BALANÇO 2017

Ministro da Defesa apresenta balanço das ações das Forças Armadas

Ministro Raul Jungmann abordou diversas ações da Força Aérea
Publicado: 28/12/2017 16:40h
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea, por Ten Cristiane dos Santos
Edição: Agência Força Aérea, por Ten Emília Maria - Revisão: Major Alle

Ministro da Defesa Raul Jungmann faz balanço de 2017O Ministro da Defesa, Raul Jungmann, realizou, nesta quinta-feira (28/12), um balanço das principais ações no ano de 2017, além de apresentar os projetos em desenvolvimento nas Forças Armadas. Os destaques foram a área de indústria de defesa, apoio à segurança pública, proteção e segurança nas faixas de fronteiras, assistência humanitária internacional e defesa cibernética. A apresentação aconteceu durante coletiva de imprensa na sede do Ministério da Defesa, em Brasília (DF).

Na área de Comunicações e Defesa, Jungmann destacou o lançamento do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações (SGDC), em junho deste ano. O SGDC reforça as comunicações na área militar e aumenta a capacidade operacional das Forças Armadas para a manutenção da soberania nacional. “Isto foi um grande avanço porque trata da segurança das nossas comunicações estratégicas. Além disso, outro grande benefício é o fim do apartheid digital, pois com este satélite levaremos banda larga a todos brasileiros”, referiu-se à banda que será utilizada em operações não militares.

Dentre as ações humanitárias, o Ministro ressaltou o apoio da Força Aérea Brasileira (FAB) ao Sistema Nacional de Transplantes (SNT). Desde junho de 2016, data do decreto que formalizou a atuação da FAB neste tipo de missão, foram realizados 334 voos para transportes de 419 órgãos.

Balanço ocorreu na sede do Ministério da Defesa, em BrasíliaO encerramento do trabalho no Haiti, após três anos de atuação, também foi lembrado. “Encerramos uma missão que engrandeceu as Forças Armadas Brasileiras perante organismos internacionais, sobretudo junto às Organizações das Nações Unidas”, ressaltou.

As atividades na segurança pública também estão no balanço, com início em janeiro, quando cerca de 1,8 mil militares das Forças Armadas atuaram durante oito dias na Garantia da Lei e da Ordem (GLO) no Rio Grande do Norte, especialmente na região metropolitana da capital Natal. As ações permaneceram durante todo o ano, inclusive com participação da Força Aérea.

Ainda se tratando de segurança pública, o Ministro listou as ações realizadas no decorrer do ano, incluindo as operações nas faixas de fronteiras, que somam mais de 17 mil quilômetros. Somente nesta área, foram 88 operações ao longo de 2017. A FAB participou ativamente da Operação Ostium, com emprego de meios aéreos em combate ao narcotráfico. “Não é uma atividade fácil, por isto é importante a integração das Forças Armadas e acima de tudo, articulação com os demais países”, lembrou.

Em se tratando dos projetos estratégicos, o Ministro da Defesa destacou o caça sueco Gripen NG, que será utilizado pela FAB. “Estas aeronaves são fundamentais para a defesa do território nacional”, afirmou. Ele falou, ainda, do projeto HX-BR, que engloba a aquisição de 50 helicópteros de transporte EC-725, que serão entregues às três Forças Armadas, sendo 18 para a FAB. Ainda nesta categoria, o balanço englobou o KC-390, maior avião militar fabricado no Brasil. Os Esquadrões de Transporte da FAB vão empregar o avião a partir de 2018, Ministro falou sobre Projetos Estratégicos da FABsubstituindo o C-130 Hércules. “O KC-390 será utilizado em diversas situações, como missão humanitária, transporte de tropas, e lançamento de cargas e de paraquedistas. A nova aeronave também estará apta a fazer reabastecimento em voo”, destacou.

O balanço ressaltou também o ingresso, pela primeira vez, de mulheres na Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR), na Escola Preparatória de Cadetes do Exército (EsPCEx) e nas Escolas de Formação de Sargentos. O ministro também destacou a alteração na legislação permitindo o ingresso de militares do sexo feminino na Armada e no Corpo de Fuzileiros Navais.

Por fim, abordou as atividades de diplomacia e defesa, como o Acordo de Salvaguarda Tecnológica para futuros projetos no Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) e a criação de uma autoridade Sul-Americana de Segurança para combater a criminalidade.

Fotos Cabo André Feitosa