NOTIMP - NOTICIÁRIO DA IMPRENSA

Capa Notimp Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil e até do mundo. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.


TV GLOBO - JORNAL NACIONAL


Em meio à crise na Venezuela, Jair Bolsonaro recebe Juan Guaidó no Palácio do Planalto

Bolsonaro ofereceu apoio a Guaidó. Do Brasil, Juan Guaidó segue para o Paraguai. Ele disse que vai se encontrar com o presidente Mario Abdo.

Jornal Nacional | Publicada em 28/02/2019 22:05

O presidente Jair Bolsonaro recebeu, nesta quinta (27), Juan Guaidó: o maior oposicionista do presidente venezuelano Nicolás Maduro.

Era madrugada de quinta-feira (27), quando Juan Guaidó desembarcou na base aérea de Brasília. Veio num voo da força aérea colombiana. Pela manhã, recebeu alguns diplomatas. Depois, foi ao escritório da União Europeia: os 24 representantes do bloco participaram da reunião com Guaidó. Fizeram perguntas, ouviram relatos da crise e dos desdobramentos do fechamento de fronteira imposto por Nicolás Maduro para impedir a entrada de ajuda humanitária na Venezuela. O grupo se sensibilizou, mas não fechou com ele; ficou de consultar os chefes, em Bruxelas.

Guaidó também esteve na embaixada dos Estados Unidos. A embaixada declarou que "um líder legítimo não oprime e não deixa seu povo faminto. Maduro deve sair e a ajuda deve entrar. Estamos unidos, Venezuela."

Depois, Guaidó foi recebido com cerimônia no Palácio do Planalto. Chegou com o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. O encontro com Bolsonaro durou uns 40 minutos. Ao contrário do previsto, os dois fizeram uma declaração conjunta.

Em nome do povo da Venezuela, Juan Guaidó agradeceu o encontro: “seguiremos lutando pela entrada da ajuda humanitária, pela liberdade na Venezuela, para atender aos despossuídos. Não é correto dizer que há um dilema na Venezuela, entre guerra ou paz, como querem. Não é correto dizer que há um dilema entre uma ideologia e outra. A Venezuela está entre a democracia e a ditadura. A Venezuela hoje está entre a miséria, a morte de nossa gente por fome ou a volta ao caminho da prosperidade, do futuro e da integração com a região”.

Bolsonaro ofereceu apoio a Guaidó: “nós não pouparemos esforços, dentro obviamente da legalidade, da nossa Constituição e de nossas tradições, para que a democracia seja reestabelecida na Venezuela. E todos nós sabemos que isso só será possível, através de não apenas de eleições, mas eleições limpas, e confiáveis. Você pode contar conosco no que for possível também, apesar dos problemas que enfrentamos aqui. Nos interessa uma Venezuela livre, próspera, democrática, e economicamente pujante. Assim sendo, prezado Guaidó, já te chamo de irmão a partir de agora, se assim me permite”.

Depois, Guaidó respondeu aos jornalistas. Sobre o risco de voltar ao país do ditador Nicolás Maduro, disse: "como todos sabem, eu recebi do regime de Maduro ameaças de prisão. Mas isso não vai evitar o nosso retorno à Venezuela. Claro que há risco, inclusive de vida, no exercício da política na Venezuela. Mas temos um dever, resolvemos entregar nossa vida ao serviço do país”.

Ao sair do Planalto, Guaidó desceu do carro e, debaixo de chuva, cumprimentou manifestantes na Praça dos Três Poderes. O último encontro foi no Congresso. Guaidó esteve com o presidente do Senado e visitou o plenário da Câmara. Na saída do Congresso, houve um pequeno protesto.

Do Brasil, Juan Guaidó segue para o Paraguai. Ele disse que vai se encontrar com o presidente Mario Abdo. A expectativa é de que Guaidó volte para a Venezuela no fim de semana ou na segunda-feira.

PORTAL G1


Aeronáutica abre 70 vagas para formação de oficiais aviadores, intendentes e de infantaria

Candidato não pode ser menor de 17 anos e nem completar 23 anos de idade até 31 de dezembro de 2020 e deve ter concluído o ensino médio.

