NOTIMP - NOTICIÁRIO DA IMPRENSA

Capa Notimp Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil e até do mundo. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.


JORNAL A CRÍTICA (MS)


Base Aerea de Campo Grande tem "Portões Abertos" neste final de semana

O evento tem entrada gratuita e ocorre das 10h às 17h.

Neste sábado e domingo, 4 e 5 de julho, está programado o tradicional “Dia de Portões Abertos” da Base Aérea de Campo Grande (BACG), em Mato Grosso do Sul. O evento tem entrada gratuita e ocorre das 10h às 17h.

Segundo nota divulgada pela Força Aérea Brasileira (FAB), haverá exposição de aviões de caça, aviões de transporte, helicópteros, material aeronáutico, salto de paraquedistas, além da presença de carros antigos (14ª edição desse encontro que atrai colecionadores até de outros estados), realização de um campeonato de força (2º Strong Man, em que os competidores tentarão puxar com uma corda um avião C-105 Amazonas, de 20 toneladas) e apresentações de luta do Exército Brasileiro, que também deverá expor aeronaves e materiais.

Entre os destaques, estão jatos A-1 previstos para aparecer no domingo, dia 5. Se você gosta de helicópteros, o evento promete ser uma boa chance de ver vários de uma só vez: os Portões Abertos na BACG ocorrem durante exercício com helicópteros de ataque e resgate da FAB, reunindo cerca de 350 militares, 15 aeronaves (algumas das quais são vistas na foto do alto) e mais de 10 esquadrões vindos de norte a sul do País.

 

Apresentada em Brasília, Tocha Olímpica vai percorrer 500 cidades brasileiras

O fogo olímpico será recebido em Olímpia, na Grécia, em abril do próximo ano, devendo passar por Brasília na primeira semana do mês seguinte

O mundo conheceu hoje a Tocha Olímpica escolhida em concurso para conduzir o fogo que virá da Grécia, em maio de 2016, e passará por Brasília (DF) e os 26 estados. A apresentação aconteceu no auditório da Poupex, no Setor Militar Urbano (SMU), e atraiu autoridades civis e militares. No discurso, a presidenta Dilma Rousseff disse que o Brasil vai fazer uma Olimpíada “com grande competência e hospitalidade”.

“É sem dúvida, muito bonita. É verdadeiramente fantástica”, disse a presidenta ao conhecer o protótipo da tocha que vai circular por todo o País. “Vamos fazer, com grande competência e hospitalidade, uma Olimpíada histórica, que vai assinalar uma página de paz, prosperidade e entendimento entre os povos do mundo. E, também, uma página muito importante na história do nosso povo”, acrescentou.

O ministro da Defesa, Jaques Wagner, participou do evento junto com os colegas George Hilton (Esporte), Ricardo Berzoini (Comunicações) e Henrique Alves (Turismo). Os organizadores do Revezamento da Tocha Olímpica estão negociando com a Defesa a participação das Forças Armadas em possível apoio logístico no trajeto nas regiões Norte e Nordeste.

O fogo olímpico será recebido em Olímpia, na Grécia, em abril do próximo ano, devendo passar por Brasília na primeira semana do mês seguinte. Na capital federal, a tocha chegará às mãos da presidenta Dilma em evento no Palácio do Planalto. De Brasília, o revezamento segue por Goiás até Teresina (PI). O percurso pelo Nordeste será por via aérea, sempre descendo nas capitais e percorrendo regiões metropolitanas.

A partir do desembarque em Campo Grande (MS), a tocha segue por via terrestre até o Sul do país, onde sobe para São Paulo (SP), Belo Horizonte (MG), Vitória (ES) e chega uma semana antes do início dos Jogos olímpicos Rio 2016.

Nesse trajeto, a tocha passará por cerca de 500 cidades, devendo ocorrer atividades em pelo menos 82 municípios. A comissão organizadora do revezamento enviou emissários nos últimos meses para conversar com prefeitos e, deste modo, obter apoio para a realização de eventos.

“Essa tocha vai circular pelo Brasil. Vai ser empunhada por representantes, homens e mulheres, jovens e crianças do nosso povo, em vários municípios. Desde a Amazônia, passando pelo Centro-Oeste, São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, enfim o Brasil, de Norte a Sul. De Leste a Oeste. Milhares de pessoas vão participar, milhões vão assistir. Vamos fazer uma cooperação grandiosa, que vai permitir que cada um se sinta participante desse processo”, disse a presidenta.

