NOTIMP - NOTICIÁRIO DA IMPRENSA

Capa Notimp Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil e até do mundo. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.


JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO


TENDÊNCIAS/DEBATES: A realidade da indústria de defesa nacional


Frederico Aguiar

O computador, a internet e o GPS são alguns exemplos de como os investimentos feitos diretamente no setor de defesa podem beneficiar toda a sociedade. A aplicação dual da tecnologia é apenas um dos benefícios a que um país e sua população têm acesso ao investir no setor de defesa.

O Brasil possui uma ativa indústria no setor, com uma participação de 3,7% do PIB, segundo dados referentes a 2014, tendo faturado cerca de R$ 200 bilhões naquele ano.

É um ramo que hoje emprega 150 mil trabalhadores, com um salário médio de R$ 4.100, contra média nacional de R$ 1.943,00. Além disso, para cada R$ 1 investido no setor de defesa, o governo arrecada R$ 0,55 em impostos, valor também acima da média nacional.

Diferentemente do que afirmam os pesquisadores Robert Muggah e Nathan B. Thompson no artigo "Como o Brasil virou o 4º maior vendedor de armas de pequeno porte no mundo", publicado pela "Ilustríssima", ainda não possuímos o devido destaque no ranking mundial. Esse é, sim, um objetivo almejado pelo setor -o de figurar entre os cinco maiores players de defesa do mundo.

Segundo o Instituto da Paz de Estocolmo (Sipri), fonte do Banco Mundial sobre transações internacionais de armas, o total exportado pelo Brasil entre 2001 e 2015 foi de US$ 644 milhões —quase 4,5 vezes menos que o mencionado no referido artigo. Efetivamente, entre 2001 e 2015, o Brasil figurou apenas como o 25º maior exportador de produtos de defesa na lista do Sipri.

Entre os produtos comercializados no exterior está o armamento letal e não letal. Ao ser vendido, o armamento conta com um sistema de rastreabilidade superior ao realizado pelos maiores fabricantes de armas e munições do mundo, com uso de chip eletrônico nas armas e gravação a laser nas munições.

Além disso, o Brasil implementa com efetividade os embargos da ONU a zonas de conflito e possui um controle sofisticado e cotidiano sobre a indústria brasileira em suas exportações.

Todas as vendas para outros países passam por rigoroso processo de autorização que envolve não apenas o Exército brasileiro mas outras instituições, como o Ministério da Defesa e o das Relações Exteriores.

O parecer do Itamaraty, expedido após análise de questões supranacionais —como a existência de sanções, embargos ou outras limitações ao comércio de produtos de defesa— evita que as exportações das empresas do setor violem qualquer tratado bilateral ou multilateral assinado pelo Brasil, ou que beneficiem regimes considerados de exceção pelo Brasil.

A legislação do país exige ainda, no processo de autorização para exportação, que se apresente um certificado de usuário final (End User) pelo comprador. O mesmo instrumento é utilizado por EUA, Itália e Alemanha, referências em políticas de controle sobre produtos de defesa.

Há mais de 30 anos, a Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança (Abimde) realiza um trabalho incessante de profissionalização e governança, cujo desenvolvimento depende de regras próprias de financiamento, previsibilidade de compras e investimento em tecnologia.

Por isso, estamos sempre em busca de diálogo com todos os atores da sociedade que tenham propósito sério de colaborar com apresentação de propostas construtivas.

FREDERICO AGUIAR é presidente da Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Defesa (Abimde)

 

Venezuelanos usam rota paralela para comprar comida no Brasil


Marcelo Toledo Enviado Especial A Pacaraima (rr)

Aposentado, João Pereira de Oliveira, 64, comprou há um ano um terreno para construir sua casa e descansar. Tudo ia bem na pacata vida, até que o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, determinou o fechamento da fronteira entre seu país e o Brasil.

A propriedade do aposentado fica exatamente na fronteira entre os dois países e tornou-se uma rota paralela usada por venezuelanos para entrar ilegalmente no Brasil para comprar alimentos e trazer gasolina para vender em Pacaraima (RR).

A cidade, que não tem postos de combustíveis, foi afetada economicamente pelo fechamento da fronteira.

