TALENTOS

Instituto Tecnológico de Aeronáutica vence competição cibernética das Forças Armadas

Sexta edição do Mandabyte, realizada nessa quarta-feira (13), contou com a participação de 176 militares de todo o Brasil
Publicado: 14/11/2019 20:02
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea, por Aspirante Flávia
Edição: Agência Força Aérea - Revisão: Tenente-Coronel Santana

O Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) conquistou a primeira colocação na 6ª edição da Competição Cibernética do tipo Capture the Flag (Captura de Bandeira) das Forças Armadas, mais conhecida como Mandabyte. Outras quatro Organizações Militares da Força Aérea Brasileira (FAB) se destacaram entre os 11 primeiros colocados na competição. O evento, promovido pelo Comando de Defesa Cibernética (ComDCiber), do Exército Brasileiro (EB), foi realizado nessa quarta-feira (13), e contou com a participação de 176 militares de todo o Brasil.

Nesta edição, concorreram 68 equipes, formadas por 62 militares da Aeronáutica, 98 do Exército e 16 da Marinha. O evento tem como objetivo a descoberta de novos talentos na área de Tecnologia da Informação (TI), a promoção e difusão da cultura de segurança e defesa cibernética, além do incentivo e aperfeiçoamento dos militares.

A disputa ocorreu de forma totalmente on-line e teve duração de oito horas consecutivas (das 8h30 às 16h30), com desafios do tipo Capture the Flag, em seis áreas de conhecimento cibernético: Criptografia, Pentest Profissional, Pentest em Aplicações Web, Engenharia de Código, Forense Computacional e Miscelâneas.

As atividades foram coordenadas pela Escola Nacional de Defesa Cibernética (ENaDCiber), com o suporte técnico do Centro de Defesa Cibernética (CDCiber), do 11º Centro de Telemática (11º CT) e do Centro Integrado de Telemática do Exército (CITEx).

Segundo o Sargento da FAB, Allan Victor de Araújo Ferreira, o evento é de grande importância para a formação de militares da área de Tecnologia da Informação. “Mandabyte é um evento desafiador para os profissionais de TI integrantes das Forças Armadas. Na competição, somos invocados a testar habilidades e estratégias para superar os desafios propostos, em uma corrida contra o tempo. Com certeza, é uma experiência agregadora na carreira de um militar de TI, contribuindo, positivamente, com a busca pelo conhecimento”, pontuou o sargento.  

Fotos: Assessoria de Comunicação do Comando de Defesa Cibernética (ComDCiber)