Eventos-teste começam a partir de agosto

A partir do próximo mês e até junho de 2016, serão realizados 45 eventos-teste das instalações destinadas às competições olímpicas e paralímpicas. Todos eles servirão para aprimorar as condições de realização das disputas esportivas.

E, entre setembro e outubro deste ano, vão acontecer eventos voltados a veículos de mídia, para que profissionais de todo o mundo possam visitar e conhecer as instalações olímpicas, e também o Centro Internacional de Transmissão (IBC), que atenderá a emissoras de TV do mundo inteiro durante os Jogos.

Ao mesmo tempo, o governo federal está dando todo o apoio ao treinamento dos atletas. Atualmente, 407 atletas olímpicos e paralímpicos são atendidos pelo Plano Brasil Medalhas, para se preparar de forma adequada para os Jogos de 2016.

Vários eventos que estão sendo realizados neste ano servirão também como treinamento e teste para os competidores brasileiros. São 41 campeonatos mundiais ou equivalentes que ocorrerão em 2015 e, neste momento, 600 atletas brasileiros estão se preparando para participar dos Jogos Pan-americanos de Toronto, no Canadá, entre 10 e 26 de julho.

As Forças Armadas enviam 123 atletas para Toronto. Esse efetivo vai competir nas diversas modalidades. A maioria dos atletas militares faz parte da elite do esporte brasileiro e, desde 2008, do Programa de Atletas de Alto Rendimento (PAAR) das Forças. Em sintonia com o planejamento do Brasil no cenário esportivo, os Ministérios do Esporte e da Defesa unem esforços para fortalecer o esporte nacional. O apoio visa dois objetivos comuns: defender a bandeira do país na 6º edição dos Jogos Mundiais Militares 2015, na Coreia, e nos Jogos Olímpicos Rio 2016.

Os resultados já deram frutos. Para ter uma delegação competitiva e representativa na 5ª edição dos Jogos Mundiais Militares, em 2011, no Rio de Janeiro, a Marinha e o Exército incorporaram em seus quadros os atletas do Time Brasil. A iniciativa permitiu uma posição de destaque no cenário mundial militar, com a conquista do primeiro lugar no quadro de medalhas, com 114 medalhas entre os cem países participantes.

Nas Olimpíadas de 2012, em Londres, o Brasil teve representação de destaque, com uma delegação de 256 membros, entre comissão técnica e atletas, dos quais 65 eram do PAAR. O país voltou para casa com 17 medalhas, cinco delas de esportistas militares. A ação é alinhada ao trabalho estratégico do Comitê Olímpico do Brasil (COB), de confederações e clubes.

Além do Pan em Toronto, os atletas militar vão participar dos 6º Jogos Mundiais Militares (JMM), em outubro de 2015, na República da Coréia.

 

PORTAL G-1


Alerta de pane em voo Miami-Curitiba faz avião pousar no AM, diz Infraero

Houve pedido para "pouso de emergência" em Manaus. Pouso aconteceu às 16h05 (17h05 horário de Brasília), deste sábado (4).

Um voo da American Airlines que fazia a rota Miami/Curitiba fez um pouso não previsto no Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, em Manaus, na tarde deste sábado (4), após um alerta de problema técnico, segundo informou a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero).

De acordo com a Infraero, houve pedido para "pouso de emergência".

A estatal comunicou, por meio da assessoria de comunicação, que mobilizou equipes de socorro ao local, no entanto, a aeronave aterrissou normalmente e em segurança.

O pouso aconteceu às 16h05 (17h05 pelo horário de Brasília), quando o avião sobrevoava a região. A Infraero não informou quantos passageiros estavam a bordo.

O G1 tentou contato com a companhia aérea American Airlines para obter informações sobre o que teria ocorrido com o voo e sobre a transferência dos passageiros para outro avião, mas não obteve sucesso.

 

Passageiro passa mal durante voo e morre em Campo Grande

Homem de 56 anos estava no voo que seguia para Florianópolis. Empresa informou que está prestando assistência aos familiares.

Do G1 Ms Com Informações Da Tv Morena

Um homem de 56 anos passou mal durante voo que saiu de Corumbá (MS) e seguia para Florianópolis. O piloto pousou em Campo Grande e o passageiro foi encaminhado à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro Vila Almeida, mas não resistiu e morreu na sexta-feira (3).