Por G1 | Publicada em 28/02/2019 15:33

A Aeronáutica abriu três concursos para o total de 70 vagas para os Exames de Admissão aos Cursos de Formação de Oficiais Aviadores, Intendentes e de Infantaria do ano de 2020 da Academia da Força Aérea (AFA), em Pirassununga (SP).

Podem se inscrever candidatos de ambos os sexos para os Cursos de Formação de Oficiais Aviadores e Intendentes e somente do sexo masculino para o Curso de Formação de Oficiais de Infantaria da Aeronáutica.

Além disso, o candidato não pode ser menor de 17 anos e nem completar 23 anos de idade até 31 de dezembro de 2020, e ter concluído o ensino médio.

As inscrições poderão ser feitas de 6 a 26 de março pelo site http://www.fab.mil.br. A taxa é de R$ 70.

O processo seletivo é composto de provas escritas (língua portuguesa, língua inglesa, matemática, física e redação), inspeção de saúde, exame de aptidão psicológica, teste de avaliação do condicionamento físico, entre outras etapas.

As provas escritas ocorrerão no dia 23 de junho, nas cidades de Belém, Recife, Salvador, Natal, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Barbacena (MG), São Paulo, Curitiba, Campo Grande, Pirassununga (SP), Porto Alegre, Brasília, Manaus, Porto Velho e Boa Vista.

Os aprovados em todas as etapas e selecionados pela Junta Especial de Avaliação (JEA) deverão se apresentar na AFA, em Pirassununga (SP), no dia 9 de janeiro de 2020, para matrícula e início do curso, que tem duração de quatro anos.

Após a conclusão do curso com aproveitamento, o Cadete é nomeado Aspirante a Oficial da FAB.

Aeronáutica

Vagas: 70

Inscrição: de 6 a 26/03

Taxa: R$ 70

Prova: 23/06

AGÊNCIA BRASIL


Senado terá comissão para acompanhar crise na Venezuela

Senador Trad anunciou a decisão após visita de Guaidó ao Congresso

Heloisa Cristaldo / Repórter Da Agência Brasil | Publicada em 28/02/2019 18:48

O Congresso Nacional criará uma comissão para discutir a crise na Venezuela com líderes de países da América Latina. O grupo será formado por parlamentares de cada bloco que compõe a comissão e deve se reunir no Panamá, sede do Parlamento Latino-Americano (Parlatino). Os detalhes estão sendo definidos.

A informação foi anunciada pelo presidente da Comissão de Relações Exteriores e Forças Armadas do Congresso, senador Nelsinho Trad (PTB-MS).

“Nós pretendemos nos reunir em um país neutro, como o Panamá, onde se encontra a sede do Parlatino. [Juan Guaidó] disse que é membro do Parlatino, que congrega os parlamentares da América Latina, e essa instituição existe justamente para mediar ações dessa natureza”, afirmou Trad.

A afirmação ocorreu após a visita Juan Guaidó, autoproclamado presidente interino da Venezuela, esteve hoje no Congresso Nacional e reuniu-se com parlamentares.

“A ideia foi muito bem recebida por parte do presidente Juan Guaidó e nós vamos promover na próxima reunião dessa comissão e já marcar a reunião a ser feita no Panamá”, disse o senador, sem informar a data do próximo encontro.”

Alternativas

De acordo com Trad, as ações medidas por países da América Latina são as melhores soluções para conter a crise venezuelana. “Entendemos que esse é um caminho de saída diplomática onde nós haveremos, com vários parlamentares da América Latina, demonstrar o apoio da volta da democracia e às eleições livres para a Venezuela. Ele já colocou o contato de um deputado da Venezuela para que a gente possa formatar a ação dessa reunião no Panamá”,disse.

Segundo o senador, Guaidó descartou pedir asilo político a outros países em virtude de ameaças que estaria sofrendo de autoridades venezuelanas que não reconhecem o seu papel. “Ele disse que a causa que está levando supera qualquer temor em relação a ele e sua família.

O venezuelano foi ao Congresso após reunião com o presidente Jair Bolsonaro, no Palácio do Planalto. Em pronunciamento após o encontro, ele agradeceu o apoio do governo brasileiro na ajuda humanitária ao país vizinho e classificou o encontro com Bolsonaro como um marco no resgate das relações entre os dois países.

