PREMIAÇÃO

Trabalho sobre gestão de custos de Unidade da FAB é premiado em congresso internacional

O trabalho trata do estudo de levantamento e sistematização de custos da cadeia produtiva da Fazenda da Aeronáutica de Pirassununga
Publicado: 28/10/2019 11:50
Imprimir
Fonte: Ala 10, por Tenente Juliana Lopes
Edição: Agência Força Aérea, por Tenente Elias - Revisão: Major Alle

O artigo intitulado "Levantamento de custos na Fazenda da Aeronáutica de Pirassununga utilizando documentos do Tesouro Gerencial" conquistou o primeiro lugar na categoria "Relato de Experiência" do 9º Prêmio Chico e-Cidadania: Qualidade de Gasto Público. O trabalho foi apresentado pela Adjunta ao Chefe da Divisão de Produção da Fazenda da Aeronáutica de Pirassununga (FAYS), Capitão Intendente Samara Lima e Andrade.

A premiação ocorreu nessa quarta-feira (23), em Natal (RN), durante o IX Congresso Internacional de Contabilidade, Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público. Esta edição do Congresso e do Prêmio e-Cidadania é uma realização conjunta da Rede CQ - Contabilidade, Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público, com coordenação do Instituto Social IRIS e apoio da Associação Brasileira de Contadores Públicos (ABCP), da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), dentre outros parceiros.

"É muito gratificante receber este prêmio de um instituto tão renomado, em um Congresso Internacional de Contabilidade, que trata do gasto público e do uso consciente dos recursos em prol da sociedade. Esse reconhecimento veio a validar todos os esforços que nós temos despendido nessa área de custos lá na Fazenda, inclusive sem a utilização de softwares contratados ou adquiridos, sem ônus extras para a União", contou a Capitão Samara.

Gestão de Custos

O trabalho premiado trata do estudo de levantamento e sistematização de custos da cadeia produtiva da FAYS, relativa ao ano de 2018, utilizando como ferramenta o Tesouro Gerencial, sistema disponibilizado gratuitamente pela Secretaria do Tesouro Nacional. De acordo com o artigo, foram fornecidas "informações de custos para análise minuciosa de cada atividade, processo e Unidade de Produção da Fazenda”. Com isso, "foi possível apoiar efetivamente o processo de gestão (...) sob a óptica dos Princípios da Eficiência e da Economicidade".

A Capitão Samara explica que o trabalho foi desenvolvido com base em um estudo preliminar finalizado pela Secretaria de Economia, Finanças e Administração da Aeronáutica (SEFA) em 2014, o qual deixou premissas e parâmetros para que a contabilidade de custos da FAYS pudesse se desenvolver.

Este estudo foi retomado pelo Diretor da FAYS, Coronel Intendente Samuel de Mattos Barroso Júnior, que priorizou o assunto, apresentou as demandas gerenciais e coordenou toda a sua execução. "Nosso maior desafio, após estruturar a cadeia produtiva que é tão complexa, foi distribuir os custos indiretos e globais, aqueles que não são específicos a somente um produto acabado. Nós tivemos que viabilizar sua aplicação matemática, o que foi complicado, porque não existia um software acessível, nem tampouco trabalho similar no setor público para se embasar. Então houve uma necessidade de criação desses métodos por meio do próprio Tesouro Gerencial", explica a militar.

A Professora Doutora em Engenharia de Produção Dirley Lemos Vilela, do Corpo Docente da Academia da Força Aérea (AFA), acompanhou o estudo preliminar. "O trabalho foi muito bem feito, muito profundo, indo no detalhe, o que não se vê na área pública. Custos na área pública ainda é algo muito novo no Brasil, mas a Força Aérea é pioneira aqui. Como nós começamos a criar centros de custos antes de outros órgãos, nós também já demos mais passos. No caso da Fazenda, que é uma organização peculiar das demais do Comando da Aeronáutica, necessitava dessa análise mais aprofundada e por quem está lá. Por isso, eu acredito que o estudo foi no detalhe da utilidade da informação", conta.

Desafios e perspectivas

O Professor Doutor em Contabilidade e Controladoria Nelson Machado participou como palestrante do congresso e anunciou a premiação do trabalho da FAYS. "Esse trabalho é muito relevante porque traduz a essência do que foi pensado no Sistema de Informação de Custos. Ele percorre exatamente o caminho que foi pensado para a ferramenta desde o começo, o que mostra que se houver, em cada Unidade, gente capacitada, interessada e com vontade é possível fazer o sistema funcionar e fazer a diferença na gestão dos custos públicos", defende.

A iniciativa está em plena evolução e já faz parte da rotina administrativa da FAYS. Por isso, para a gestão de custos de 2019 novos desafios já se apresentaram à equipe da Unidade. "Nós estamos revisando toda a metodologia de cálculo, a parte teórica do trabalho. Das lições aprendidas, conseguimos identificar soluções que podemos utilizar para otimizar aquilo que a gente fez ano passado", conclui a Capitão Samara.

Fotos: Cabo Simplício