Em nota, a empresa Azul Linhas Aéreas informou que lamenta a morte e está prestando toda a assistência necessária aos familiares da vítima.

Segundo o registro policial, o passageiro começou a passar mal e a vomitar dentro do avião. A vítima foi atendida por uma equipe do Serviço Móvel de Urgência (Samu) e encaminha à UPA. Durante o trajeto, o homem teve parada cardiorrespiratória.

Na unidade de saúde, médicos teriam feito massagens cardíacas e aplicações de adrenalina e mesmo assim o passageiro não resistiu.

O caso foi registrado como morte a esclarecer na Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) do centro.

 

EUA grampearam Dilma, ex-ministros e avião presidencial, revela WikiLeaks

Site teve acesso a 29 números espionados no início da gestão da petista. Entre alvos da agência norte-americana está o ex-ministro Antonio Palocci.

Do G1, Em Brasília, Com Informações Da Globonews

 O site WikiLeaks, que vem revelando nos últimos anos documentos sigilosos da diplomacia norte-americana, divulgou neste sábado (4) uma lista classificada pela Agência Nacional de Segurança (NSA, na sigla em inglês) dos Estados Unidos como "ultrassecreta", a qual revela que, além da própria presidente Dilma Rousseff, 29 telefones do governo petista – incluindo o de ministros, diplomatas e assessores – foram espionados pela agência de inteligência.

O telefone via satélite Inmarsat instalado no avião presidencial, com o qual Dilma se comunica com o mundo quando está a bordo da aeronave, é um dos 29 números grampeados pela NSA. Os números telefônicos foram monitorados no início da gestão Dilma.

A GloboNews, em parceria com a publicação online "The Intercept", divulgou neste sábado, simultaneamente com o WikiLeaks, a relação de alvos brasileiros da NSA.

ImagemEntre outros nomes, estavam na lista da NSA o ex-chefe da Casa Civil Antonio Palocci; o atual ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, que, à época, ocupava o cargo de secretário-executivo do Ministério da Fazenda; o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general José Elito Siqueira, responsável pela segurança da presidente da República; e o ex-ministro das Relações Exteriores e atual embaixador do Brasil em Washington Luiz Alberto Figueiredo, então subsecretário-geral de Meio Ambiente.

A relação vazada pelo WikiLeaks também mostra que quatro números do escritório da presidente no Palácio do Planalto eram monitorados pelos espiões dos EUA, além dos telefones do assessor pessoal da petista, Anderson Dornelles, e da secretária Nilce.

Os grampos norte-americanos, revela a lista do WikiLeaks, também foram instalados em embaixadas, no Banco Central e na residência de diplomatas.

Ao G1, o ministro da Comunicação Social, Edinho Silva, afirmou neste sábado que, mesmo diante do detalhamento dos grampos dos Estados Unidos, para o Palácio do Planalto o episódio da espionagem norte-americana está "superado".

Na relação divulgada, além de Palocci, Nelson Barbosa, José Elito e Figueiredo, aparecem outros alvos da espionagem norte-americana no Brasil:

- André Amado, diplomata da Subsecretaria de Ambiente e Tecnologia
- Everton Vargas, ex-embaixador do Brasil em Berlim
- Fernando Meirelles de Azevedo Pimentel, subsecretário de assuntos internacionais do Ministério da Fazenda
- José Maurício Bustani, embaixador do Brasil na França, que foi removido da Diretoria da Organização Internacional para Proibição de Armas Químicas por pressão do governo norte-americano
- Luiz Awazu Pereira da Silva, ex-diretor da área internacional do Banco Central
- Luiz Balduíno, atual secretário de assuntos internacionais do Ministério da Fazenda
- Luiz Filipe de Macêdo Soares, ex-representante permanente do Brasil junto à conferência de desarmamento, em Genebra
- Marcos Raposo, ex-embaixador do Brasil no México e chefe do cerimonial da Presidência da República
- Paulo Cordeiro, da Secretaria de Assuntos Políticos
- Roberto Doring, assessor do ministro das Relações Exteriores
- Valdemar Leão, assessor financeiro do Itamaraty

O vazamento das informações ultrassecretas ocorreu na mesma semana em que a presidente brasileira fez sua primeira visita oficial à Casa Branca desde que veio à tona que ela tinha sido alvo de grampo dos Estados Unidos.

