afirmou à Folha de S.Paulo que elas não desistiram das reivindicações principais: reposição de perdas salariais e perdão aos policiais envolvidos.

O governo do Espírito Santo afirma não ser possível aumentar os salários devido à Lei de Responsabilidade Fiscal e colocou como condição para a negociação de outras demandas a retomada do policiamento.

"Saímos para atender ao pedido do governador e iniciar a negociação. A gente agora precisa ser ouvida de outra forma", disse a representante.

PUNIÇÕES

Segundo Rodrigues, os processos administrativos e os inquéritos policiais -que podem levar à expulsão e até à prisão- em andamento não serão suspensos, mas a volta ao trabalho irá amenizar a situação dos policiais.

"Os policiais que retornaram terão isso como sua defesa, o que irá colaborar para a decisão final", disse.

Por enquanto, as Forças Armadas e de Segurança Nacional enviadas pelo governo federal continuarão a atuar no Espírito Santo. O planejamento para o Carnaval será mantido, mas agora com o reforço de todo o efetivo da PM.

O motim vinha perdendo força desde sábado (11), quando o comando-geral passou a fazer chamados em locais públicos para que os policiais se apresentassem sem a necessidade de ir até os batalhões obstruídos.

Aos poucos, o efetivo da PM do Espírito Santo, de dez mil policiais, foi retomando as atividades e o número de mulheres nos batalhões foi diminuindo.

 

JORNAL DIA A DIA (MS)


Defesa cibernética é eleita a grande questão para os próximos anos no Brasil 

Por Ray Santos

Mecanismos de segurança e detecção de ameaças ganharão mais destaque nos setores de defesa e segurança nos próximos anos. Projeto coordenado pelo Exército Brasileiro prevê o investimento de cerca de R$ 331 milhões até 2020 em proteção contra cyber ataques

O cenário mundial de defesa e segurança cibernética demanda constantes investimentos em novas tecnologias, uma vez que os ataques de hackers e os crimes virtuais estão mais sofisticados e ultrapassam cada vez mais rápido as ferramentas de proteção já existentes. Para se ter uma ideia do potencial desse mercado, o Relatório Anual de Cibersegurança da Cisco 2017 revelou que apenas 56% dos alertas de segurança são investigados e menos de metade dos alertas efetivos são solucionados. A LAAD Defence & Security 2017, mais importante feira de defesa e segurança da América Latina, que acontece de 4 a 7 de abril no Riocentro, no Rio de Janeiro, reunirá algumas das empresas responsáveis pelas mais modernas soluções e tecnologias utilizadas em defesa e segurança cibernética.

As ameaças digitais também estão na agenda de preocupação das Forças Armadas do País que trabalham para oferecer uma estrutura de alto nível para proteger o Brasil de cyber ataques. Nesse sentido, desde 2009 o Exército Brasileiro está a frente de um projeto que inclui a construção de um Centro de Defesa Cibernética, desenvolvimento de soluções em software e hardware, aquisição de supercomputadores e materiais de investigação digital. O valor do projeto é de cerca de R$ 331 milhões e deverá ser concluído até 2020.

“Para vencer a batalha cibernética há diferentes formas de proteção e uma delas é adotar uma posição preditiva, ou seja, antecipar-se aos possíveis ataques ao invés de apenas tratar depois de existirem”, explica Luiz Rubião, CEO da empresa de engenharia e software Radix, uma das participantes do evento.

“A chave da prevenção está na própria gênese da arquitetura do sistema a ser utilizado. Isso significa que os conceitos de defesa e segurança cibernética devem ser implantados desde o início de um projeto de software ou sistema de rede, usando componentes que possuem uma proteção intrínseca”, explica Rubião, que acrescenta: “assim, a chance de você ser atacado ou os danos que você pode ter depois de atacado são naturalmente menores”.

Outro ponto que necessita de atenção na questão de defesa e segurança cibernética é o risco de ataques a dispositivos conectados à internet utilizando um dos conceitos de tecnologia mais comentados nos últimos anos: a Internet das Coisas (IoT). “Um exemplo de violação de segurança nesse sentido veio a público quando dois hackers invadiram o sistema embarcado de um utilitário esportivo dando comandos na direção do veículo remotamente”, completa o CEO da Radix. Na LAAD Defence & Security 2017, a Radix irá expor serviços e soluções de tecnologia em hardware e software para a área de cybersecurity e também de monitoramento e segurança de grandes áreas e distâncias.