Maduro alegou que tomou essa decisão para evitar que notas de 100 bolívares (que valem de R$ 0,06 a R$ 0,14, dependendo do câmbio) fossem contrabandeadas por máfias colombianas e brasileiras, apoiadas pelo Departamento de Estado dos EUA para desestabilizar a Venezuela.

Ao menos cem pessoas, a pé ou em motocicletas, fazem diariamente o trajeto entre Santa Elena de Uairén, na Venezuela, e o Brasil por meio da propriedade de Oliveira, que fica a cem metros de uma casa de veraneio da governadora Suely Campos (PP).

"Não tenho opção, preciso comprar arroz, açúcar e óleo. Se não passar aqui, não terei o que comer", disse Carlo Alandi, um dos que fazem a travessia ilegal, de moto.

Durante meia hora, na última quinta (29), a Folha flagrou ao menos dez motos com dois ocupantes cada e seis pedestres usando a casa para a travessia. Dois dias antes, camionetes entraram ilegalmente no Brasil por outro ponto.

Há, além da casa de Oliveira, ao menos outros sete pontos na área urbana de Pacaraima usados para a travessia clandestina, que dura 15 minutos, caso seja feita de moto e as condições do trajeto estejam favoráveis.

"Não há o que fazer, não dá para impedir. Mas, além disso, é uma questão de solidariedade. Estão com muita fome, a gente vê pelo que transportam nas motos. Não dá para proibir ninguém de querer comer", diz o aposentado.

Há uma faixa de 30 metros sem construções entre a casa e os marcos divisórios, exigência legal, o que facilita a ação dos motociclistas.

Até um trecho pantanoso foi usado por venezuelanos, com a orientação de nativos, que chegaram a cobrar R$ 20 para indicar a melhor rota.

Óleo de cozinha, açúcar, creme dental, arroz e maionese são os itens mais transportados tanto nas rotas clandestinas como na fronteira oficial entre os países, aberta para pedestres até as 20h. Veículos brasileiros não entram no país vizinho, mas alguns carros venezuelanos cruzaram a fronteira rumo ao Brasil.

A travessia é favorecida pela fiscalização quase inexistente. A Folha foi à unidade da Polícia Federal, mas não encontrou nenhum agente –tinham saído em missão, segundo um vigilante. Nas fronteiras, nenhum sinal de repressão foi identificado.

"Tenho casa na Venezuela, mas vim para cá viver na miséria. Melhor isso do que morrer de fome. Em janeiro virá mais gente, pois Santa Elena está perigosa e lá já não há o que fazer ou o que comer", diz Giancarlo Ramirez, que está no país com mulher e filhos e tem vivido nos fundos de uma entidade que emprestou o espaço para três famílias.

Reflexo do fechamento da fronteira, o comércio em Pacaraima viu o movimento cair 90% na última semana, segundo o empresário Juliano Torquato (PRB), novo prefeito da cidade.

Até o início de dezembro, o trânsito ficava congestionado na principal rua do comércio devido às dezenas de veículos que eram abastecidos de mantimentos para voltar à Venezuela. Na última semana, só se viu um ou outro carro, em meio a pedestres.

"Já era difícil abastecer a Venezuela, mas, agora, com o fechamento, o que levam é insuficiente", afirma Torquato. O baixo movimento fez com que o comércio deixasse de aceitar bolívares.

A imigração em massa de venezuelanos foi parar na Justiça, que determinou que o governo do Estado e a Prefeitura de Boa Vista adotassem medidas para retirar as crianças das ruas e abrigá-las. Elas compõem grande parte dos estimados 30 mil venezuelanos que chegaram ao Estado nos últimos meses.

Após a decisão, começou a funcionar em Boa Vista na quarta (28) um abrigo humanitário, que atendeu nos dois primeiros dias 300 venezuelanos, a maioria indígenas da etnia Warao. "Não quero morrer, só voltarei se tiver comida na Venezuela", disse Rosaura Sanchez, 45, uma das abrigadas.

A PF informou, por meio de nota, que o fechamento da fronteira causou redução significativa nos atendimentos em Pacaraima e que a unidade na cidade é passagem obrigatória a estrangeiros que desejem entrar ou sair do país.

A nota, assinada pelo delegado Alan Robson Alexandrino Ramos, diz ainda que o contrabando de combustível é investigado em inquéritos policiais e que ações ostensivas resultaram em prisões.