Em 2013, a revelação de que Dilma havia sido espionada pela agência norte-americana gerou uma crise diplomática entre Brasil e Estados Unidos. Indignada com a espionagem, a presidente brasileira cancelou, à época, uma visita de Estado (a mais alta da diplomacia) agendada para Washington e condenou duramente as ações de espionagem dos EUA na Assembleia-Geral das Nações Unidas, em Nova York.

No mês passado, quase dois anos depois do início do mal-estar diplomático com a Casa Branca, Dilma afirmou ao jornal belga "Le Soir" que a crise gerada por conta do episódio da espionagem era “uma questão do passado”. Em meio à visita oficial desta semana, o tema não ganhou destaque por parte dos chefes de Estado do Brasil e dos EUA.

Indagada em uma coletiva de imprensa concedida na última terça (30) na Casa Branca sobre se a crise diplomática gerada pelos grampos estava superada, a presidente brasileira chegou a brincar com o fato de ter sido espionada. Ao lado de Barack Obama, Dilma voltou a dizer que o colega norte-americano havia lhe prometido que, se quisesse saber qualquer coisa sobre o Brasil, ele ligaria para ela.

Códigos da espionagem
Em 2013, os documentos sigilosos vazados pelo ex-prestador de serviços da NSA Edward Snowden revelaram que os EUA monitoraram atividades de outros países e de seus líderes, incluindo Dilma e a chanceler alemã Angela Merkel. O material obtido por Snowden revelaram que os espiões interceptaram e-mail e telefonemas da presidente brasileira.

No entanto, apesar de mostrar como foi feita espionagem de comunicações de Dilma com seus principais assessores, o documento havia sido manipulado para esconder quem eram as pessoas ligadas à presidente que eram monitoradas. É justamente esta lista que foi revelada neste sábado pelo WikiLeaks.

Um dos programas usados pela NSA é chamado de DNI Selectors, que, segundo outro documento vazado por Snowden, captura tudo o que o usuário faz na internet, incluindo o conteúdo de e-mails, e sites visitados.

O programa de espionagem à presidente tinha um código: S2C42. Esse número aparece junto aos nomes alguns dos nomes revelados agora. É o código para espionagem de questões políticas relacionadas ao Brasil.

A lista revela outra operação, com código S2C51: é a mesma que grampeou três presidentes franceses e tinha como objetivo espionar a evolução financeira mundial.

No Brasil, os alvos classificados com o código S2C51 foram Nelson Barbosa, Luiz Balduíno, Fernando Meirelles de Azevedo Pimentel, um homem identificado como Carvalho, que, segundo a GloboNews, pode ser Luiz Eduardo Melin de Carvalho e Silva, ex-chefe de gabinete do ministro da Fazenda até janeiro de 2011, e Luiz Awazu Pereira da Silva.

Julian Assange
Recluso há três anos na embaixada do Equador em Londres, o fundador e editor-chefe do WikiLeaks, o australiano Julian Assange, se manifestou neste sábado sobre os grampos em telefones do governo brasileiro por meio de um comunicado publicado no site. No texto, Assange levantou suspeitas sobre eventuais informações privilegiadas dos Estados Unidos, obtidas por meio de grampos, que possam beneficiar empresas norte-americanas nas concessões que serão feitas pelo governo federal na área de infraestrutura.

"Se a presidente Dilma Rousseff quer ver mais investimentos dos EUA no Brasil na esteira de sua recente viagem ao país, como ela afirma, como ela pode assegurar às empresas brasileiras que as companhias norte-americanas não têm uma vantagem proporcionada por esta vigilância. Até que ponto ela pode realmente garantir que a espionagem foi encerrada - não apenas sobre ela, mas sobre todas as questões brasileiras", ressaltou Assange no comunicado.

Na visão do fundador do WikiLeaks, a Casa Branca tem de percorrer um "longo caminho" para provar que não monitora mais autoridades de países considerados "amigos".

"Nossa publicação mostra hoje que os EUA têm um longo caminho a percorrer para provar que sua vigilância sobre os governos "amigos" terminou. Os EUA têm monitorado não apenas a presidente Rousseff, mas as pessoas-chave do governo, com quem ela fala com todos os dias", enfatizou.

Na tentativa de deixar a embaixada equatoriana, ele pediu asilo político a França em uma carta dirigida ao presidente François Hollande e publicada pelo jornal Le Monde. Nesta sexta (3), o governo francês rejeitou a solicitação de Assange.

