TRÁFEGO AÉREO

Projeto Agile Rio busca otimização de operações aéreas no Rio de Janeiro

Objetivo é melhorar a performance e o fluxo operacional dos aeroportos locais, que estão entre os principais do país
Publicado: 28/03/2019 16:00
Imprimir
Fonte: DECEA, por Denise Fontes
Edição: Agência Força Aérea, por Tenente Jonathan Jayme - Revisão: Capitão Landenberger

O Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) coordenou, no período de 18 a 20 de março, a primeira reunião do Grupo de Trabalho (GT) do Projeto Agile Rio, nas dependências do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro. O GT foi criado para buscar melhorias e aumento da eficiência das operações aéreas dos aeroportos locais.

Além da Força Aérea Brasileira (FAB), o projeto conta com o trabalho conjunto do Aeroporto Internacional Tom Jobim (Concessionária Riogaleão), da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (INFRAERO), da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (ABEAR), da International Air Transport Association (IATA), da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e da Associação Brasileira de Aviação Geral (ABAG). Para formalizar a criação do grupo, os coordenadores do projeto assinaram o Termo de Referência na quarta-feira (20/03).

“O GT tem o objetivo de aumentar a eficiência das operações de aproximação, pouso e decolagem da Área de Controle Terminal do Rio de Janeiro (TMA-RJ) e melhorar a performance e o fluxo operacional dos principais aeroportos locais”, esclarece o Coordenador do DECEA no Agile Rio, Major Especialista em Controle de Tráfego Aéreo Marcos Roberto Peçanha dos Santos.

A iniciativa prioriza o processo de decisão colaborativa, no qual todos os envolvidos participam ativamente de todas as etapas do projeto. “Além de aproximar as companhias aéreas e as entidades aeronáuticas, os principais ganhos para o Aeroporto do Galeão serão eficiência, agilidade, pontualidade, eficácia e integração de todos os órgãos focados em um mesmo objetivo”, afirmou o Gerente de Operações da Concessionária Riogaleão, Felipe Cavalcanti.

O Agile Rio está estruturado em quatro fases:

Fase 1: Otimização da operação no Aeroporto Santos Dumont, com foco em melhorias em alguns procedimentos de aproximação e decolagem do aeroporto;

Fase 2: Otimização da operação nas pistas 28 e 33 do Aeroporto do Galeão, com foco na operação independente no conjunto de pistas 28/33 do Galeão;

Fase 3: Otimização da operação nas pistas 10 e 15 do Aeroporto do Galeão, com foco na operação independente no conjunto de pistas 10/15 do Galeão e na redução da interferência entre as operações desse conjunto de pistas com o Aeroporto Santos Dumont;

Fase 4: Otimização das operações da TMA-RJ, com foco na implementação de procedimentos RNAV VISUAL (navegação de área) nos aeroportos Santos Dumont, Galeão e Jacarepaguá.

Benefícios

Para o Diretor-Assistente de Segurança Operacional e Operações de Voo da IATA, Júlio Cesar de Souza Pereira, o projeto representa a oportunidade de melhorar a segurança e a eficiência, tanto nas operações do Aeroporto do Galeão quanto do Aeroporto Santos Dumont, com a adoção de melhores práticas internacionais.

A integração dos diversos envolvidos foi elogiada, também, pelo Consultor Técnico da ABEAR, Rogério Benevides Carvalho, que destacou os benefícios do projeto. “Ter as duas pistas do Aeroporto do Galeão operando de forma independente trará fluidez para a TMA-RJ, por conseguinte, melhorará a performance das empresas aéreas e a prestação dos serviços para os passageiros, em termos de conforto e economicidade”, garantiu.

A gerente da Estação Prestadora de Serviços de Telecomunicações e de Tráfego Aéreo (EPTA) do Aeroporto Santos Dumont, Andrea de Araújo Cavalcanti, destacou que o Projeto Agile Rio trará agilidade às operações de aeronaves em solo e em voo. “Baseia-se em quebra de paradigmas originados das experiências dos diversos elos componentes deste grupo de trabalho, que se traduz na aplicação das melhores práticas da aviação do Brasil e do mundo”, pontuou.

Fotos: Luiz Eduardo Perez / DECEA