Gasolina, aliás, é o produto mais apreendido na fronteira, segundo ele.

Já a Receita Federal informou, via assessoria, que a entrada ou saída de mercadorias do país fora de pontos alfandegados caracteriza, em tese, crime de contrabando ou descaminho. Para combater isso, o órgão disse desenvolver ações regulares de vigilância e repressão.

"QUEIJO SUÍÇO" NA FRONTEIRA ENTRE VENEZUELA E BRASIL

Fechamento

A Venezuela fechou a fronteira no dia 13, sob a alegação de combater "máfias" que entram no país com notas de 100 bolívares

Prazo

Previsto para durar 72 horas, o fechamento foi prorrogado até segunda-feira (2)

Fronteira

Embora haja uma estrada para ligar Brasil e Venezuela, caminhos alternativos foram ampliados e motoristas chegam a passar de carro por rotas em meio ao mato

Fiscalização

Há do lado brasileiro órgãos como Polícia Rodoviária Federal, Polícia Federal, Receita Federal, Anvisa e Ministério da Agricultura, que fiscalizam a entrada de pessoas e cargas no país

Pedestres

A passagem foi liberada durante o dia, mas apenas para pedestres, que têm de caminhar mais de 1 km para passar pela aduana

 

PORTAL UOL


Você tem ideia de quanto custa um avião de linhas comerciais normais?


Por Vinícius Casagrande Blog Todos A Bordo

A aviação é um mercado caro, muito caro. Para adquirir uma frota dos principais modelos de aviões comerciais, são necessários alguns bilhões de reais. A grande maioria dos aviões comerciais supera facilmente a casa dos US$ 100 milhões, o equivalente R$ 327 milhões.

Para comprar um avião, uma empresa tem de investir ao menos R$ 73,6 milhões para o modelo mais barato, um ATR 42-600 de apenas 48 lugares. Se a intenção for ter o gigante Airbus A380, com capacidade para até 853 passageiros, o investimento chega a R$ 1,4 bilhão.

Poucas companhias aéreas no mundo, no entanto, têm capital financeiro para adquirir uma frota própria de aviões. A grande maioria utiliza o sistema de leasing, um tipo de aluguel de aviões.

O leasing de um Airbus A320, igual aos utilizados pela Latam nas rotas nacionais, por exemplo, chega a US$ 300 mil (R$ 982 mil) por mês. Se fosse necessário comprar o avião, a empresa teria de desembolsar US$ 98 milhões (R$ 320,9 milhões).

Maior avião utilizado por uma companhia aérea brasileira, um Boeing 777-300ER igual ao utilizado pela Latam custa US$ 339,6 milhões (R$ 1,1 bilhão).

Embraer na vantagem com a concorrente

Reduzir custos para oferecer preços mais atraentes é fundamental também para as fabricantes de aviões. Nesse ponto, a Embraer tem larga vantagem em relação à sua principal concorrente, a canadense Bombardier.

Depois de sofrer diversos atrasos, a Bombardier entregou em 2016 os primeiros jatos da nova geração, os CS100 e CS300. Os novos aviões custam entre US$ 76,5 milhões (R$ 250,5 milhões) e US$ 85,7 milhões (R$ 280,6 milhões).

O concorrente mais direto da Embraer é o modelo CS100, que tem capacidade de 108 a 133 passageiros. O novo Embraer 195-E2, ainda em desenvolvimento, terá capacidade semelhante, entre 120 e 130 passageiros. No entanto, o avião brasileiro é US$ 11 milhões mais barato. Um 195-E2 custa US$ 65,6 milhões (R$ 214,8 milhões).

Todos os valores são os chamados “preço de lista”, uma referência para todo o mercado. Cada avião que sai da fábrica, no entanto, pode ter um valor maior ou menor. O preço final depende da configuração exigida e das negociações feitas.

A Bombardier, por exemplo, teve de dar descontos generosos para vender seus novos aviões às companhias Delta e Air Canada e recuperar o dinheiro investido no processo de desenvolvimento.

Confira a seguir o preço dos aviões comerciais das cinco maiores fabricantes do mundo.