“É um marco para resgatar um relacionamento positivo que beneficie nossa gente. Na Venezuela, estamos lutando por eleições livres, no marco da Constituição, democráticas”, afirmou o líder opositor, reconhecido por mais de 50 países, incluindo o Brasil, como presidente legítimo do país.

PORTAL DEFESANET


Pesquisa: Brasil possui 2.194 aeronaves agrícolas


Sindag | Publicada em 28/02/2019 07:40

Estudo do engenheiro agrônomo Eduardo Araújo, divulgado nessa quarta-feira (20) durante o 26º Sindag na Estrada, aponta crescimento de 3,74% na frota em 2018, com 253 empresas aeroagrícolas (aumento de 3,7%) e 585 produtores com aviões próprios (+ 3,5%).

A aviação agrícola brasileira entrou 2019 com 2.194 aeronaves, segundo estudo divulgado nessa quarta-feira (dia 20), pelo Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag). O resultado significa o crescimento de 79 aparelhos em 2018, uma alta de 3,74% durante o ano – mais do que o dobro dos 1,54% (32 aeronaves) que a frota havia crescido em 2017.

Os números foram levantados junto ao Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB) da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), pelo engenheiro agrônomo e consultor do Sindag Eduardo Cordeiro de Araújo.

O estudo abrangeu também o número de empresas aeroagrícolas, que passaram de 244 em 2017 para 253 em 2018 (aumento de 3,7%), e de operadores privados (agricultores ou cooperativas que têm suas próprias aeronaves), que eram 565 em 2017 e chegaram a 585 no ano passado (+ 3,5%).

A divulgação do relatório foi no primeiro dia da programação do 29º Abertura Oficial da Colheita do Arroz, que ocorre até sexta-feira (22), em Capão do Leão, no Rio Grande do Sul. A apresentação ficou a cargo do secretário executivo do Sindag, Júnior Oliveira, no 26º Sindag na Estrada – o encontro itinerante com empresários, pilotos e outros profissionais do setor, que ocorreu no Auditório Principal do evento do arroz, na Estação Experimental Terras Baixas da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Não por acaso, a movimentação foi também ao lado de Pelotas, cidade berço da aviação agrícola brasileira – que completa 72 anos em 19 de agosto – e onde reside o autor do trabalho é uma das mais importantes referências do setor na atualidade.

Araújo testemunhou ou esteve envolvido em muitas ações para o desenvolvimento do setor desde o final dos anos 60. Ele participou ainda da fundação do Sindag em 1992 e integrou a diretoria da entidade. Entre vários estudos e artigos sobre, desde 2008 Araújo realiza levantamentos sobre a frota aeroagrícola e, mais recentemente, sobre o número e ranking dos operadores aeroagrícolas no País.

DISTRIBUIÇÃO

Segundo o estudo de agora, a frota aeroagrícola brasileira está dividida em 2.182 aviões e 12 helicópteros. Desse total: – 1.461 aeronaves (66,59%) estão com 253 empresas aeroagrícolas – operadores de Serviço Aéreo Especializado (SAE), que prestam serviços para produtores. – 709 aeronaves (32,32%) são de 585 operadores privados – Serviço Aéreo Privado (TPP), que são produtores ou cooperativas com suas próprias aeronaves.

As 24 aeronaves restantes na conta são de governos ou autarquias federais ou estaduais, além de protótipo e aeronaves de instrução. Por exemplo, aviões pertencentes a corpos de bombeiros (combate a incêndios), os usados pela Academia da Força Aérea e aparelhos das seis escolas de formação pilotos agrícolas do país.

ESTADOS

Entre os 23 Estados com aviação agrícola, os que tiveram maior crescimento de frota foram o Mato Grosso, que recebeu 30 aviões em 2018, Mato Grosso do Sul, com mais 11 aeronaves; Goiás, com mais 10, e o Pará, com mais oito. Além do Maranhã, que teve um acréscimo de seis aeronaves. No ranking estadual, o Mato Grosso segue na ponta, com 494 aviões.

O Estado também tem o maior número de operadores privados (TPP): 233, contra 31 empresas aeroagrícolas (SAE). Em segundo está o Rio Grande do Sul, que conta com 427 aviões – apesar de ter mantido em 2018 a mesma frota do ano anterior.

Os gaúchos têm ainda o maior número de empresas aeroagrícolas: 72, além de 42 operadores privados. São Paulo aparece em terceiro em frota de aviões e helicópteros, com 317 aeronaves (três a mais que no ano anterior).