 

JORNAL O ESTADO DE SÃO PAULO


Fumacê


Sônia Racy

Depois de dois anos parada se adaptando aos novos aviões A-29 da Embraer, a Esquadrilha da Fumaça está de volta. Mais precisamente, na Feira Internacional de Aviação, que acontece essa semana em Maringá, no Paraná.

 

JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO


Para governo brasileiro, episódio de espionagem está "superado"


Natuza Nery E Flávia Foreque

O governo brasileiro minimizou a lista divulgada neste sábado (4) pelo WikiLeaks com nomes da administração Dilma Rousseff espionados, no passado, pela Agência Nacional de Segurança dos Estados Unidos, a NSA.

As informações divulgadas agora detalham casos de monitoramento realizados no início do primeiro mandato da presidente da República e que, em 2013, motivaram duras reações do Palácio do Planalto. Na ocasião, Dilma chegou a adiar sua visita à Casa Branca.

"O governo americano reconheceu os erros e assumiu compromissos de mudar de prática. Para nós, o episódio está superado, disse à Folha o ministro Edinho Silva (Secretaria de Comunicação Social), porta-voz da Presidência da República.

Em nota, a Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República reiterou a confiança de Dilma ao governo americano.

"Em várias circunstâncias, a presidente Dilma Rousseff ouviu do presidente Barack Obama o compromisso de que não haveria mais escutas sobre o Governo e empresas brasileiras, uma vez que os EUA respeitam os países amigos", diz o comunicado.

"Dilma reitera que confia no presidente Obama e no compromisso por ele assumido. Os EUA e o Brasil tornarão cada vez mais forte a sua parceria estratégica, que está baseada no respeito mútuo e no desenvolvimento de seus povos."

A divulgação dos dados de espionagem ocorrem dias depois de Dilma se encontrar com Barack Obama em Washington. A visita aos EUA virou a página de tensão entre os dois países após a crise provocada pelas ações irregulares da NSA.

Assessores do governo notaram que, a partir da lista veiculada agora, é possível notar quais as áreas de interesse de espiões americanos. Entre os diplomatas, há vários nomes que tocam a agenda do meio ambiente, tema discutido por Dilma e Obama nesta semana.

Assuntos como desarmamento e relações do Brasil com nações da África e Oriente Médio também estavam no foco.

Dilma desembarcou nos EUA no sábado (27) e retornou a Brasília nesta quinta-feira (2)

 

JORNAL O VALE (SJC)


Faculdade de Medicina de São José terá 100 vagas para o primeiro curso, informa o MEC

Prazo para divulgação da seleção é 28 de agosto, mas lista provisória com a posição das interessadas será publicada na sexta-feira

São José Dos Campos

O MEC (Ministério da Educação e Cultura) deve abrir 100 vagas para o primeiro curso privado de Medicina de São José, cuja instituição de ensino está em processo de escolha.

Embora tenha adiado para 28 de agosto a divulgação do resultado final da seleção, da qual concorrem cinco instituições, o MEC irá publicar uma lista provisória com a posição das mantenedoras na próxima sexta-feira. Quem tiver maior pontuação liderará a seleção para abrir o curso em São José.

No período entre 13 e 22 de julho, o MEC receberá contestações das instituições que participaram da seleção, o que poderá mudar o resultado do certame, segundo informou a pasta. O edital de chamada pública das mantenedoras foi publicado em 23 de dezembro do ano passado.

Faculdades.
Em São José, o MEC habilitou cinco instituições para disputar a abertura do primeiro curso de Medicina da cidade: Anhanguera, São Judas Tadeu, Anhembi Morumbi, Univap e Suprema.

De acordo com o MEC, os critérios de seleção previstos são indicadores de qualidade, sustentabilidade financeira e propostas de curso.

A previsão inicial da Secretaria de Saúde de São José de que o curso ofereceria 60 vagas foi superada, segundo apurou O VALE junto a instituições que concorrem na seleção do MEC. A cidade deve ganhar pelo menos 100 vagas já no primeiro ano do curso, podendo atender demanda de toda a região.

Porém, com o adiamento da publicação final do MEC, em razão da quantidade de propostas que recebeu de mantenedoras (215 para 39 cidades do país), o curso só deve ser aberto em São José no segundo semestre de 2016.

Mais Médicos.
A criação de cursos de Medicina faz parte do programa Mais Médicos do governo federal.