Boeing

737-700 – US$ 80,6 milhões (R$ 263,9 milhões)

737 MAX7 – US$ 90,2 milhões (R$ 295,4 milhões)

737-800 – US$ 96 milhões (R$ 314,4 milhões)

737-900ER – US$ 101,9 milhões (R$ 333,7 milhões)

737 MAX8 – US$ 110 milhões (R$ 360,2 milhões)

737 MAX200 – US$ 112,9 milhões (R$ 369,7 milhões)

737 MAX 9 – US$ 116,6 milhões (R$ 381,8 milhões)

767-300ER – US$ 197,1 milhões (R$ 645,5 milhões)

787-8 – US$ 224,6 milhões (R$ 735,5 milhões)

787-9 – US$ 262,6 milhões (R$ 860 milhões)

777-200ER – US$ 277,3 milhões (R$ 908,1 milhões)

787-10 – US$ 306,1 milhões (R$ 1 bilhão)

777-200LR – US$ 313,8 milhões (R$ 1 bilhão)

777-300ER – US$ 339,6 milhões (R$ 1,1 bilhão)

777-8 – US$ 371 milhões (R$ 1,2 bilhão)

747-8 – US$ 378,5 milhões (R$ 1,2 bilhão)

777-9 – US$ 400 milhões (R$ 1,3 bilhão)

Airbus

A318 – US$ 75,1 milhões (R$ 245,9 milhões)

A319 – US$ 89,6 milhões (R$ 293,4 milhões)

A320 – US$ 98 milhões (R$ 320,9 milhões)

A319neo – US$ 98,5 milhões (R$ 322,5 milhões)

A320neo – US$ 107,3 milhões (R$ 351,4 milhões)

A321 – US$ 114,9 milhões (R$ 376,3 milhões)

A321neo – US$ 125,7 milhões (R$ 411,6 milhões)

A330-200 – US$ 231,5 milhões (R$ 758,1 milhões)

A330-800neo – US$ 252,3 milhões (R$ 826,2 milhões)

A330-300 – US$ 256,4 milhões (R$ 839,7 milhões)

A330-900neo – US$ 287,7 milhões (R$ 942,2 milhões)

A350-800 – US$ 272,4 milhões (R$ 892,1 milhões)

A350-900 – US$ 308,1 milhões (R$ 1 bilhão)

A350-1000 – US$ 355,7 milhões (R$ 1,1 bilhão)

A380-800 – US$ 432,6 milhões (R$ 1,4 bilhão)

Embraer

E175 – US$ 42 milhões (R$ 137,5 milhões)

E190 – US$ 49,8 milhões (R$ 163 milhões)

E175-E2 – US$ 50,8 milhões (R$ 166,3 milhões)

E195 – US$ 52,5 milhões (R$ 171,9 milhões)

E190-E2 – US$ 58,2 milhões (R$ 190,6 milhões)

E195-E2 – US$ 65,6 milhões (R$ 214,8 milhões)

ATR

42-600 – US$ 22,5 milhões (R$ 73,6 milhões)

72-600 – US$ 26 milhões (R$ 85,1 milhões)

Bombardier

Q400 – US$ 31,9 milhões (R$ 104,4 milhões)

CRJ700 – US$ 41,4 milhões (R$ 135,5 milhões)

CRJ900 – US$ 46,5 milhões (R$ 152,2 milhões)

CRJ1000 – US$ 49,5 milhões (R$ 162,1 milhões)

CS100 – US$ 76,5 milhões (R$ 250,5 milhões)

CS300 – US$ 85,7 milhões (R$ 280,6 milhões)

 

PORTAL G-1


Bolívia se torna membro não-permanente do Conselho de Segurança da ONU

Além do país sul-americano, passam a fazer parte do grupo, Itália, Suécia, Etiópia e Cazaquistão. Esta é a terceira vez que o país assume posição no órgão.

Por Agencia Efe

A Bolívia, a partir deste domingo (1) passa a ser membro não-permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU), algo que não acontecia desde há mais de 30 anos. O mandato do país sul-americano dura dois anos.

"No Conselho de Segurança, a Bolívia será a voz dos povos do mundo e lutará por construir um planeta sem invasores, nem invadidos", escreveu no Twitter o presidente boliviano Evo Morales.