O Estado é o segundo em empresas, com 45, e tem 41 operadores privados. Já Goiás é o quarto no ranking dos Estados, com 287 aeronaves. Frota dividida entre 28 empresas e 59 operadores privados.

FABRICANTES

Entre as fabricantes de aviões agrícolas, a brasileira Embraer tem ainda 58% do mercado brasileiro, com suas variantes do avião Ipanema. Trata-se do projeto dos anos 70, de um avião com motor a pistão, que em 2015 lançou sua sétima geração (Ipanema 203) e desde 2004 sai de fábrica movido a etanol (Ipanema 202 A).

Porém, entre os diversos modelos que compõem a aviação agrícola nacional, cabe também ressaltar a entrada cada vez maior dos aviões turboélices, principalmente de fabricação norte-americana.

Mais potentes e com maior capacidade de carga, os turboélices já são 18,09% da frota brasileira e representaram 57 das 79 aeronaves acrescentadas na frota em 2018.

A título de comparativo, enquanto a frota aeroagrícola total cresceu 51,6% nos últimos 10 anos, a frota de turboélices aumentou 73,8% em cinco anos. Nesse segmento, liderada pela texana Air Tractor, maior fabricante mundial de aviões agrícolas e que ocupa 16,18% do mercado brasileiro – segunda no ranking das 14 indústrias presentes entre os operadores do País.

MUNDO

O Brasil segue com a segunda maior força aérea agrícola do planeta, atrás apenas dos norte-americanos, que possuem cerca de 3,6 mil aeronaves (85% aviões e 15% helicópteros), segundo a Associação nacional de Aviação Agrícola dos Estados Unidos (NAAA), a sigla em inglês.

O País está à frente ainda de potências como o México (2 mil aeronaves), Argentina (1,2 mil aeronaves), Nova Zelândia e Austrália (300 aeronaves cada), entre outras.

MOSTRA DURANTE O EVENTO

Além da divulgação, nessa quarta, do relatório sobre a frota e operadores aeroagrícolas, o Sindag permanece até sexta na Abertura da Colheita do Arroz com um estande na mostra das Vitrines Tecnológicas.

No espaço, a entidade tem demonstrações práticas de um drone de pulverização e de um projeto de realidade virtual, além de uma mostra de tecnologias embarcadas.

O projeto virtual é o Aviação Agrícola 360°, do Instituto Brasileiro de Aviação Agrícola (Ibravag), ligado ao Sindag. Por ele, os visitantes podem ter a sensação de participar de todas as etapas de uma operação aeroagrícola – desde o briefing do voo, até a preparação do avião, além de voar sobre a lavoura.

A iniciativa serve para mostrar a rotina, importância e segurança da aviação agrícola tanto para pessoas leigas quanto para produtores rurais e profissionais que pensam em apostar nesse mercado. Já a demonstração com drone de pulverização estará a cargo da SkyAgri, que realiza voos em uma lavoura experimental ao lado do estande do Sindag.

Associada ao Sindag, a empresa levou para o evento o drone Pelicano, que transporte 10 quilos ou 8 litros de produto e tem capacidade de cobrir um hectare com um único voo (automático ou assistido por computador com câmera). A empresa também fornece tecnologias em drones de monitoramento de lavouras e é a primeira empresa de veículos remotos no mundo associada a uma entidade aeroagrícola.

Entre as tecnologias embarcadas, será possível ver, por exemplo, como funciona o DGPS (que, entre outras coisas, orienta o piloto em cada faixa aplicação e registra toda a operação) o fluxômetro (que regula a pressão e fechamento das barras de pulverização) e outros equipamentos. Nesse caso, a cargo da Agrotec Tecnologia Agrícola e Industrial, parceria do Sindag no evento.

