NOTIMP - NOTICIÁRIO DA IMPRENSA

Capa Notimp Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil e até do mundo. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.


JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO


Forças Armadas prometem manter investimento em atletas olímpicos


Paulo Roberto Conde

Na contramão do momento de fuga de investimentos privados e de empresas estatais no esporte brasileiro, as Forças Armadas afirmam que vão manter para a Olimpíada de Tóquio o mesmo patamar alocado para os Jogos do Rio.

Atualmente com 650 atletas alistados em suas divisões (Exército, Marinha e Aeronáutica), a previsão do Ministério da Defesa é não fazer cortes. O número de contemplados deve oscilar pouco.

A pasta destinou R$ 18 milhões em 2016 ao programa, que ganhou mais musculatura em 2008 -principalmente em razão de o Brasil ser sede dos Jogos Mundiais Militares de 2011, no Rio. Do montante, R$ 15 milhões foram para remuneração dos atletas e R$ 3 milhões para treinamentos e participações em competições, sobretudo no exterior.

O soldo para cada competidor gira em torno de R$ 3,5 mil. O recrutamento é feito por meio de edital e, após avaliação curricular, entrevista e testes físicos, a incorporação dura oito anos.

"Prosseguiremos com nosso programa de alto rendimento, com vistas à consolidação do nosso status, já conquistado, de potência desportiva militar mundial e a continuidade de nossa contribuição ao esforço olímpico nacional", afirmou Paulo Zuccaro, diretor do departamento de desporto militar do Ministério da Defesa.

O bom desempenho dos militares na Rio-2016 deu força ao programa. Dos mais de 460 atletas brasileiros inscritos no evento, 145 tinham eram do programa militar. E, das 19 medalhas conquistadas pela delegação, 13 foram por competidores vinculados às Forças Armadas.

Apesar da manutenção do investimento, Zuccaro disse que haverá "refinamento" na escolha das modalidades que serão contempladas, levando em consideração os resultados nos Jogos. Não há interesse, por exemplo, em patrocinar esportes coletivos. "Procuraremos apoiar intensamente modalidades individuais que distribuem muitas medalhas e não demandam a formação de grandes e onerosas comissões técnicas", afirma Zuccaro.

A maciça maioria dos representantes do programa é temporária, ou seja, não é militar de carreira. Embora não tenham que cumprir rotina, eles passam por reciclagens. O campeão olímpico do salto com vara, Thiago Braz, por exemplo, teve de ficar em treinamento durante duas semanas em outubro.

Em 2015, a aliança entre Forças Armadas e o esporte marcou o Pan-Americanos de Toronto, quando vários atletas chamaram a atenção batendo continência no pódio. Houve protestos de torcedores nas redes sociais.

A pasta disse que jamais deu orientação para que o gesto fosse feito na hora de receber medalhas ou na execução do hino nacional. Na Rio-2016, o COI (Comitê Olímpico Internacional) não vetou as continências.

Os campeões olímpicos do vôlei de praia Alison e Bruno Schmidt, os ginastas Arthur Zanetti e Arthur Nory, o judoca Rafael Silva e o atirador Felipe Wu fizeram a posição.

ATLETAS-MILITARES
Os medalhistas no Rio envolvidos no programa do Ministério da Defesa

OURO
Aeronáutica:
Thiago Braz (atletismo)
Marinha:
Alison (vôlei de praia)
Bruno Schmidt (vôlei de praia)
Kahena Kunze (vela)
Martine Grael (vela)
Mayra Aguiar (judô)
Rafaela Silva (judô)
Robson Conceição (boxe)

PRATA
Aeronáutica:
Arthur Zanetti (ginástica artística)
Exército:
Felipe Wu (tiro esportivo)
Poliana Okimoto (maratona aquática)
Marinha:
Ágatha (vôlei de praia)
Bárbara Seixas (vôlei de praia)

BRONZE
Aeronáutica:
Arthur Nory (ginástica artística)
Maicon Andrade (taekwondo)
Exército:
Rafael Silva (judô)

 

PORTAL UOL


Forças Armadas continuam nas ruas do Recife até 3 de janeiro


O Governo de Pernambuco pediu a extensão da presença das Forças Armadas no Estado. De acordo com o governador Paulo Câmara, o pedido foi aceito e confirmado pelo Governo Federal. Os custos serão repassados pela União e, nesse período, o Governo vai tentar dialogar com a Polícia Militar.