O biênio 2017-2018 é o terceiro do país sul-americano no principal órgão de decisão da ONU, já que também fez parte entre 1978 e 1979, além de 1964 e 1965. A Bolívia subsitui a Venezuela, como um dos dois representantes da América Latina e do Caribe, dentro do Conselho de Segurança, em que continuará, por mais um ano, o Uruguai.

Junto com a Bolívia, também ingressam no órgão outros quatro países, de diferentes continentes do planeta: Itália, Suécia, Etiópia e Cazaquistão, que substituem Espanha, Nova Zelândia, Angola e Malásia.

Por outro lado, além do Uruguai, permanecem como membros não-permanentes Egito, Japão, Senegal e Ucrânia. Estados Unidos, Rússia, China, França e Reino Unido são os nações com assento permanente.

A candidatura boliviana contava com o aval do grupo de países da América Latina e o Caribe, por isso, não houve oposição na votação realizada em junho de 2016, na Assembleia Geral da ONU.

Nos últimos anos, o país presidido por Evo Morales denunciou repetidamente as carências democráticas do Conselho de Segurança da ONU, uma postura crítica que o governo prevê manter como membro do órgão.

O embaixador boliviano na ONU, Sacha Llorenti, revelou que entre as prioridades estão discutir a questão palestina, o processo de paz na Colômbia e a defesa dos princípios da carta das Nações Unidas.

 

No AM, veja concursos e vagas para Ministério da Saúde, FAB e CRA

Ministério da Saúde tem inscrições abertas com 21 vagas em cidades do AM. CRA/AM deve publicar edital e Prefeitura e Governo podem lançar concurso.

A crise econômica do país deve impactar, pelo segundo ano consecutivo, a oferta de concursos em 2017. No Amazonas, apenas um concurso está com vagas abertas, com salários que ultrapassam R$ 6 mil e um processo seletivo para Força Aérea Brasileira (FAB) foi lançado. Por outro lado, a Prefeitura de Manaus e Governo do Amazonas ainda estudam a realização de concurso nesse ano. Outros dois órgãos, mesmo com restrição, também poderão lançar edital.

Ministério da Saúde

Até o momento, apenas o Ministério da Saúde está com concurso público nacional aberto. São 102 vagas, sendo 21 vagas para o Amazonas. O edital foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) no dia 28 de novembro. As oportunidades são para nível superior com atuação nos Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEIs). Os salários, com auxílio alimentação, chegam a R$ 6.202,88 mil.
O concurso oferece cargos da Carreira de Previdência, Saúde e Trabalho e da Carreira de Desenvolvimento de Políticas Sociais do quadro do Ministério da Saúde, para exercício e lotação nos Distritos Sanitários Especiais Indígenas que compõem a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai).

Foram disponibilizadas 102 vagas para administrador, analista técnico de políticas sociais e contador em todo o país. A maioria (75 vagas) é para ampla concorrência, seis para pessoas com deficiências e 21 para negros. Para o Amazonas, há 21 vagas, sendo sete para administrador, sete para contador e sete para analista técnico. As vagas estão distribuídas para atuação nos DSEIs situados em sete municípios: Atalaia do Norte, Lábrea, Parintins, Manaus, São Gabriel da Cachoeira, Tabatinga e Tefé. A remuneração inicial para administrador e contador será de R$ 4.784,27. O analista técnico de políticas sociais terá salário de R$ 5.744,88. Todos os cargos terão direito ainda a auxílio alimentação de R$ 458,00. As inscrições devem ser feitas somente via internet. O período de inscrição iniciou no dia 5 de dezembro de 2016 e segue até as 23h59 do dia 5 de janeiro de 2017, no site www.idecan.org.br. O horário de término das inscrições é o de Brasília. A taxa de inscrição para todos os cargos será de R$ 67.
As provas serão aplicadas em dois horários no dia 19 de fevereiro de 2017. Pela manhã das 9h30 às 13h30 (horário oficial de Brasília/DF) para candidatos que disputam cargos de contador e administrador. Já à tarde, das 15h às 19h (horário de Brasília) para o cargo de analista técnico de políticas sociais.

CRA/AM

O edital do concurso público para o Conselho Regional de Administração do Amazonas (CRA/AM) deve ser publicado no início de 2017. A realização do certame foi anunciada ainda no segundo semestre do ano passado. O Instituto Quadrix será a entidade organizadora. A quantidade de vagas ainda não foi divulgada, mas as oportunidades serão para níveis superior e médio. Estão previstos três cargos: auxiliar administrativo (nível médio) com salário de R$ 932,34, administrador (nível superior) com remuneração de R$ 1.972,26 e fiscal (nível superior) com salário de R$ 1.972,26. Todas as vagas serão para Manaus.

