NOTIMP - NOTICIÁRIO DA IMPRENSA

Capa Notimp Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil e até do mundo. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.


PORTAL G-1


Associação Comercial de Cascavel lamenta a morte de ex-presidente

Torres Sobrinho e a mulher morreram na queda de um avião em MT. Filha do casal e genro permanecem internados em Tangará da Serra.

A Associação Comercial e Industrial de Cascavel (Acic), no oeste do Paraná, divulgou uma nota em que lamenta a morte do ex-presidente José Torres Sobrinho e da esposa dele, Solésia Stringari Torres, na quinta-feira (5), após a queda de um avião em Tangará da Serra (MT). A aeronave era pilotada pelo empresário. No acidente a filha do casal, Gabriela Torres, e o genro, Fábio Brandalise ficaram feridos.

Na nota, diretores, associados e colaboradores da Acic declaram ter recebido com “grande dor e pesar” a notícia do acidente aéreo com a família de Torres Sobrinho, que a presidiu de 2013 até junho de 2015. O empresário da área de seguros, construção civil e agropecuária completaria 60 anos na terça-feira (10).

“Como presidente da Acic, José Torres Sobrinho deixa um grande legado. Homem de pulso firme e posições convictas deu importante contribuição à modernização interna da entidade e nas fases finais de construção do Edifício Rui Barbosa, que desde junho deste ano abriga a associação comercial. De forte atuação associativista, Torres começou a participar da Acic em 2002 com a formação do Núcleo Setorial de Corretores de Seguros”, destaca a nota.

O avião caiu antes de pousar em uma pista normalmente usada por aviões agrícolas, no perímetro urbano de Tangará da Serra no início da tarde. Peritos do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa) devem investigar as causas do acidente. A suspeita é de que o avião tenha atingido fios de alta tensão durante o pouso. A família viajava para participar de reuniões de negócio, de acordo com o empresário Valdir Soares, que aguardava as vítimas na pista.

Velório

No início da tarde desta sexta-feira (6), a Acic informou que o velório do casal será realizado a partir das 20h ao lado da Sala Paraná, na sede da instituição. O sepultamento está marcado para o sábado (7), às 10h, no Cemitério Central.

Familiares tentam a transferência dos dois feridos. Eles estão internados com diversas fraturas no Hospital de Clínicas de Tangará da Serra. O estado de saúde é estável.

A família havia saído de Cascavel na quarta-feira (4) e seguido para uma fazenda em Amanbai (MS), onde passaram a noite. Na quinta viajaram para Tangará da Serra (MT) para uma reunião de negócios.

 

AGÊNCIA BRASIL


Roraima: 33 pessoas morrem em presídio


Alex Rodrigues

Pelo menos 33 presos da Penitenciária Agrícola de Monte Cristo (Pamc), na zona Rural de Boa Vista (RR), foram mortos hoje (6). Segundo a Secretaria Estadual de Justiça e Cidadania, o tumulto na unidade começou durante a madrugada.

Policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar entraram no presídio no começo da manhã e a situação já está sob controle. As autoridades estaduais ainda não divulgaram detalhes sobre o que aconteceu.

De acordo com a imprensa local, que divulgou imagens como sendo de hoje, presos podem ter sido decapitados. O Pamc é o maior presídio de Roraima.

As mortes em Roraima ocorrem na mesma semana em que 60 presos foram assassinados em estabelecimentos prisionais do Amazonas e um dia após o governo federal lançar o Plano Nacional de Segurança Pública para tentar reduzir o número de homicídios dolosos e feminicídios; promover o combate integrado à criminalidade transnacional e a racionalização e a modernização do sistema penitenciário.

 

PORTAL VEJA.COM


Plano inclui Patrulhas Maria da Penha e pacificação de famílias

Medidas anunciadas pelo ministro da Justiça incluem ainda mapeamento de presos, uso de sistemas da Olimpíada e da Copa e combate ao crime nas fronteiras

Rafaela Lara

O Plano Nacional de Segurança, detalhado nesta sexta-feira pelo ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, prevê a criação de “Patrulhas da Maria da Penha“, a pacificação das famílias com histórico de violência e o uso de sistemas implantados para a Copa do Mundo e Olimpíada para combater a criminalidade.

