NOTIMP - NOTICIÁRIO DA IMPRENSA

Capa Notimp Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil e até do mundo. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.


DEFESA AÉREA & NAVAL


RM12: Mais de 300.000 horas de voo no Gripen


Guilherme Wiltgen | Publicada em 15/06/2020 11:39

Quando a Volvo Aero (agora GKN Aerospace) continuou a desenvolver o motor General Electric F404 (que só havia sido utilizado até então em aviões bi-motores) precisou redesenhar o motor, para aumentar a sua confiabilidade e potência, para atender os requisitos do primeiro Gripen, isso na década de 1980.

O principal resultado desse trabalho foi o RM12, um motor que atende a todos os requisitos de missão do Gripen, com um baixo custo no ciclo de vida. O RM12 também apresentava um design relativamente simples e com menor peso, em comparação com seu antecessor. Com este poderoso motor, o Gripen já voou para mais de 300.000 horas, até agora sem acidentes por falhas de motor.

A GKN tem sido um fornecedor de motores para as aeronaves suecas desde 1930. A empresa hoje tem o certificado tipo para o RM12, o que significa que ela é a responsável por dar suporte ao motor por toda a sua vida. Os operadores do Gripen enviam seus motores à GKN, em Trollhättan, para manutenção.

Em 2017, o RM12 alcançou outro importante marco, demonstrando um excelente desempenho, tanto em voo quanto no solo, utilizando 100% de biocombustíveis.

Na mais recente versão, o Gripen E utiliza o sucessor do RM12, o RM16, e a GKN Aerospace será responsável pela fabricação dos produtos de apoio para o sucessor também.

“A razão pela qual temos a confiança de ser responsável pela manutenção do RM16 é devido, em grande parte, pela a nossa capacidade com RM12. A Força Aérea sueca está satisfeita com o suporte que damos ao produto e quer o mesmo suporte para o RM16. O Gripen equipado com a RM12, tem sido uma das mais bem sucedidas aeronaves exportadas pelos suecos, de todos os tempos. Esperamos poder continuar este glorioso caminho com o RM16”, concluiu Robert Johannesson, gerente comercial da GKN junto às Forças Armadas suecas

 

AEROFLAP


Aviação de Transporte: Lançar, Suprir, Resgatar


Força Aérea Brasileira | Publicada em 15/06/2020 11:09

A história do Correio Aéreo Nacional (CAN) e da Aviação de Transporte começou a ser escrita na manhã do dia 12 de junho de 1931. O setor aeronáutico ainda iniciava seu desenvolvimento quando os Tenentes Casimiro Montenegro Filho e Nélson Freire Lavenère-Wanderley assumiram o desafio de transportar a primeira mala postal do então Correio Aéreo Militar.

A escassez de ferramentas de comunicação, a instabilidade da meteorologia e as limitações de combustível não impediram que o biplano Curtiss Fledgling, matrícula K263, cumprisse a missão entre o Campo dos Afonsos, no Rio de Janeiro, com destino à cidade de São Paulo. Os anos se passaram e a Força Aérea Brasileira (FAB) ampliou sua capacidade de emprego em meios de Transporte Aéreo Logístico para apoiar as atividades operacionais e administrativas das Forças Armadas e da sociedade brasileira como um todo. As novas tecnologias, como a aeronave multimissão KC-390 Millennium, por exemplo, são responsáveis por garantir o fluxo de pessoal, equipamentos e suprimentos, demandado pelos mais diversos setores do país.

KC-390 Millennium na Operação COVID-19

As missões de transporte exigidas pela Operação COVID-19, cumpridas em aproveitamento, têm se mostrado um teste para as capacidades do KC-390 Millennium. Nesses casos, há a participação do Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), no acionamento das missões de Transporte Aéreo Logístico, e do Comando de Preparo (COMPREP), responsável pelo desenvolvimento da doutrina utilizada no preparo operacional dos tripulantes. “Estamos tendo a oportunidade de efetuar o carregamento de diversos tipos de suprimentos, sejam eles viaturas, material logístico ou hospitalar”, acrescenta o Tenente-Coronel Ferraz.

Além disso, conforme completa o Comandante do 1º GTT, as atividades testam a operacionalidade da aeronave multimissão em diversas localidades e regiões do país, o que possibilita empregá-la em diferentes tipos de pistas e condições climáticas. “A aeronave tem demonstrado se adaptar em todos os cenários empregados”, conclui.

Aviação de Transporte no Brasil

Ao todo, são 13 Unidades Aéreas da Aviação de Transporte na Força Aérea Brasileira. Atualmente, a Aviação é equipada com os modelos KC-390 Millennium, C-130 Hércules, C-105 Amazonas, C-99, C-97 Brasília, C-98 Caravan, C-95 Bandeirante, U-100 Phenom e U-55 Learjet. As Unidades estão sediadas em Manaus (AM), Belém (PA), Natal (RN), Rio de Janeiro (RJ), Canoas (RS), Campo Grande (MS), Anápolis (GO) e Brasília (DF).