FAB

A Força Aérea Brasileira anunciou seleção para o Estágio de Adaptação à Graduação de Sargento da Aeronáutica para ingresso no primeiro semestre de 2018. Ao todo, 173 vagas são ofertadas, sendo Administração (40 vagas), Enfermagem (45 vagas), Eletricidade (14 vagas), Eletrônica (30 vagas), Pavimentação (8 vagas), Informática (20 vagas), Obras (8 vagas) e Topografia (8 vagas). As vagas serão distribuídas a localidades de acordo com a demanda em cada estado. As inscrições começam no dia 3 de janeiro e terminam no dia 31 de janeiro de 2017. Para se inscrever basta acessar o site ingresso.eear.aer.mil.br para o preenchimento do formulário de solicitação da inscrição. A taxa de inscrição é de R$ 60.  As vagas serão destinadas a candidatos de ambos os sexos, que atendam às condições e às normas estabelecidas nas instruções. Para serem habilitados à matrícula no Estágio de Adaptação à Graduação de Sargento da Aeronáutica (EAGS), deve não possuir menos de 17 nem completar 25 anos de idade, até 31 de dezembro de 2018 e ter concluído na data da Concentração Final do certame o Ensino Médio (para todos os candidatos) e Curso Técnico de Nível Médio.

O processo seletivo é composto de Provas Escritas de Língua Portuguesa e Conhecimentos Especializados (relativos à especialidade a que concorre o candidato), inspeção de saúde, exame de aptidão psicológica, teste de avaliação do condicionamento físico, prova prática da especialidade e validação documental. As provas escritas serão realizadas no dia 9 de abril de 2017 em Manaus e nas cidades de Belém, Recife, Fortaleza, Salvador, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, São Paulo, São José dos Campos (SP), Campo Grande (MS), Canoas e Santa Maria (RS), Curitiba, Brasília e Porto Velho. Os aprovados em todas as etapas deste processo seletivo e selecionados pela Junta Especial de Avaliação (JEA), deverão se apresentar na Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR), em Guaratinguetá-SP, no dia 7 de janeiro de 2018, para habilitação à matrícula no curso que terá duração de um ano. Após a conclusão do estágio com aproveitamento, o aluno será promovido à graduação de Terceiro-sargento e será distribuído e classificado em alguma das OM do COMAER, localizadas em todo o território nacional, de acordo com a necessidade da Administração.

Ebserh

A Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), empresa pública vinculada ao Ministério da Educação (MEC) e que gerencia hospitais universitários, tem a previsão de concurso nacional para 2017. Ainda não há cronograma definido. O certame ofertará vagas para hospitais onde não exista, na ocasião da publicação do edital, concurso vigente e o mesmo ainda necessite de vagas. As vagas serão na área administrativa, assistencial e médica, como os demais concursos da Ebserh. Ainda não há detalhamento das especialidades e cargos que serão ofertados. O Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV) é uma das unidades que devem ser beneficiadas com a realizadação do concurso da Ebserh. A obra do novo HUGV foi reinaugurada. O hospital teve a estrutura da unidade ampliada.

Prefeitura de Manaus

A Prefeitura de Manaus não descartou a realização de concursos públicos em 2017. A Secretaria Municipal de Administração, Planejamento e Gestão (Semad) informou que o momento é de planejamento de ações para 2017, o que inclui o levantamento de demandas por novos profissionais via concurso público junto aos órgãos da prefeitura. "A partir dessa definição, em momento oportuno, serão lançadas novas seleções", acrescentou, em nota, a Semad.

Polícia Civi, Militar e Sefaz

As oportunidades para ingressar no funcionalismo público estadual ainda estão indefinidas. O Governo do Amazonas divulgou, no entanto, que está estudando a realização de concursos públicos para provimento de vagas nas polícias Civil, anunciado em 2014, e Militar e na Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz), a partir do segundo semestre de 2017. De acordo com o Governo do Estado, o objetivo é preencher vagas com servidores que estão se aposentando. "A realização do certame, no entanto, dependerá da melhora nas condições econômicas do país, com reflexos no aumento da arrecadação de impostos", informou.