A implantação do plano começará pelas capitais Natal (Rio Grande do Norte), Porto Alegre (Rio Grande do Sul) e Aracaju (Sergipe). Nos dois primeiros casos, a medida foi adotada porque esses Estados pediram ajuda da Força Nacional de Segurança no ano passado. Já Aracaju foi a capital que mais registrou homicídios em 2016.

Na entrevista, o ministro destacou que é preciso ousar no combate à criminalidade. “Vamos ousar, vamos tentar algo diferente. O importante é começar essa nova filosofia”, afirmou. Segundo Moraes, o plano terá três eixos centrais: capacitação, inteligência e atuação conjunta.

Haverá o aproveitamento de sistemas de segurança e monitoramento desenvolvidos para a Copa do Mundo e Olimpíada do Rio. Os Núcleos de Inteligência Policial (Nipos) serão estendidos para 27 capitais com apoio da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

O Centro Integrado de Comando e Controle Regional (CICCR), que foi usado com êxito na Olimpíada, também será ampliado em todos os Estados. O intuito é implantar a filosofia do CICCR na troca de informações sobre a segurança nacional. A segurança nas fronteiras também será ampliada e intensificada com apoio da PRF e do sistema de radares das rodovias, além do aumento gradativo do efetivo da Força Nacional. Segundo o ministro, tudo o que foi proposto é “extremamente realista e será efetivado”.

Patrulha Maria da Penha

Durante a entrevista, o ministro destacou a importância no combate aos homicídios dolosos, ao feminicídio e à violência doméstica. Ele citou a criação do programa “Patrulhas da Maria da Penha” que contará com apoio de dois ônibus e três caminhões equipados com câmeras para fazer o georreferenciamento dos locais em que há maior índice de violência doméstica. Segundo o ministro, será implantado um policiamento comunitário com o intuito de aproximar as vítimas da Polícia Militar.

Outro programa, chamado Famílias Fortes, será implementado com o intuito de pacificar famílias vítimas de violência e capacitar mulheres por meio de cursos profissionalizantes.

Dentro do combate a homicídios dolosos, feminicídio e violência doméstica, haverá quatro eixos: prevenção, investigação, inteligência e maior integração entre o Ministério Público e o Judiciário. O governo, em parceria com o Ministério da Justiça, também implantará um laboratório central de perícia criminal e o fortalecimento de alguns laboratórios estaduais que passarão a exercer um papel regional para dar celeridade às investigações.

Segundo o ministro, na parte de inteligência do plano, já um mapeamento que aponta as regiões do Brasil com maior índice de feminicídios, violência doméstica e homicídios dolosos. Haverá ainda, nas Patrulhas Maria da Penha, reforço de policiamento e ronda nas áreas onde o mapeamento apontar que existem mulheres com medidas protetivas vigentes para coibir a aproximação de ex-companheiros.

Os Estados passarão a atuar em conjunto no Plano Nacional de Segurança a partir da assinatura do termo de compromisso, que está prevista para o fim de fevereiro.

Modernização carcerária

O ministro também prometeu mapear a população carcerária do país para que o governo federal tenha dados precisos sobre os presos do país, sua distribuição geográfica e o grau de periculosidade.

Segundo o ministro, nunca houve troca de informações no sistema penitenciário e essa será uma das principais mudanças após a implementação do plano. “Hoje, não temos registro para que possamos saber quantos presos nós temos na penitenciária x do Estado y ou quantos presos por furtos qualificados nós temos no Brasil todo. Isso vai ser feito nos primeiros seis meses de 2017 e então teremos informações precisas de todos os presídios”, afirmou.

A partir desses dados, segundo ele, haverá a separação dos presos por alta e baixa periculosidade. “Não é solução para sistema penitenciário só construir presídio. Também investiremos em equipamentos de segurança e, por isso, destinamos 32 milhões de reais para construir e 13 milhões de reais para equipar esses presídios”, disse Moraes.