Investigação criminal – Entre as tecnologias que serão apresentadas na LAAD 2017 estão as ferramentas que auxiliam na solução mais rápida de crimes. A israelense Cellebrite irá expor a linha UFED Analytics, UFED Infield e UFED Touch 2, que são novidades em tecnologias para a extração de dados de dispositivos móveis e softwares especiais para análise de informações sob o ponto de vista investigativo. A tecnologia UFED da Cellebrite é utilizada por agências de inteligência do mundo inteiro.

“Essas soluções permitem que examinadores, analistas, investigadores e procuradores possam, simultaneamente, organizar, buscar, mapear, visualizar e gerenciar grandes conjuntos de dados digitais que ajudam na identificação de evidências críticas de forma rápida e eficiente”, afirma o diretor da Cellebrite para América Latina e Caribe, Frederico Bonincontro, que acrescenta: “a expectativa da empresa é crescer na América Latina em 2017, ampliando o escopo de clientes e a oferta de soluções para investigação digital que unificam instantaneamente a investigação criminal com evidências justificáveis”.

Outra empresa confirmada na LAAD Defence & Security 2017 é a Suntech, que atua no mercado brasileiro no segmento de inteligência com soluções de alta tecnologia para as áreas de Defesa e Segurança. De acordo com o diretor comercial da empresa, Lincoln Egydio Lopes, a Suntech lançará no evento o Sistema Federado de Inteligência. “Trata-se de um sistema desenvolvido com uma arquitetura para a gestão da inteligência intra e inter agências de segurança, integrando as distintas esferas do poder público em um único ambiente para captura e compartilhamento de informações de investigação e inteligência”, revela o executivo.

Com foco na área de tecnologias de cybersecurity, transmissão e comunicação para segurança e defesa, a feira conta também com a participação de empresas como a Rafael Advanced Defense Systems, VMI Sistemas de Segurança, Globalstar, Motorola e Secunet Security Networks.

Os jornalistas interessados em cobrir a LAAD Defence & Security 2017 podem fazer o credenciamento para imprensa pelo link: http://credencial.online/laad2017/imprensa/

Sobre a LAAD Defence & Security

Maior e mais importante feira de defesa e segurança da América Latina, a LAAD Defence & Security chega em 2017 a sua 11ª edição. Reúne bienalmente no Riocentro, no Rio de Janeiro, empresas brasileiras e internacionais especializadas no fornecimento de soluções para as três Forças Armadas e Forças Policiais. Além de exposição, o evento conta com programa de conteúdo exclusivo como o Seminário de Defesa LAAD e o Seminário de Segurança LAAD. Na última edição, em 2015, o evento reuniu 642 marcas expositoras de 41 países, 36.250 visitantes de 90 países e 170 delegações oficiais de 74 países.

Clarion Events
 

Por mais de 65 anos, a Clarion Events dedica-se à promoção e organização de feiras de negócios, eventos e congressos. Reúne aproximadamente 700 mil visitantes e congressistas e 12 mil expositores e patrocinadores em mais de 200 eventos realizados ao redor do mundo. A Clarion Events tem presença global – atua em 12 escritórios em 9 países e está no Brasil desde 2008.

LAAD Defence & Security 2017 – Feira Internacional de Defesa e Segurança
Data: 04 a 07 de abril
Local: Riocentro – Av. Salvador Allende, 6.555 – Barra da Tijuca – Rio de Janeiro – RJ
Horário da Exposição: 04 e 06 de Abril – das 10h às 18h e 07 de Abril – das 10h às 17h
Horário dos Seminários: 04 de Abril – das 14h às 17h / 05 e 06 de Abril – das 10h às 17h

Assessoria de Imprensa – LAAD Defence & Security 2017
Conteúdo Empresarial – Comunicação Integrada
11 3230-7434 / 13 3304-7437 / 13 3304-7438

Atendimento à Imprensa:
Alessandro Padin
alessandro@conteudoempresarial.com.br
13 9 9111-0663
SKYPE: alessandro_padin

Valeria Bursztein
valeria@conteudoempresarial.com.br
11 9 9104-2031
SKYPE: vbursztein

Arucha Fernandes
arucha@conteudoempresarial.com.br
13 9 9768-3476
SKYPE: conteudo.empresarial

 

FOLHA VITÓRIA


Policiais que foram afastados vão poder voltar às ruas, diz comandante da PM

Os policiais que foram transferidos também poderão voltar a sua rotina e para as unidades que pertenciam, e as Forças Armadas continuarão atuando no Estado
Folha Vitória

Os policiais militares que foram afastados do cargo por sofrerem Processo Administrativo Disciplinar (PAD) vão poder voltar às ruas. Foi o que afirmou o comandante da Polícia Militar, coronel Nylton Rodrigues, após um acordo estabelecido entre o Governo do Estado com as mulheres e familiares dos militares que bloqueavam as entradas dos batalhões de todo o Espírito Santo.