Com a medida, as tropas devem continuar em Pernambuco até 3 de janeiro. As Forças Armadas estão no Estado desde o dia 9 deste mês para reforçar a segurança devido à operação padrão da Polícia Militar, que reduziu o policiamento na Região Metropolitana e interior.

O prazo para as Forças Armadas deixarem as ruas terminaria nesta segunda-feira (19).

Reforço policial

Na última sexta-feira (16), a Polícia Militar de Pernambuco teve o reforço de 1.475 agentes que estavam de férias e atenderam à determinação da Secretaria de Defesa Social (SDS) de voltar às atividades no período de 15 a 31 de dezembro deste ano. Esse efetivo é será utilizado para reforçar o policiamento nas ruas.

A medida reduz o impacto da Operação Padrão da PM, que os policiais se recusam a sair em viaturas que não tenham um sargento como motorista além de equipamentos básicos para o serviço, e não estão cumprindo o Programa de Jornada Extra de Segurança, o PJES, nas folgas.

Através de nota, o comandante-gera da PM, Carlos D´albuquerque informo que: "O canal de diálogo e negociação do governo com a categoria está completamente aberto, mas, em paralelo, estamos adotando todas as medidas legais ao nosso alcance para garantir a segurança da população".

 

JORNAL VALOR ECONÔMICO


Embraer: Ação na OMC é único modo de garantir `condições equilibradas´


Juliana Machado

SÃO PAULO - A Embraer afirmou que considera “de extrema importância” a decisão do Conselho de Ministros da Câmara de Comércio Exterior (Camex) de abrir procedimento de solução de controvérsias contra o Canadá. Em nota, a fabricante de aeronaves destacou que os questionamentos se referem aos subsídios de mais de US$ 4 bilhões oferecidos pelo Canadá à Bombardier, concorrente da brasileira no setor de jatos comerciais. Só em 2016, foram aportados na rival US$ 2,5 bilhões.

“O entendimento do governo brasileiro, compartilhado pela Embraer, é de que os subsídios oferecidos à Bombardier pelo governo canadense, além de assegurar a sobrevivência da empresa, permitiram-lhe oferecer suas aeronaves ao mercado a preços artificialmente baixos, desorganizando o setor de jatos comerciais e ferindo os compromissos assumidos pelo Canadá na OMC”, afirmou a Embraer.

Segundo a companhia, depois das tentativas de solucionar a questão no plano diplomático, a solução formal de controvérsias na OMC é “a única maneira de assegurar condições equilibradas de competição no mercado de aeronaves civis”. “Os subsídios fornecidos pelo Canadá têm causado importantes distorções no mercado, além de violar a normativa internacional vigente”, diz o presidente da Embraer, Paulo Cesar Silva, no comunicado.

 

PORTAL G-1


Militares participam de força tarefa para combate ao Aedes aegypti no PI

As ações intensificam o combate ao vetor durante período chuvoso. Cerca de 300 soldados devem atuar em Teresina e no interior do estado.

A Secretaria de Estado da Saúde do Piauí (Sesapi) inicia os preparativos para uma força tarefa contra o mosquito Aedes aegypti, transmissor das doenças dengue, Zika e chikungunya. Cerca de 300 soldados do Exército Brasileiro recebem treinamento sobre o combate ao vetor e deverão atuar a partir do primeiro semestre de 2017 em Teresina e no interior.

A gerente de vigilância de saúde da Sesapi, Miriane Araújo, explica que as ações visam a redução do adoecimento da população durante o período de maior sazonalidade das doenças transmitidas pelo mosquito, por conta das chuvas. Os soldados devem atuar primeiramente em Teresina e no município de Picos, Sul do estado.