Combate integrado ao crime organizado transnacional

Haverá ainda a atuação conjunta com os países vizinhos e a parceria integrada com o Ministério da Defesa, das Relações Exteriores e Abin para que a segurança seja reforçada e o crime organizado seja combatido nas regiões de fronteira do país. Segundo ele, o ministro das Relações Exteriores, José Serra, já manifestou total apoio.

Argentina, Uruguai, Paraguai, Bolívia, Peru e Chile estão de acordo com as medidas adotadas no plano, segundo Moraes. Haverá também o reforço no controle de armas legais e ilegais e combate ao tráfico de drogas nas fronteiras. “Há uma boa vontade geral desses países para que possamos avançar”, disse o ministro.

 

OUTRAS MÍDIAS


PODER 360


Novo plano de segurança foca em prisões, homicídios e crime organizado, diz ministro

Entre as medidas está a construção de 5 presídios federais.
Ministro diz que Brasil “prende muito, mas prende mal”.


Gabriel Hirabahasi

O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, anunciou nesta 5ª feira (5.jan) o novo Plano Nacional de Segurança. Serão 3 tópicos, ele diz: 1) combate a homicídios e violência contra a mulher, 2) combate ao crime organizado e 3) reformulação do sistema penitenciário.

O presidente Michel Temer havia antecipado algumas medidas pela manhã, durante reunião do núcleo institucional do governo. A União vai repassar R$ 150 milhões para a contratação de serviços de bloqueadores de celular.

Também faz parte do plano do governo federal a construção de 5 presídios federais, 1 em cada região do país. Cada 1 deve custar de R$ 40 a 45 milhões. Essas medidas integram a 3ª parte do Plano Nacional de Segurança.

Além da construção de mais presídios, Alexandre de Moraes também afirmou que o programa do Planalto envolve uma parceria com o Poder Judiciário para uma “racionalização do sistema penitenciário”. “Nós prendemos muito, mas prendemos mal”, disse.

“Precisamos abandonar essa ideia. Precisamos racionalizar. Dar um tratamento para crimes sem violência ou grave ameaça. Outro para crimes com violência ou grave ameaça”, declarou o ministro da Justiça.

Quanto aos outros 2 tópicos, Moraes disse que serão realizadas operações conjuntas para o combate aos homicídios, à violência contra a mulher e ao crime organizado.

“A CULPA É DA EMPRESA”

O ministro da Justiça afirmou que “a responsabilidade imediata [no caso da rebelião no presídio em Manaus] é da empresa”. A unidade penitenciária era administrada pela empresa Umanizzare.

Durante a manhã, o presidente Michel Temer declarou que o massacre teria sido 1 “acidente pavoroso”.

Alexandre de Moraes não comentou sobre a frase de Michel Temer. Disse que não cabe a 1 ministro falar sobre declarações do presidente.

OPERAÇÃO AGATHA

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, anunciou que a Operação Ágata, realizada uma vez por ano durante 15 dias, terá ação contínua a partir de agora. É uma das definições do plano de segurança. O ministro afirmou que a operação se tornou previsível. “Quando terminava a ação, eles [criminosos] voltavam a operar”, disse.

A ação combate o narcotráfico na fronteira do Brasil com seus vizinhos de América do Sul. Integram a operação a Marinha, Exército e Aeronáutica. Além da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Força Nacional de Segurança Pública, Agência Brasileira de Inteligência (Abin), entre outros.

 

OLHAR DIRETO (MT)


Corpos de empresário e esposa mortos em queda de avião devem seguir para o Paraná hoje


Os corpos de José Torres Sobrinho, 59 anos, e de sua esposa, Solésia Stringari Torres, deverão ser traslados de Tangará da Serra (280 km de Cuiabá), para Cascavel, no Paraná ainda nesta sexta (6). O casal morreu na queda de um avião monomotor pilotado por José, na tarde de quinta-feira (5), quando chegavam ao município mato-grossense para uma reunião de negócios. Eles estavam acompanhados por sua filha e genro, que foram hospitalizados e não correm risco de morte.