De acordo com o comandante, os processos abertos contra os PMs não serão cancelados, mas eles terão a oportunidade de abrandar a punição. Os procedimentos vão transcorrer normalmente até o final, mas a conduta deles com o retorno ao trabalho poderá colaborar com a defesa.

“Os inquéritos foram instaurados e as investigações e procedimentos administrativos vão transcorrer normalmente. As condutas serão individualizadas e quem retornou ao trabalho terá isso para a sua defesa. O retorno vai contribuir muito para a solução e pode abrandar a punição. Eu vou providenciar o cancelamento dos afastamentos para que ele [o policial] exerça a sua função normalmente, mesmo com o processo”, afirmou Rodrigues.

Além disso, ainda segundo o coronel, os policiais que foram transferidos também poderão voltar a sua rotina e para as unidades que pertenciam. “São decisões que fazem bem para os militares e para a sociedade. Nossa preocupação é o retorno da totalidade as ruas”, destacou.

Sobre a negociação com as mulheres, o comandante afirmou que eles sempre estiveram abertos para o diálogo. “O governo possui uma mesa de negociação e sempre esteve aberto para isso. Ontem chegou-se a um denominador comum que estabeleceu de vez o fim desse movimento. O acordo foi estabelecido e registrado em ata. Não haverá nenhum tipo de perseguição. Queremos valorizar os bons policiais”, disse.

Mesmo com a volta de todo o efetivo, as Forças Armadas continuarão atuando no Estado. “Continuamos com as forças armadas e o planejamento para o carnaval será mantido e comandado por eles. O planejamento vai ter o reforço desses policiais que retornaram, com 100% da polícia. Haverá o efetivo da PM, com escala na totalidade, e os 3 mil das Forças Armadas”, informou o coronel.

O comandante aproveitou o momento para se desculpar com a população capixaba que sofreu com a insegurança. “Em nome dos policiais militares, quero registrar o nosso pedido de desculpa para a sociedade por esse período trágico para o Estado. Agora estamos de volta em nossa totalidade e a população pode voltar a contar conosco, pois cumprimos a nossa missão”.

Sobre o fim da Ronda Ostensiva Tática Motorizada (Rotam) e a possível fusão com o Batalhão de Missões Especiais (BME), Rodrigues alegou não poder falar sobre o assunto. “A PM possui o Estado Maior Geral. Esse órgão estuda a possibilidade, mas não apresentou o fim do estudo. Não posso adiantar sobre isso”.

 

COMÉRCIO DO JAHU (SP)


ImagemHidroavião Jahú vive meses de reclusão

Museu da TAM em São Carlos completa um ano fechado; Jaú tem poucas condições de receber aeronave

João Guilherme D Arcadia

Símbolo da travessia do Atlântico empreendida em 1927, o hidroavião Jahú não é visitado por ninguém há pouco mais de um ano. Em fevereiro do ano passado, o Museu da TAM em São Carlos encerrou suas atividades, privando do acesso ao público quase 100 aeronaves. Entre elas, a que transportou o aviador jauense João Ribeiro de Barros e seus três colegas de Cabo Verde ao Brasil, há 90 anos. Desde janeiro e até abril, o Comércio publica reportagens especiais sobre o feito (veja quadro).

O Savoia-Marchetti S.55 está em São Carlos há uma década. Antes, passou anos no Museu da Aeronáutica no Ibirapuera, em São Paulo, onde se deteriorou. Seus “restos” foram encaminhados para o Campo de Marte e depois para Carapicuíba, onde um empresário encampou sua total restauração. Só então foi cedido em comodato pela Fundação Santos Dumont, que detinha sua propriedade, ao museu da companhia aérea – reconhecido como espaço onde o Jahú ficou mais bem conservado desde então.

Com o fechamento do acervo por motivos financeiros, no entanto, o hidroavião vive meses de reclusão. Apesar disso, há certo consenso de que Jaú não tem a menor condição estrutural de receber uma relíquia deste porte.