 

30% dos aprovados no ITA 2017 são estudantes de Fortaleza

Estudantes de Fortaleza vão ocupar 33 das 110 vagas disponíveis. Ceará deixa de ser o estado que mais aprovou após cinco anos.

Portal G1 Ceará

Os estudantes do Ceará vão ocupar 30% das vagas do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), um dos vestibulares mais difíceis do país. Das 110 vagas disponibilizadas no vestibular 2017, 33 serão de estudantes cearenses. Todos os cearenses aprovados são estudantes de Fortaleza. Pela primeira vez nos últimos seis anos o Ceará deixa de ser o estado que mais aprova no ITA, ficando atrás de São Paulo, com 42 aprovações (38%). Apenas quatro dos alunos de São Paulo estudam da capital.

Concorrência

O vestibular do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), com sede em São José dos Campos, teve concorrência de 113 candidatos por vaga neste ano. Ao todo, o processo seletivo recebeu 12,4 mil inscrições para as 110 vagas nos seis cursos de engenharia oferecidos pelo ITA. O número de inscrições teve leve retração na comparação com o último ano, quando houve recorde de 12,5 mil candidatos inscritos. Mesmo com um pouco menos de candidatos, a concorrência será maior pela queda na oferta de vagas, 30 a menos do que a última edição. As inscrições de alunos de escolas particulares representam 61% das 12,4 mil - cerca de 7,5 mil. Os alunos de instituições públicas são 39% - 4,9 mil. As cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Fortaleza foram as que concentram a maior parte dos candidatos. São 1,8 mil candidatos da capital paulista, 1,2 mil do Rio e mil da cidade do Ceará. São José dos Campos, sede do ITA, tem 993 inscritos. O ITA é um dos vestibulares mais concorridos do país na área de engenharia e oferece seis cursos na graduação: Engenharia Aeronáutica; Engenharia Eletrônica; Engenharia Mecânica-Aeronáutica; Engenharia Civil-Aeronáutica; Engenharia de Computação e Engenharia Aeroespacial.

Curso do ITA em Fortaleza

O percentual de cearenses aprovados na instituição nos últimos três anos foi destacado pelo reitor do ITA, Fernando Toshinori Sakane, durante o lançamento do mestrado do instituto em Fortaleza, em abril deste ano. Em 2015, 61 das 170 vagas ofertadas foram ocupadas por cearenses (36% do total). No ano passado, o índice foi de 42% - 71 das 170 vagas; já em 2013, para as 120 vagas, foram 43 estudantes aprovados, o que representa 36% de cearenses. "O cearense hoje é o japonês da década de 1960. Antes diziam que, para entrar no ITA, era preciso expulsar os japoneses. Hoje, os cearenses expulsaram os japoneses e as pessoas pessoas brincam que para entrar no ITA é preciso expulsar os cearenses", disse o reitor, ao lembrar que os descendentes de japoneses ocupavam quase a totalidade das vagas naquela época. Ele destacou ainda que os cearenses representam apenas 10% dos inscritos.

 

Passageiros perdem virada em Nova York após problema em voo

Passageiros tentam viajar há 3 dias; avião fez pouso não programado no AM. Uma mulher passou mal a bordo e houve problemas em turbina de avião.

Portal G1 Amazonas

Uma aeronave da companhia aérea American Airlines que seguia para Nova York, nos Estados Unidos, precisou desviar a rota e fazer um pouso não programado em Manaus no sábado (31), após uma passageira passar mal a bordo. Em razão do problema, cerca de 300 passageiros passaram a virada de ano dentro do avião. Eles tentam viajar há 3 dias. Em nota, a companhia informou que os passageiros devem seguir viagem em um voo programado para partir nesta segunda (2), às 9:30. O voo AA974 saiu de Fortaleza na sexta-feira (30), com uma parada no Rio de Janeiro. A previsão era chegar em Nova York na manhã do dia 31. No entanto, passageiros foram informados, durante a parada no Rio, que a aeronave não poderia decolar em razão de problemas na turbina direita.