Segundo o MEC, as mantenedoras puderam apresentar propostas para 39 municípios, com população acima de 70 mil habitantes, que ainda não dispõem de curso superior para a formação de médicos.
As cidades estão localizadas em 11 Estados de quatro regiões do país.

Na região, além de São José, a cidade de Pindamonhangaba chegou a ser pré-selecionada para abrigar um curso de Medicina, mas o município não foi confirmado no edital que divulgou as 39 cidades escolhidas.

Critérios.
Para ser escolhida, São José precisou atender aos critérios do MEC, como ter número de leitos do SUS (Sistema Único de Saúde) por aluno igual ou maior que cinco e leitos de urgência e emergência.

A abertura de um curso de Medicina em São José é considerado estratégico para as pretensões da cidade na área de saúde. "Com a faculdade, vamos formar profissionais que poderão ser inseridos na rede municipal e que já tenham contato com o programa Mais Médicos, humanizando ainda mais o atendimento da rede pública", disse Paulo Roitberg, secretário de Saúde.

Público.
A cidade também tenta ser sede de uma faculdade pública de Medicina, em parceria com a EPM (Escola Paulista de Medicina), ligada à Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

A prefeitura negocia há nove meses com a direção da Unifesp a expansão do curso de Medicina para São José. A medida já foi aprovada pela congregação da EPM, no final do ano passado.

Em março deste ano, uma comissão de médicos da EPM visitou instalações em São José que poderiam abrigar a nova faculdade. A melhor delas é na atual sede da Urbam (Urbanizadora Municipal), na Vila Industrial, zona leste. O imóvel será cedido pela prefeitura para abrigar o novo curso.

Durante a visita, o médico Flávio Faloppa, que chefiou a comissão da EPM, disse que a vocação tecnológica de São José deve favorecer a escolha da cidade para o novo curso.

Segundo ele, a mantenedora pode trazer para a cidade cursos como medicina aeronáutica e fazer parcerias com instituições de pesquisa, como o ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica).

 

JORNAL A CRÍTICA (AM)


Avião apresenta vazamento de óleo e realiza pouso emergencial no aeroporto de Manaus

Informações dão conta que o boeing apresentou um vazamento de óleo na mangueira do motor direito às 15h18, no momento em que sobrevoava o município de Tefé (AM). Nou houve registro de feridos

Kamyla Gomes

Um avião boeing modelo 763, da companhia aérea norte-americana American Airlanes, realizou um pouso forçado em Manaus na tarde deste sábado (4), às 16h, no Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, localizado na avenida Santos Dumont, bairro Tarumã, Zona Oeste da cidade. A aeronave havia decolado de Miami e tinha como destino Curitiba, no Paraná.

Funcionários do aeroporto informaram que o avião apresentou um vazamento de óleo na mangueira do motor direito. Isso aconteceu às 15h18, no momento em que o boeing sobrevoava o município de Tefé.

Como o voo passava sobre a capital amazonense, decidiram então pousar no Aeroporto Eduardo Gomes devido a sua amplitude. O boeing voava em altitude de 37 mil pés, equivalente a 12 metros de altura.

A Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) confirmou o pouso de emergência e deu todo o apoio necessário, disponibilizando carro de combate à incêndio e equipe médica na pista do aeroporto, apesar destes recursos não terem sido utilizados. Não houve registro de feridos.

Em nota, a American Airlines informou que o voo apresentou um problema mecânico e forçou o pouso em Manaus. A aterrisagem aconteceu em segurança e já estão trabalhando no reparo da aeronave.

*Colaborou a repórter Joana Queiroz

 

OUTRAS MÍDIAS


CORREIO DO ESTADO (MS)


Passageiro morre depois de passar mal em voo comercial

Vânya Santos

Nilson Ramos, de 56 anos, morreu na tarde desta sexta-feira (03), na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Bairro Vila Almeida, em Campo Grande, depois de passar mal em um voo comercial.

Consta no boletim de ocorrência registrado sobre o caso, que Nilson estava em um voo de Corumbá (MS) com destino a Florianópolis (SC), quando começou a vomitar.

O piloto da aeronave então parou em Campo Grande, o passageiro foi socorrido por equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e encaminhado para uma unidade de saúde.

Enquanto era atendido pelo médico do Samu, Nilson teve uma parada cardiorrespiratória. Já no posto, foram feitas massagens cardíacas e aplicação de adrenalina, mas o homem não resistiu.

