NOTIMP - NOTICIÁRIO DA IMPRENSA

Capa Notimp Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil e até do mundo. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.


CORREIO 24 HORAS (BA)


‘Ninguém é uma ilha, é preciso ajudar o próximo’, militares doam sangue em Salvador


Gil Santos | Publicada em 17/06/2020 14:42

Em época de pandemia, quanto custa para fazer o bem? A resposta é 30 minutos do seu tempo. Esse é o período que uma pessoa leva para doar sangue na Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Estado da Bahia (Hemoba). O novo coronavírus afugentou os doadores e derrubou pela metade os estoques de sangue O positivo e A positivo, os dois tipos mais usados pelos baianos.

Nesta quarta-feira (17), militares do Comando Conjunto Bahia (CCJ - Bahia) no 2º Distrito Naval foram até o Hemoba para participar de uma ação de desinfecção e doação de sangue. Essa foi a quarta vez que integrantes do CCJ ajudaram a repor o estoque de sangue do estado desde que a pandemia começou. O Ministro da Defesa, general-de-exército Fernando Azevedo e Silva, está em Salvador e acompanhou a iniciativa.

“As Forças Armadas estão fazendo o esforço, como sempre fizeram quando a população brasileira necessitou dela. Nós instituímos dez comandos conjuntos no Brasil inteiro, estamos com 30 mil militares, por dia, e mil viaturas empregadas ajudando em várias ações, como doação de sangue, distribuição de alimentos, desinfecção, e transporte logístico de material de saúde pelo Brasil inteiro. As Forças Armadas têm colaborado no esforço conjunto de todo o Brasil, com estados e municípios,”, afirmou.

O CORREIO encontrou a 2º Tenente Milena Bittencourt fazendo um lanche depois de ter feito mais uma doação. Ela contou que já doa sangue há anos, e garantiu que essa ação ajuda quem mais precisa e, ao mesmo tempo, faz bem para quem é solidário.

“A gente se sente bem. É uma sensação de dever cumprido. A gente está fazendo, na verdade, um pouco de tudo o que a gente pode fazer pelo outro. Estamos no mundo para ajudar um ao outro. Ninguém é uma ilha, precisamos pensar e ajudar o próximo”, disse.

Os militares contaram que outras doações de sangue serão programadas. O Comando Conjunto Bahia é composto por integrantes da Marinha do Brasil, Exército Brasileiro e Força Aérea Brasileira, e foi criado em março deste ano para atuar no apoio às ações de saúde e segurança do estado da Bahia em mitigação aos efeitos da covid-19.

Na ação desta quarta-feira, participaram 22 militares do Exército, 15 da Aeronáutica, e 10 da Marinha. Todos doaram sangue. Além de mais 15 homens que trabalharam na desinfecção do local, mesmo procedimento que eles aplicaram nas Obras Sociais Irmã Dulce, em unidades do Complexo Penitenciário da Mata Escura, e no porto de Salvador. Os militares também estão auxiliando na entrega de 22 mil cestas básicas oferecidas pela prefeitura à população carente.

Cenário
O diretor do Hemoba, Fernando Araújo, contou que os tipos sanguíneos O positivo e A positivo estão presentes em 75% da população baiana, e por serem os mais comuns são também os mais demandados. Em junho, o estoque desses tipos de sangue tem em média de 250 a 300 bolsas, mas este ano o percentual está em apenas 45% desse total. O tipo A negativo também está em falta.

“O ato feito pelo Governo Federal, trazendo o comando do Exército, Marinha e Aeronáutica para fazer doação de sangue, é importante por ser uma representação, um chamado para que as organizações e a sociedade civil façam contribuições. É o ato voluntário de amor ao próximo de poder salvar vidas, e essa ação é importante”, afirmou.

Araújo destacou que em junho o número de doações de sangue diminui por conta das férias no Nordeste, mas que aumenta a demanda devido aos acidentes nas festas juninas. Este ano, por causa da quarentena a quantidade de doadores foi ainda menor.

Para doar é preciso ter entre 16 anos (com responsável) e 69 anos, pesar mais de 50 kg, e estar saudável, sem dores de cabeça, coriza, febre, enjoos ou similares. O dia e o horário da doação podem ser agendados através do site ou do telefone (71) 3116-5643. “Lembrando que estamos em uma situação de pandemia em que não é recomendado que pessoas acima de 60 anos saiam do isolamento, não é um pré-requisito, mas é uma recomendação”, frisou Araújo.  

No dia da doação, é preciso levar um documento original com foto (não pode ser crachá de empresa), e passar por uma triagem clínica e hematológica que é feita pouco antes da doação. Todo o procedimento dura entre 25 e 30 minutos, e cada bolsa de sangue tem validade de até 30 dias.

