EXERCÍCIO

FAB treina Defesa Antiaérea em Exercício Conjunto com Marinha e Exército

No treinamento, Unidades de Defesa Antiaérea são designadas para proteger diversos pontos sensíveis do país em resposta a ataques simulados de aeronaves
Publicado: 30/10/2019 19:45
Imprimir
Fonte: COMAE
Edição: Agência Força Aérea, por Tenente Jonathan Jayme - Revisão: Major Monteiro

O Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), em Brasília (DF), sedia, até a sexta-feira (1º), a Exercício Escudo Antiaéreo, que tem como objetivo avaliar o emprego das Unidades de Defesa Antiaérea (UDA Ae) das Forças Armadas, adjudicadas ao Sistema de Defesa Aeroespacial Brasileiro (SISDABRA). Ao todo, mais de mil militares da Força Aérea Brasileira (FAB), da Marinha do Brasil e do Exército Brasileiro estão envolvidos no treinamento.

O Exercício é comandado a partir do Centro Conjunto de Operações Aéreas (CCOA) do COMAE. Sua execução ocorre em duas fases: a primeira de Comando e Controle (C²), quando são treinados os envios de ordens e relatórios e os sistemas de comunicação; e a segunda quando ocorre a parte prática, com as UDA Ae designadas para proteger diversos pontos sensíveis por todo o país.

Missões de ataque a pontos sensíveis, escolhidos na simulação de uma guerra, são planejadas e executadas por aeronaves A-1, F-5 e A-29, da Força Aérea Brasileira (FAB), e pelo avião AF-1, da Marinha do Brasil, para o treinamento da Defesa Antiaérea. As UDA Ae das três Forças estão situadas no Rio de Janeiro (RJ), em Santiago (RS), em Barra do Garças (MT), em Aragarças (MT), em Boa Vista (RR) e em Três Marias (MG).

“Todos os elos do SISDABRA são envolvidos em todas as etapas. São treinadas desde a detecção do alvo até a autorização do disparo pela UDA Ae”, explica o Coronel Aviador Marcos Phelipe Dias da Costa, integrante da Direção do Exercício (DIREX). De acordo com o Oficial, o diferencial deste ano é a participação do Porta-Helicópteros Multipropósito Atlântico e da Fragata Liberal, da Marinha, com seus sensores de detecção que se integram ao sistema de defesa aeroespacial.

Também este ano foi constituído o Grupo Conjunto de Defesa Antiaérea de Média Altura/Alcance, em que uma equipe de especialistas na área está reunida para o desenvolvimento de doutrina, com o uso  do Simulador de Radar de Baixo Custo (SRBC), utilizado para fomentar discussão e aprimoramento da doutrina de emprego de Artilharia de Médio/Longo Alcance.

O Coronel Phelipe diz que, após os ataques simulados, a Célula de Avaliação de Desempenho Operacional recebe os dados das trajetórias e disparos das aeronaves e os dados dos disparos de mísseis, que serão então avaliados quanto aos parâmetros e limitações dos diversos meios utilizados, bem como se a proteção do ponto foi efetiva. “Ao fim do Exercício, um relatório com a compilação das lições aprendidas e oportunidades de melhoria é enviado a todos os participantes para o aprimoramento de todos os elos do SISDABRA”, conclui.

Fotos: Capitão Duarte e Soldado Francisco Silva / COMAE