Uma das passageiras era a designer e artista gráfica Marta Heilborn, de 58 anos. Ao G1, ela relatou que os passageiros chegaram a ficar cerca de duas horas dentro do avião no Rio de Janeiro. Após o tempo de espera, a empresa informou que a aeronave não decolaria no horário previsto. "Chegamos ao hotel por volta de três horas da madrugada para acordar às 8h, porque o [novo] voo saia às 10h. Quando chegamos ao local, foram mais quatro horas para fazer o check- in", disse a designer.

A advogada Eliane Viena relatou que houve muita confusão. "Acordaram a gente dizendo que tinha que ir para o aeroporto, que o check-in estava aberto. Chegando lá, só tinham dois ou três funcionários fazendo check-in de 300 pessoas, uma confusão alucinada. Uma loucura. Gente passando mal, gente gritando", relatou. O avião só saiu do Rio de Janeiro no sábado (31), por volta 15h40. Durante o trajeto, mais um problema: uma mulher passou mal e, segundo os passageiros, o avião não tinha o suporte necessário para o atendimento. Em razão disso, o voo precisou fazer uma parada não programada em Manaus.

O avião pousou na capital do Amazonas por volta das 18h55 (20h55 pelo horário de Brasília), segundo a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). De acordo com passageiros, a mulher foi socorrida e levada para um hospital. O restante dos passageiros aguardou por mais de quatro horas dentro da aeronave, quando foram informados de que não poderiam mais decolar. O aviso era de que a tripulação não viajaria com os passageiros por "questões trabalhistas", conforme relatos. A companhia alojou os mais de 300 passageiros em dois hotéis de Manaus. Entretanto, eles não tiveram as malas devolvidas. "Tem muita gente com remédios tarja preta na mala e pais com criança de colo que estão sem carrinho. Muita gente perdeu trabalho e escala. Eu ia ver meu marido, não pude estar lá", desabafou a designer. O passageiro Rodrigo Urick, 39 anos, que programou a viagem para passar o aniversário de 15 anos da filha e aniversário de casamento em Nova York, reclamou da pouca informação repassada pela companhia aérea.

"A companhia não fala com a gente. O nosso voo foi cancelado mais de duas vezes. Passamos o Réveillon dentro do avião sem sair. A gente entende que a decisão de parar em Manaus foi assertiva para socorrer a passageira e que bom que tomaram a decisão de não decolar, com a máquina com defeito. Nosso problema é que eles sabiam que a aeronave estava com defeito e não resolveram a tempo", disse. O voo contava com passageiros famosos como os atores Danielle Winnits, André Gonçalves e o grupo de pagode Revelação. Para o ator André Gonçalves, os 300 passageiros foram maltratados desde o primeiro momento. "Eles não tinham estrutura para atender uma pessoa que passou mal, não havia oxigênio. Uma tripulação mal-educada que maltrata as pessoas. Nós passamos por uma sucessão de erros", completou. A American Airlines informou por meio de nota que o voo AA 974 , um Boeing 777-200 com 233 passageiros, atrasou por necessidade de mautenção e decolou em 31 de dezembro. Durante o percurso para Nova Iorque, o voo teve que alternar para o Aeroporto Internacional de Manaus (MAO) por conta de uma emergência médica com uma passageira, causando o seu cancelamento devido à escala da tripulação. A companhia informou que todos os passageiros estão recebendo assistência e serão acomodados no próximo voo para Nova Iorque, programado para partir em 2 de janeiro, às 9:30 (hora local). A companhia lamentou pelos inconvenientes causados e ressaltou que a segurança de seus passageiros e tripulação é prioridade.

 

JORNAL O TEMPO (MG)


Helicóptero cai em Corinto e todos ocupantes sobrevivem

Piloto e passageiros tiveram apenas ferimentos leves

Ailton Do Vale

Três pessoas sobreviveram à queda de um helicóptero no fim da tarde deste sábado (31), em Corinto, na região Central de Minas.

De acordo com informações preliminares da Polícia Militar (PM), a aeronave caiu próximo ao Cristo, um dos pontos turísticos do município que fica às margens da rodovia MG-220. O piloto e os passageiros tiveram apenas ferimentos leves.

Ainda conforme a PM, testemunhas disseram que o helicóptero fazia um voo panorâmico pela cidade quando atingiu a rede elétrica e caiu. Os ocupantes da aeronave dispensaram atendimento médico.