Polêmica
Antes de acompanhar a ação dos militares, Azevedo e Silva participou de uma reunião com integrantes do alto escalão das Forças Armadas, e reafirmou o compromisso de Exército, Marinha e Aeronáutica com a democracia. O comentário foi feito depois de declarações antidemocráticas realizadas pelo presidente Jair Bolsonaro nas últimas semanas.

“As Forças Armadas, desde o regramento atual, que é a Constituição de 1988, ela é fiel ao regramento jurídico e democrático. Foram três décadas em que as Forças Armadas tiveram um papel fiel ao regramento, e nós não vamos nos afastar disso. Estamos voltados para Operação da Covid-19, para a Operação Acolhida na Venezuela, Operação Pipa distribuindo água para o Nordeste inteiro, Operação Verde Brasil combatendo as queimadas e o desmatamento, além das missões do dia a dia”, afirmou.

Antes de estar em Salvador, o ministro esteve no Rio Grande do Norte, Paraíba, e Pernambuco para acompanhar o trabalho de assistência desenvolvido pelas Forças Armadas nesses estados.

MINISTÉRIO DA DEFESA


Profissionais de saúde embarcam em mais uma missão para apoiar comunidades indígenas na Região Norte


Maristella Marszalek | Publicada em 17/06/2020 20:58

O Ministério da Defesa, em conjunto com o Ministério da Saúde, realiza uma série de ações para apoiar as comunidades indígenas neste período de pandemia do novo coronavírus. Nesta quarta-feira (17), partiu mais uma aeronave da Força Aérea Brasileira rumo à Região Amazônica. A bordo, 23 profissionais de saúde das Forças Armadas, além de 70 mil itens de proteção individual e insumos médicos.

O destino, desta vez, será o município de Atalaia do Norte, no Amazonas, que abrange grande parte da região do Vale do Javari, segunda maior área indígena do Brasil. São 85.445 km², onde vivem cerca de 7 mil indígenas, de sete etnias diferentes. São elas: Marubo, Matis, Mayoruna (Matsés), Kulina (Pano), Kanamari (Tukuna), Korubo e Tsohom-Dyapa.

A equipe de saúde das Forças Armadas se juntará aos profissionais da Secretária Especial de Saúde Indígena (SESAI), do Ministério da Saúde, que já atendem comunidades do Vale do Javari. São dez médicos, um de cada uma das seguintes especialidades: obstetrícia, endocrinologia, cirurgia geral, ginecologia, gastroenterologia, anestesia, ortopedia e mais três clínicos. O grupo ainda é composto por uma farmacêutica, três enfermeiros e nove técnicos de enfermagem.

O Secretário de Pessoal, Ensino, Saúde e Desporto do Ministério da Defesa, Manoel Luiz Narvaz Pafiadache, destaca que a ação faz parte de amplo trabalho realizado pelo Ministério da Defesa, com o apoio das Forças Armadas, em parceria com a pasta da Saúde, para levar assistência às comunidades indígenas.

“Apoiamos e cuidamos da população que se encontra em localidades de difícil acesso, e nela se incluem muitos indígenas, graças ao trabalho das Forças Armadas, em conjunto com outros Ministérios e Órgãos. Já levamos médicos e insumos para as regiões do Alto Rio Negro e do Alto Solimões. A intenção, agora, é continuar trabalhando de forma ininterrupta para minimizar os efeitos da COVID-19 nessas áreas”, disse o Secretário.

Tenente Pádua, médico que atua no Hospital Naval de Brasília, é um dos integrantes da missão. Ele, que já teve a experiência de participar de outras operações no Amazonas, em navios de assistência hospitalar da Marinha, disse que gostou muito da experiência de levar apoio a quem precisa e viu, agora, a oportunidade de repetir o feito.

“É muito gratificante para quem é médico, poder atuar em áreas remotas com realidades diferentes, com outro tipo de vivência e de cultura. É sempre um aprendizado. A gente ganha mais do que leva. Para mim, é uma honra fazer parte desse grupo e espero levar saúde a nossos irmãos que estão mais afastados, carentes de assistência. Que possamos cumprir uma boa missão!”, desejou o Tenente.

A Capitão Fernanda Dalcolmo, ginecologista do Hospital das Forças Armadas de Brasília, não escondia a satisfação em participar da ação. “As Forças Armadas estão sempre prontas para ajudar onde quer que seja. E nesse momento, é preciso levar auxílio às comunidades remotas da região do Amazonas, que já tem dificuldades e estão sofrendo nessa época de pandemia. Somos voluntárias e missão dada é missão cumprida”, disse ela.