O diretor do Museu Municipal José Raphael Toscano, Fábio Grossi dos Santos, afirma que a aeronave precisaria ficar em ambiente adaptado, climatizado e seguro – que, por ora, não existe. “Como entusiasta, acredito que o melhor seria que ele estivesse aqui. Mas, hoje, seria a ruína deste avião”, sinaliza.

No museu, além do diversificado acervo de itens pessoais de João Ribeiro, está exposta a hélice reserva original do hidroavião, que também demanda manutenção periódica. “Espero que, no futuro, Jaú consiga abrigar esse avião.”

Projeto

O arquiteto do Departamento de Patrimônio Histórico da Secretaria de Cultura e Turismo, Ricardo Luís Dal´Bó, chegou a elaborar um anteprojeto de um museu temático no antigo armazém de café na Rua Humaitá. O espaço comportaria o Jahú e outros símbolos da aviação nacional, com integração para a Praça Tancredo Neves.
“Seria no mínimo honroso que o avião voltasse para cá algum dia”, menciona.

O Museu da TAM foi acionado pela reportagem na última segunda-feira, mas a assessoria de imprensa não retornou até o fechamento desta edição.

 

FOLHA VITÓRIA


Governador se reúne com cúpula da segurança e general do Exército

No encontro, o governador traçou a agenda para os próximos dias com o secretário de segurança André Garcia e com o comandante da PM, Coronel Nylton Rogrigues

Folha Vitória

Na manhã deste sábado (25), o governador Paulo hartung se reuniu com o general Adilson Katibe, comandante da Operação Capixaba de atuação das forças armadas no Espírito Santo.

No encontro, o governador agradeceu o trabalho que vem sendo desenvolvido e destacou a importância da atuação do exército e da força nacional em território capixaba.

"Reforço o meu agradecimento, assim como o das pessoas do nosso Estado. O trabalho das forças federais no Espírito Santo foi crucial em um momento delicado e desafiador, nos ajudando a restabelecer a ordem. A permanência no Estado tem sido de fundamental importância, com ações que contribuem para a crescente normalidade", declarou o governador.

Poucas horas antes de receber o general Katibe, Hartung se reuniu com a cúpula da segurança pública estadual. No encontro, o governador, o secretário de Segurança Pública, André Garcia, e o comandante-geral da Polícia Militar, Coronel Nylton Rodrigues, fizeram uma avaliação do trabalho realizado até o momento e discutiram a agenda para os próximos dias.

Após 22 dias de paralisação, os 17 municípios do Espírito Santo que ainda tinham obstrução nas unidades da Polícia Militar tiveram as suas atividades normalizadas na manhã deste sábado (25). Agora, todos os 78 municípios do Estado estão com o policiamento completo e os militares estão de prontidão para atender aos chamados dos capixabas.

 

COMÉRCIO DO JAHU (SP)


ImagemRestauração demorada

Quando o voo do Jahú completou 80 anos em 2007, um entusiasta da aviação tocou o restauro da aeronave.
O convênio envolveu o Ministério da Aeronáutica, a empresa de taxi aéreo Helipark, a Fundação Santos Dumont e o Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat).
A equipe que trabalhou no restauro dedicou mais de 12 mil horas de trabalho para pesquisar as condições originais da aeronave e revitalizar o Jahú. Boa parte do tempo foi dispendida para encontrar materiais fiéis ao hidroavião ou desenvolver itens bem próximos aos originais, como pregos de cobre.
Várias parcerias foram firmadas para adquirir tintas, vernizes e outros insumos. De Jaú, o Instituto Arruda Botelho contribuiu com parte da madeira, segundo a Fundação Santos Dumont. A empresa Jahú Borrachas e Acessórios contribuiu com a doação de livros sobre a história de João Ribeiro de Barros. Também foi necessário trabalho de descupinização.
O avião foi entregue à fundação em outubro de 2007, na sede da Helipark em Carapicuíba. (JGD)

 

 

 

JORNAL HARD MUSICA (PORTUGAL)


Incêndio em avião da Latam e mau tempo criaram caos em Congonhas

Longas filas de passageiros formaram-se nos balcões da Latam no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, após o cancelamento de nove voos da companhia, provocados pelas fortes chuvadas que atingiram a capital paulista.

Maycon Policarpo

Segundo a Latam, a operação deste sábado sofreu impacto devido "ao encerramento do aeroporto na noite de ontem, por causa das fortes chuvas que atingiram a capital".

“Em função do ocorrido, houve necessidade do cancelamento de voos deste sábado (25), que operariam a partir das 17:00, e 31 voos amanhã (26)”, disse a companhia, por comunicado de imprensa.