“As ações estão dentro do plano de ação da secretaria para o primeiro semestre de 2017. A previsão é o apoio do exército em Teresina e Picos. Nesses municípios, a Fundação Municipal de Saúde é que capacitam os militares”, explicou.

Os militares receberão uma capacitação com duração de 8 horas sobre vetor e as formas de transmissão de doenças. Durante o turno da tarde os soldados realizam práticas, onde visitam residências juntamente com os agentes de endemias dos municípios.

“Após os treinamentos, os militares estarão capacitados ao combate ao vetor”, garantiu a gerente.

Segundo a gerente, em 2016, as ações da Sesapi no combate ao Aedes se concentraram na capital onde foi registrado o maior número de casos de doenças relacionadas ao vetor. Para 2017 a odeia é levar as ações de combate ao mosquito para o interior.

“Para o próximo ano o intuito é atuar nos municípios que apresentarem levantamento do índice de infestação alterado ou estiveram infestados. O Estado vai solicitar o apoio do Ministério da Saúde para que esses militares atuem no interior do estado”, disse.

Ainda, segundo Miriane, em relação a dengue o Piauí conseguiu reduzir o percentual de casos da doença em 2016, chegando a 32,8%. Em relação à zika e a chikungunya o estado apresentou um aumento em relação a 2015, com 200 casos de microcefalia, sendo 101 confirmados e oito em investigação no Centro de Referência a Microcefalia.

De acordo com o comandante do 2° Batalhão de Caçadores, tente coronel Alessandro da Silva, os militares treinados aguardam somente a ordem do Ministério da Defesa para atuarem nos municípios. “Uma das missões que as Forças Armadas têm é a de desenvolver ações subsidiárias. Essa missão de apoio ao Ministério da Saúde, às secretarias municipais e estaduais está inserida nesse contexto. Então nós nos organizamos para que não deixemos a nossa atividade fim de lado e possamos contribuir com a população brasileira para a manutenção do índice de saúde da população”, explicou.

 

PORTAL JANES (Inglaterra)


Brazil concentrates its A-1 aircraft in Santa Maria


Victor Barreira, Istanbul

The Brazilian Air Force (FAB) is concentrating its AMX International A-1A/B/M fighter fleet at Santa Maria airbase in Rio Grande do Sul, after the Adelphi Squadron based at Santa Cruz airbase in the state of Rio de Janeiro was recently deactivated, the FAB announced on 15 December.

The aircraft were formerly fielded by Adelphi Squadron and now complement A-1s from Centauro and Poker squadrons at Santa Maria in close air support, attack, and reconnaissance roles.

Adelphi Squadron, created in November 1988, is to be re-activated at Anápolis in Goiás state to operate incoming Saab Gripen E/F (F-39) fighters.

As part of its restructuring plan, the FAB is implementing changes in its administrative and operational organisation.
 

PORTAL DIÁRIO DO PODER


Brasileiros são liberados para cruzar fronteira e retornar da Venezuela

Governo de Roraima obteve autorização da guarda nacional venezuela

A Secretaria Extraordinária de Assuntos Internacionais de Roraima conseguiu a liberação dos brasileiros que estão retidos na Venezuela desde o fechamento da fronteira, no dia último dia 13. Uma equipe da pasta saiu de Boa Vista na manhã de hoje (19) para Santa Helena de Uairén, município venezuelano que faz fronteira com a cidade roraimense de Pacaraima.

A titular da secretaria, Verónica Cáro, informou que decidiu se reunir com autoridades do governo e do Exército daquele país depois que o presidente Nicolás Maduro prorrogou o fechamento da fronteira até o dia 2 de janeiro.

“Quando fechou da primeira vez, ficamos preocupados, mas era pouco tempo. Trabalhamos muito com as emergências, pessoas com problemas de saúde. Só que quando vimos que tinha prorrogado, ficamos preocupados com os turistas, porque já estavam ficando sem dinheiro, com crianças. Então, hoje cedo, tomamos a decisão, já com a lista de turistas que tínhamos, e pedimos uma reunião com o comandante da guarda nacional venezuelana, com o general da mesma guarda e com o comandante do Exército. Eles nos trataram com muita gentileza e fomos autorizados a resgatar não só os turistas que tinham nos procurado, mas todos os turistas brasileiros que estão na Venezuela."