No mesmo voo também seguem cerca de 30 mil máscaras cirúrgicas, 16 mil toucas, 12 mil aventais descartáveis, 400 unidades de máscaras N95, 3 mil aventais impermeáveis, 540 unidades de álcool etílico 70%, 1.320 unidades de testes rápidos para COVID-19, 300 protetores faciais, 500 unidades de macacões de proteção e diversos medicamentos, além de 16 ventiladores pulmonares. Os materiais, que totalizam 70 mil itens, serão destinados ao Hospital Municipal de Atalaia do Norte, que é referência de atendimento em toda a região do Vale do Javari, e ao Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) Vale do Javari, para atendimento nas aldeias.

O Secretário Especial de Saúde Indígena (SESAI), Robson Santos da Silva, também embarcou na missão para acompanhar as ações no interior do Amazonas. "Mais uma vez, Ministério da Saúde e Ministério da Defesa estão partindo para atender a população indígena e não indígena. Hoje, estamos nos dirigindo ao Vale do Javari, com uma equipe de profissionais, levando tudo aquilo que é necessário para o atendimento. A ideia é levar aos irmãos brasileiros de toda aquela região o nosso apoio. Nos deteremos nas questões dos indígenas que se encontram em área urbana; não teremos contato com indígenas isolados. O objetivo é atender aquelas comunidades onde, eventualmente, já tenha a presença do vírus”, explicou Robson.

Antes do embarque, visando à segurança das comunidades indígenas, uma equipe de Saúde do Hospital das Forças Armadas de Brasília (HFA) realizou inspeções sanitárias e testes para a certificação da ausência de qualquer sintoma da COVID-19 entre os integrantes da missão. Além disso, foi exigida a apresentação de teste de RT-PCR negativo para a doença.

Profissionais da imprensa nacional e internacional também acompanham essa missão interministerial de apoio aos povos indígenas do Vale do Javari. A previsão de retorno é na segunda-feira (22).

Operação COVID-19
O Ministério da Defesa ativou, em 20 de março, o Centro de Operações Conjuntas, para atuar na coordenação e no planejamento do emprego das Forças Armadas no combate à COVID-19. Nesse contexto, foram ativados dez Comandos Conjuntos, que cobrem todo o território nacional, além do Comando Aeroespacial (COMAE), de funcionamento permanente. A iniciativa integra o esforço do governo federal no enfrentamento à pandemia que recebeu o nome de Operação COVID-19.

 

AEROFLAP


Mais 6,1 toneladas de equipamentos são transportadas pela FAB


André Magalhães | Publicada em 17/06/2020

Uma aeronave C-130 Hércules da Força Aérea Brasileira (FAB) realizou, nesta terça-feira (16), missão de Transporte Aéreo Logístico em apoio à Operação COVID-19. O avião, pertencente ao Primeiro Esquadrão do Primeiro Grupo de Transporte (1°/1° GT) – Esquadrão Gordo, transportou 6,1 toneladas de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs).

O FAB 2477 decolou da Ala 11 – Base Aérea do Galeão, no Rio de Janeiro (RJ), às 12h10 e pousou na Ala 7 – Base Aérea de Boa Vista, às 19h20 (horário de Brasília). Os materiais transportados – álcool em gel, aventais, máscaras (cirúrgica, face shield e N95), óculos, toucas, respiradores e válvulas – serão utilizados para o enfrentamento e atendimento dos pacientes infectados pelo novo Coronavírus na região

O Comandante do C-130, Capitão Aviador Guilherme Guimarães Neto, disse que cumpre com satisfação a missão. “Sempre que somos acionados, nos dedicamos para cumprir com máxima eficiência. Estamos empenhados na continuidade da nossa missão”, declarou.

O Sargento Phelipe Cordeiro Pedrosa, que exerce a função de loadmaster (mestre de cargas) na aeronave, ressaltou que se sente honrado em pertencer ao Esquadrão. “Cumprimos com êxito mais essa missão de combate ao novo Coronavírus e estamos sempre de prontidão”, completou.

Operação COVID-19
A Operação COVID-19, coordenada pelo Ministério da Defesa, mobiliza militares por todo o Brasil. Homens e mulheres das Forças Armadas atuam no enfrentamento à pandemia do novo Coronavírus, em apoio à população. As ações envolvem descontaminação de espaços públicos, doações de sangue, transporte de medicamentos e equipamentos de saúde, distribuição de kits de alimentos para pessoas de baixa renda, entre outras. Na execução dessas atividades, os militares atuam organizados em 10 Comandos Conjuntos que cobrem todo o território nacional, bem como no Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE). Esses Comandos reúnem militares das três Forças (Marinha, Exército e Aeronáutica), que desenvolvem esforços no cumprimento das missões.