OUTRAS MÍDIAS


REVISTA PIAUÍ - Tem mais de 4 anos foto de caças da Venezuela que teriam sobrevoado fronteira


Maurício Moraes | Publicada em 28/02/2019 16:03

Circula nas redes sociais a imagem de dois caças da Força Aérea Bolivariana, da Venezuela, acompanhada de uma legenda que “informa” que as aeronaves sobrevoaram a fronteira com o Brasil recentemente. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“Caças russos sobrevoando a fronteira com o Brasil. Valha-me Deus”
Legenda de imagem que, até as 14h do dia 28 de fevereiro de 2019, tinha sido compartilhada mais de 2,1 mil vezes no Facebook

FALSO

A foto analisada pela Lupa realmente mostra dois caças fabricados pela empresa russa Sukhoi, modelo Su-30MK2, que fazem parte da Força Aérea da Venezuela. O país vizinho adquiriu 24 dessas aeronaves em 2006. A imagem, no entanto, não é recente. Há registros de seu compartilhamento em fóruns de aviação militar a partir de novembro de 2014. Logo, a informação analisada nesta quinta-feira (28) é falsa.

A assessoria de imprensa da Força Aérea Brasileira (FAB) também afirmou, por telefone, que não houve qualquer invasão do espaço aéreo brasileiro na atual crise da Venezuela. Sempre que uma aeronave não identificada é detectada, aviões da FAB são acionados para fazer uma interceptação. Para vigiar as fronteiras e coibir voos irregulares, como os do narcotráfico, os militares também realizam a Operação Ostium. Uma rede de radares monitora essas áreas, e pilotos ficam de prontidão para decolar sempre que há um alerta.

Verificação semelhante foi publicada no ano passado pelos sites Fato ou Fake e Boatos.org.

Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook.

Editado por: Cristina Tardáguila

PORTAL AEROFLAP - Militares recebem platina de cadete após estágio de adaptação


Publicada em 28/02/2019 18:51

Os rostos estavam cansados, mas realizados. Após sete semanas de Estágio de Adaptação Militar, 199 militares do Esquadrão Anubis, da Academia da Força Aérea (AFA), receberam a platina de Cadete da Aeronáutica, durante cerimônia realizada nesta segunda-feira (25), em Pirassununga (SP).

“Foi gratificante receber a platina”, diz a agora Cadete Intedente Isabela Maira Mendite Alves.

“Pensei em desistir diversas vezes, não me imaginei neste momento. Meus pais sempre me diziam que era apenas uma fase, que chegaria ao fim. Foi este suporte, bem como das minhas colegas de esquadrão, que me deu coragem para concluir esta etapa”, conta. As platinas, que representam o término do ciclo como estagiária, foram entregues pelas mãos do Comandante do Esquadrão, Major Aviador Thiago Venancio da Penha.

“Ele disse que eu conseguiria. Na hora, meus olhos se encheram d’água porque nem eu acreditava tanto em mim. Valeu muito!”, conclui a jovem.

Já para o Cadete Gabriel Mariano Ferreira de Farias, vindo da Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR), não foi a distância da cidade de Recife (PE), onde residem seus familiares, mas sim o cansaço e a ansiedade que dificultaram os dias de adaptação à rotina da AFA.

“Tentava manter a calma, organizar minhas coisas o mais rápido possível durante a noite. Aproveitar os poucos momentos de descanso para falar com meus pais ou escutar uma música. Estava bem ansioso, pois foram três anos esperando para ser cadete aviador”, relata.

E os jovens ainda terão muitas batalhas. Com a reformulação do currículo da AFA, os cadetes aviadores enfrentarão os desafios do 2º Esquadrão de Instrução Aérea e a aeronave T-25 já no segundo semestre deste ano.

O Ninho das Águias recebeu os candidatos aprovados no processo seletivo da AFA em 10 de janeiro. Já os egressos da EPCAR apresentaram-se no dia 18 de janeiro. Desde então, os estagiários receberam instruções sobre a vida e os valores militares, treinamento físico e palestras. Formam o Primeiro Esquadrão 185 homens e 14 mulheres, sendo: 134 cadetes aviadores, 47 cadetes intendentes e 18 cadetes de infantaria.

A formação dos cadetes terá duração de quatro anos. Os aviadores são preparados à pilotagem militar, sendo fomentado o desenvolvimento do espírito combativo; os intendentes, ao desempenho de funções para gerir as atividades administrativas e logísticas das Organizações Militares da Força Aérea; e os oficiais de infantaria são formados para gerir as atividades desenvolvidas nas unidades de Infantaria, incluindo as tarefas de operações especiais, emprego de tropa, de autodefesa das organizações da Força Aérea e de defesa antiaérea.

Via – FAB