A secretária informou que os brasileiros podem começar a deixar a fronteira na tarde desta segunda-feira (19). Porém, o Exército venezuelano solicitou que a saída seja feita de forma ordenada e que seja apresentada uma lista com nomes e documentos daqueles que querem atravessar a fronteira.

Os turistas devem procurar o vice-consulado do Brasil em Santa Elena de Uairén ou ligar para a Secretaria Extraordinária de Assuntos Internacionais em Boa Vista, no número DDD 95 – 99146 99 77. O telefone estará disponível 24 horas. Um telefone na Venezuela também foi disponibilizado: 041 48 45 88 50.

O vice-consulado do Brasil na cidade venezuelana estima que quase 100 brasileiros tentam sair do país desde o fechamento da fronteira. Cerca de 50 pessoas entraram em contato com o Itamaraty, informando falta de dinheiro e de comida. Há informações de que dezenas de brasileiros já deixaram o país vizinho de forma clandestina.

Verónica Cáro informou que ainda vai se reunir com o Consulado da Venezuela em Boa Vista para tratar da situação dos venezuelanos que estão retidos em Pacaraima.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, decidiu fechar a fronteira da Venezuela com o Brasil para combater máfias que atuam para retirar de circulação as notas de maior valor da moeda do país, as de 100 bolívares, provocando instabilidade econômica e social.

O Ministério das Relações Exteriores confirmou que, em função das gestões feitas por meio da Embaixada do Brasil em Caracas e do Vice-Consulado em Santa Elena de Uairén, as autoridades venezuelanas abrirão a fronteira para os turistas brasileiros que desejarem voltar para o Brasil, todos os dias, às 14h00, enquanto durar o fechamento da fronteira determinado pelo governo da Venezuela.

Os brasileiros que estão na região de fronteira e querem voltar ao Brasil devem se dirigir ao Vice-Consulado em Santa Elena de Uairén, para incluir seus nomes na lista que será entregue às autoridades venezuelanas de fronteira, informou a assessoria do Itamaraty, em nota. (ABr)

 

OUTRAS MÍDIAS


SÓ NOTÍCIAS (MT)


Passageiros são prejudicados com mais um cancelamento de voo em Sinop

Cerca de 50 passageiros foram prejudicados devido ao cancelamento do pouso de uma aeronave de uma companhia área, no último sábado. O avião decolou do aeroporto Marechal Rondon, às 12h45 e a previsão era de que pousasse, em Sinop, às 13h45. No entanto, devido ao mau tempo a aeronave teve que retornar e descer novamente em Várzea Grande.

Esta foi a quinta aeronave que precisou cancelar o voo devido ao mau tempo e a falta de equipamentos para auxiliar no pouso em Sinop. Na quinta-feira, um avião modelo ATR 72-600, da mesma empresa, não conseguiu pousar no aeroporto municipal João Batista Figueiredo. No site Flightradar24, que disponibiliza a visualização de aviões pelo mundo em tempo real e através de mapas, mostra a aproximação da aeronave no aeroporto sinopense. O avião circula em baixa altitude pelo menos dez vezes e retorna ao aeroporto Marechal Rondon.

O supervisor do aeroporto, Lindomar Costa, explicou anteriormente, ao Só Notícias, que os Indicadores de Precisão de Trajetória de Aproximação (PAPI - Precision Approach Path Indicator) foram instalados, mas ainda não foram homologados e liberados pelo Departamento de Controle de Espaço Aéreo (Decea). “Os equipamentos estão instalados, mas só podem ser utilizados quando estiverem homologados. O prazo é definido pelo Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta). O processo está tramitando e não existe um prazo exato para que eles façam essa liberação”.

Conforme Só Notícias já informou, estes equipamentos foram doados pela Colonizadora Sinop para o município, em março deste ano. Se estivessem funcionando ajudariam na navegação e boa parcela dos voos não seria cancelada.

Nesta segunda-feira pela manhã, com chuva, a aeronave pousou e decolou.