Conheça a parceria Brasil-Alemanha na contratação de veículos suborbitais da família S30


André Magalhães | Publicada em 17/06/2020

A parceria do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) com a Agência Aeroespacial Alemã (DLR – Deutsches Zentrum für Luft-und Raumfahrt) é um exemplo de sucesso binacional desde 1969. Dentre os frutos desta relação, destaca-se o veículo suborbital VSB-30, que realizou 31 lançamentos que cumpriram a missão, sendo quatro no Centro de Lançamento de Alcântara (CLA); 24 no Centro de Lançamento de Esrange, em Kiruna, na Suécia; um no Centro de Lançamento de Andoya, na Noruega; e dois no Centro de Lançamento de Woomera, na Austrália.

De Projeto a Produto, o VSB-30 vem se mostrando um exemplo de sucesso. Por conta disso, o interesse do DLR permanece ativo quanto à aquisição de foguetes VSB-30, dado que eles se destacam em termos de desempenho e qualidade de voo quando comparado aos concorrentes similares existentes mundo a fora. Por causa disso, o DLR oficializou, recentemente, a extensão de sua necessidade em adquirir mais seis VSB-30 e um VS-30.

A provisão de recursos ao IAE para atender a demanda será via Fundação de Ciência, Aplicações e Tecnologia Espaciais (FUNCATE). Tais recursos serão destinados ao convênio “001/IAE/2016 – Foguetes Suborbitais de Pesquisa e Plataformas de Reentrada & Experimentos Científicos e Tecnológicos”, cujo objeto é a captação de recursos financeiros para aquisições de itens e serviços.

O Diretor do IAE, Brigadeiro Engenheiro César Demétrio Santos, ressalta a importância das aquisições pela Alemanha. “A parceria com a DLR permite ao Brasil participar do Programa Suborbital Europeu, além de manter a capacitação técnica na área de desenvolvimento de veículos suborbitais, bem como o transbordamento de conhecimento para realização e suporte das missões espaciais brasileiras”, finaliza.

OUTRAS MÍDIAS


BARBACENA ONLINE - EPCAR realiza capacitação de docentes quanto às práticas de ensino no ambiente virtual


Fab | Publicada em 17/06/2020 16:15

Nos dias 9 e 10 de junho, a Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR) realizou o 1° Webinar para os docentes do Curso Preparatório de Cadetes do Ar (CPCAR), com o tema “Reconstruindo caminhos com o uso de tecnologias na educação”. A opção pelo formato “Webinar” foi escolhida por ser um seminário online, ao vivo, que permitiu a interação de todos os participantes de maneira simultânea e via chat. Foi um encontro fundamental para que os envolvidos compreendessem as particularidades do ensino remoto, além de conhecerem ainda mais práticas interativas no processo de ensino e aprendizagem. 

Entre os participantes do seminário estavam os professores, as pedagogas e o Chefe da Divisão de Ensino, Coronel Aviador Mauro Henrique Monsanto da Fonseca e Souza, que comentou sobre a importância dessa formação. “A realização do 1º Webinar da EPCAR teve o objetivo de capacitar o corpo docente quanto às práticas de ensino em tempos virtuais, sobretudo, buscou proporcionar subsídios para o aprimoramento didático e pedagógico das aulas online, por meio de videoconferência, e da implementação do Ambiente Virtual de Aprendizagem no CPCAR”, explicou. Estavam presentes também, a equipe do Departamento de Ensino do Colégio Naval, sediado em Angra dos Reis (RJ). 

A programação contou com palestras de temas relacionados às metodologias com o uso de Tecnologias da Informação e Comunicação, além de momentos para debates e questionamentos. 

O tema “A prática de ensino em tempos virtuais”, apresentado pelo Professor Mestre Alex Ribeiro Nunes, da Universidade de Lavras, fez com que todos refletissem sobre a riqueza de uma aula online e os desafios que podem ser superados a partir de um bom planejamento e interação com os estudantes. Já os professores Kristian Gonçalves Gomes e Amanda Angélica Pinheiro, profissionais do SENAC e MEATUS SOLUÇÕES, respectivamente, comentaram sobre o poder da comunicação em ambiente virtual, sendo um momento que oportunizou uma reflexão acerca da importância da linguagem clara, estilos de aprendizagem, administração do tempo, concentração dos alunos, dente muitas outras possibilidades de interação eficiente. 

O Comandante da EPCAR, Brigadeiro do Ar Paulo Ricardo da Silva Mendes, encerrou o Webinar agradecendo aos participantes e enfatizou a importância da capacitação e envolvimento de todos em busca da excelência do ensino ofertada aos futuros oficiais da Força Aérea Brasileira. “Devemos buscar evoluir cada vez mais naquilo que fazemos, de buscarmos sermos melhores pessoas e profissionais. A excelência é um hábito a ser adotado principalmente para quem tem o dever de ensinar, de formar, de preparar, que é o papel de todos nós aqui. É isso que nos faz vir a Escola todos os dias”, concluiu o oficial.