De acordo com o Instituto Médico Legal (IML) de Tangará da Serra, os corpos serão liberados assim que forem reconhecidos por familiares, que chegaram à cidade na manhã de hoje. De acordo com a Santa Cruz Serviços Funerários, o irmão de uma das vítimas se encarregará do procedimento, no entanto, ainda não foi definido se os corpos serão levados por meio de um frete aéreo, que parte da Capital, ou se sairão dali direto para Cascavel, de carro.

Na tarde de ontem, os dois sobreviventes foram transferidos de uma unidade pública para um Hospital Particular da cidade. Segundo informações repassadas pelo Hospital Municipal, onde estavam internados, eles apresentam fraturas pelo corpo e quadro de saúde estável. Assim, embora não corram risco de vida, sua situação inspira cuidados. Em contato com o Hospital das Cínicas, onde eles se encontram atualmente, a reportagem foi informada de que ainda não há nenhum pedido de transferência das vítimas para o Paraná.

O Sexto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa), afirmou ao Olhar Direto que vinha acompanhando os primeiros atendimentos necessários à ocorrência, e mantendo contato com a Polícia Civil para dar início a apuração. Uma equipe do Seripa também foi enviada ao local ontem e dará início às investigações que determinarão a causa do acidente começam nesta sexta-feira.

 

PORTAL NOTISUL


Mario Eugenio Saturno – Nasa, ITA e o software do Inpe

Mario Eugenio Saturno – Tecnologista sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe)

O Inpe encerra o ano anunciando uma melhoria significativa na capacidade de processamento do software livre que implementa a modelagem ambiental. E anuncia também que uma parceria foi feita com a Nasa para lançar um nanossatélite, chamado de missão Sport – Scintilation Prediction Observations Research Task, que estudará bolhas de plasma na ionosfera.

Essa missão foi selecionada pela Nasa, mais precisamente o Marshall Space Flight Center. É um nanossatélite do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), do tipo “cubesat”, de seis quilos. As bolhas de plasma são as fontes principais de reflexões de radar na região equatorial. A missão SPORT investigará o crescimento das bolhas de plasma e as relações entre as irregularidades no plasma em altitude de satélites com as cintilações de rádio que se observam.

Os instrumentos a bordo do satélite serão desenvolvidos pelo centro da Nasa e universidades dos Estados Unidos, com a participação de pesquisadores brasileiros. Já a plataforma será semelhante à do Itasat, um nanossatélite universitário realizado em parceria pelo ITA, Inpe e outras instituições de ensino. A montagem e testes serão feitos no Laboratório de Integração e Testes (LIT) do Inpe, em São José dos Campos (SP). E a operação em órbita será do Centro de Controle de Satélites (CCS) do INPE.

O processamento, armazenamento e distribuição dos dados científicos da missão ficarão a cargo do Programa de Estudo e Monitoramento Brasileiro do Clima Espacial (Embrace) do Inpe. O Embrace já possui uma rede de sensores de solo na região da Anomalia Magnética do Atlântico Sul (Amas) e o nanossatélite deverá expandir os conhecimentos da área.

O lançamento será feito pela Nasa, a partir da Estação Espacial Internacional (ISS). O início da missão será em março de 2017, e o seu lançamento de ocorrer entre novembro de 2018 e março de 2019, com uma vida útil estimada de um ano.

O Inpe também lançou uma nova versão da ferramenta para apoio à tomada de decisão em questões de planejamento territorial e ambiental, o LuccME 3.0 (Land Use and Cover Change Modeling Environment). Esse software é livre, código aberto e gratuito, e permite que se construam facilmente modelos para estudos sobre desmatamento, expansão da agricultura, desertificação, degradação florestal, crescimento urbano e outros processos de mudanças de uso e cobertura da terra em diferentes escalas.

Essa versão incorpora os avanços dos sistemas TerraME 2.0 e TerraLib 5.0, conferindo maior capacidade para lidar com grandes bancos de dados geográficos e maior velocidade de processamento, está melhor também a interface gráfica e métricas de validação para facilitar a calibração dos modelos. Os modelos agora podem acessar arquivos no formato mais utilizado na área de geoprocessamento. Logo, tanto dados de entrada como resultados gerados podem ser manipulados diretamente em qualquer sistema de informações geográficas. O download da nova versão pode ser feito no site do Inpe.