A Latam informou que os passageiros estão sendo reacomodados em voos reprogramados ou nos próximos voos disponíveis da companhia ou de outras empresas. Alguns passageiros relataram à Agência Brasil que precisaram ser acomodados em hotéis na capital para embarcarem somente amanhã.

Para evitar mais transtornos, a companhia recomendou que os passageiros consultem a situação de seu voo através do site da Latam antes de comparecerem no aeroporto.

A companhia informou também que os passageiros com reservas para voos com origem ou destino ao aeroporto de Congonhas ou de Guarulhos hoje ou amanhã podem escolher uma das seguintes opções: solicitar o reembolso do bilhete, sem cobrança adicional; postergar a viagem para até 15 dias após a data de voo original, sem cobrança adicional; alterar o destino dentro da validade da viagem, sem cobrança de taxas. As alterações, segundo a Latam, podem ser feitas no site da companhia.

Fogo em turbina

Na noite de quinta-feira (23), a Latam enfrentou problemas no mesmo aeroporto. Um avião da companhia apresentou problemas durante a decolagem e provocou o encerramento de do Aeroporto de Congonhas. Segundo comunicado da companhia, a aeronave teve um princípio de incêndio numa das turbinas e a decolagem foi interrompida. Os bombeiros foram accionados e controlaram o incêndio. Não houve feridos.

LATAM Airlines Group S/A, é o nome da companhia aérea criada após o anúncio da fusão entre a chilena LAN Airlines e a brasileira TAM Linhas Aéreas.

 

REVISTA W3 (SC)


De recrutas a criminosos: o desfecho do roubo que surpreendeu a todos

Seria trágico, violento e audacioso se não fosse forjado 

Por Saulo Pithan

Seria trágico, violento e audacioso se não fosse forjado. Após uma grande mobilização do Exército, inclusive de tropas vindas de fora do Estado, com os serviços de Inteligência das forças armadas, e o apoio das polícias, Civil e Militar, foi constatado que o "assalto" nas dependências do 28º Grupo de Artilharia de Campanha (GAC), no Bairro Primeira Linha, em Criciúma, registrado na noite de quinta-feira não passou de uma farsa.

Segundo o coordenador da Divisão de Investigação Criminal (DIC), delegado André Milanese, que participou das diligências, o recruta Donato Henrique Fidélis Lima, de 19 anos, que se passou por vítima, esteve envolvido na ação criminosa. Outro militar, que estava de folga, também foi identificado e preso. Foi na casa da avó dele, no Bairro Brasília, que o fuzil Fal 762, carregado com 20 munições, foi apreendido na tarde dessa sexta-feira. A arma já foi levada novamente ao quartel. A reportagem não teve acesso ao nome do segundo envolvido e o Exército não se manifestou sobre a situação.

É apurado ainda o envolvimento de um terceiro envolvido, que teria sido desligado recentemente do 28º GAC. A participação de um quarto elemento também não é descartada.

Além da DIC e dos militares das forças armadas, policiais civis da Central de Investigações Criminais (CIC), a PM e o Serviço Aeropolicial (Saer), formando uma força-tarefa, deram apoio nas investigações e na operação visando o resgate do armamento pesado, como também a identificação dos envolvidos. A mobilização começou ainda na madrugada nos bairros de maior vulnerabilidade social, porém acabou onde se menos imaginava e com a surpreendente autoria.

Os dois militares estão presos no quartel, onde devem ficar por bastante tempo, já que o caso será tratado somente na esfera militar, tramitando o processo na Justiça Militar, considerada por muitos como mais rigorosa do que a Justiça comum, mesmo se for confirmada o envolvimento de civis ou ex-militares, por conta de o crime ter sido registrado em área militar e de ter sido roubado armamento do Exército.

Em consulta a condenações envolvendo casos semelhantes, a pena para o roubo de um armamento das forças armadas efetuado pelo próprio militar pode chegar a dez anos de prisão, pena maior até do que em roubos tendo autores civis. A reclusão é cumprida em sua totalidade nas sedes militares com a rigidez peculiar do Exército.

O jovem, que de vítima passou a culpado, confessou toda a ação. O outro militar preso foi quem invadiu o quartel, pelo matagal na lateral da via que dá acesso a Içara, rendendo o colega que estava de sentinela. O outro comparsa, que seria o recém-desligado, teria chegado em seguida. Para tudo parecer o mais real possível, eles agrediram Donato e auxiliaram na amputação da ponta do dedo indicador da mão direita dele.