 

JORNAL NACIONAL


Lista mostra que EUA grampearam 29 telefones do governo brasileiro

Documentos revelam que espionagens começaram em dezembro de 2010, antes do primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff

O site WikiLeaks divulgou novas informações sobre a espionagem americana de integrantes do governo e de diplomatas brasileiros. A repórter Sônia Bridi conseguiu os nomes de quem foi grampeado e descobriu que as espionagens começaram em 2010, antes da posse da presidente Dilma Rousseff.

A espionagem americana montou um cerco à presidente Dilma. Grampeou quatro números de telefone do Palácio do Planalto, do gabinete da presidente, do assistente particular dela e da secretária. Nem no ar Dilma estava longe dos ouvidos eletrônicos da NSA.

O telefone por satélite do avião presidencial também estava sendo espionado, assim como o embaixador-chefe do cerimonial da Presidência e o ministro-chefe da Casa Civil no início do primeiro mandato, o ex-ministro da Fazenda Antônio Palocci.

 A revelação foi feita pelo site WikiLeaks e publicada ao mesmo tempo pelo canal GloboNews. E veio na semana em que terminou a visita oficial da presidente Dilma aos Estados Unidos. A visita marcou a reaproximação dos dois países, que estava estremecida desde que Dilma cancelou a visita, dois anos atrás, quando o Fantástico revelou que ela era espionada pelos americanos.

Na época, o documento mostrava que eram espionados a presidente Dilma, seus principais assessores e os interlocutores deles. Só que os nomes dessas pessoas foram apagados. O número daquela operação: S2C42, o mesmo número que agora aparece na lista ao lado de vários nomes. Essa lista tem 18 nomes, além o da presidente, e 29 números de telefone.

O S2C42 é a operação para espionagem de questões políticas relacionadas ao Brasil. Entre os grampeados estão diplomatas de diferentes áreas do Itamaraty: André Amado, da Subsecretaria de Ambiente e Tecnologia; Valdemar Leão, assessor financeiro; Paulo Cordeiro, da Secretaria de Assuntos Políticos; Roberto Doring, então assessor do ministro das Relações Exteriores; o embaixador Luiz Alberto Figueiredo Machado, então subsecretário-geral de Meio Ambiente, era o negociador do Brasil nas questões do clima, depois foi ministro das Relações Exteriores e hoje é embaixador do Brasil em Washington.

Outros nomes do alto escalão da diplomacia brasileira: o embaixador Luiz Filipe de Macêdo Soares tinha grampeado o telefone da residência oficial dele em Genebra, onde era o representante permanente do Brasil junto à Conferência de Desarmamento; o embaixador do Brasil na França, José Maurício Bustani, que antes foi diretor da Organização Internacional para Proibição de Armas Químicas – ele foi afastado do cargo por pressão do governo americano; o embaixador Bustani tentava uma negociação com o Iraque como alternativa à invasão americana em 2002; e o embaixador Everton Vargas, que, na época, estava em Berlim.

A lista revela o grande interesse dos americanos na economia brasileira. Sob outro código, S2C51, o da operação que acompanha a evolução financeira mundial. É o mesmo que foi usado para espionar os três últimos presidentes da França, como o WikiLeaks revelou na semana passada.

No Brasil, a espionagem econômica teve como alvo o atual ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, que então ocupava o cargo de secretário-executivo do Ministério da Fazenda; Luiz Balduíno, atual secretário de Assuntos Internacionais do Ministério da Fazenda e o sub dele, Fernando Meirelles de Azevedo Pimentel; a procuradora da Fazenda Nacional, Adriana Queiroz de Carvalho. Do Banco Central, foi espionado Luiz Awazu Pereira da Silva, ex-diretor da área internacional.

A lista de espionagem tem as datas em que cada uma começou. A primeira foi ainda no período de transição, no dia 14 de dezembro de 2010, 17 dias antes da posse da presidente Dilma. O último grampo foi ativado no dia 31 de março de 2011.

A lista mostra que a operação começou a ser montada no final de 2010 e foi crescendo no primeiro trimestre de 2011. Não há registros que indiquem quando ela foi encerrada, e se foi encerrada, nem do conteúdo das conversas espionadas. Mas a escolha dos alvos e do momento dá uma boa pista sobre o que os americanos estavam tentando saber em primeira mão: era a transição do Brasil de Lula para o Brasil de Dilma e de formulações de novas políticas externas e econômicas.