PREPARO

EXOP Tápio totaliza cerca de 1.200 horas de voo durante treinamento em Campo Grande

Esquadrões Aéreos e unidades de infantaria realizaram exercício operacional durante 25 dias
Publicado: 18/05/2019 12:18
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea, por Tenente Cristiane
Edição: Agência Força Aérea - Revisão: Major Alle

A Força Aérea Brasileira (FAB) concluiu nesta sexta-feira, dia 17, a segunda edição do Exercício Operacional Tápio (EXOP Tápio), que ocorreu durante 25 dias, na Ala 5, em Campo Grande (MS). Durante as atividades, foram realizadas mais de 1.200 horas de voo, com envolvimento de 28 Esquadrões Aéreos, 600 militares e 50 aeronaves, entre aviões e helicópteros. A Análise Pós Ação (APA) contou com a presença do Comandante de Preparo (COMPREP), Tenente-Brigadeiro do Ar Antonio Carlos Egito do Amaral, dentre outros oficiais-generais da FAB. 

A APA apresentou os índices de aproveitamento do exercício, bem como impressões do treinamento, pontos positivos e a aprimorar. Cada ação realizada foi aferida, por meios de equipamentos de gravação, sinal de GPS e relatórios. Durante todo o tempo foram levantados dados qualitativos e quantitativos, com o objetivo de revisar ou ratificar as doutrinas já sedimentadas. De acordo com o Chefe da Célula de Avaliação do Exercício, Major Aviador Arthur Ribas Teixeira, a avaliação é importante porque o exercício foi criado para aferir as necessidades de preparo das unidades aéreas. "De acordo com as estatísticas, houve boa progressão do EXOP Tápio, melhora no preparo das equipagens e autoconfiança no cumprimento das missões", disse.

O Comandante de Preparo, Tenente-Brigadeiro Egito, parabenizou os envolvidos e afirmou que o objetivo  foi alcançado. “Este Exercício é fruto de um processo de planejamento que nós estabelecemos para desenvolver e aprimorar o alcance de nossas atividades finalísticas. Ele mostra isso, que estamos no caminho certo, organizando e medindo o nosso treinamento”, afirmou.

O Diretor do EXOP Tápio e Comandante da Ala 5, Brigadeiro do Ar Augusto Cesar Abreu dos Santos, complementou. “Praticamente todos os objetivos e indicadores que nos propusemos foram atingidos integralmente. Observamos uma evolução da maturidade, tanto do conhecimento quanto das habilidades, principalmente das atitudes dos tripulantes que estavam em um cenário dinâmico e desafiador. Nós estamos muito satisfeitos com os resultados”, ressaltou.

Em relação ao EXOP Tápio 2018, este ano o exercício contou com algumas novidades. A principal delas foi a inserção das missões aéreas compostas no período noturno, os chamados pacotes COMAO, sigla em inglês para Composite Air Operation. As ações envolveram diversas aviações e vetores diferentes, buscando aproximar o exercício à realidade de cenário de guerra irregular figurada nas missões de paz da Organização das Nações Unidas (ONU).

Para realizar o COMAO no período noturno, as aeronaves utilizaram NVG, óculos de visão noturna, do inglês Night Vision Goggles. Além disso, algumas aeronaves utilizaram o Spectrolab, que é um farol de busca de alta capacidade com filtro infravermelho. Os COMAO também contaram com lançamento de flare, equipamento usado para desviar mísseis guiados pelo calor.

Além dos Esquadrões Aéreos, o exercício também contou com a participação do Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento (EAS), conhecido como PARA-SAR, a Brigada de Defesa Antiaérea (BDAAE) e seus Grupos Defesa Antiaérea (GDAAE), a Marinha do Brasil, o Exército Brasileiro e a Força Aérea dos Estados Unidos (USAF).

Confira mais sobre o EXOP Tápio.

Fotos: Cabo André Feitosa / Vídeo: Sargento Wanderson Nunes/ CECOMSAER