SOLIDARIEDADE

Você era a gota que faltava. Doe sangue. Doe vida!

No mês em que é comemorado o Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue, Comandante do COMGEP fala sobre campanha para incentivar doação
Publicado: 25/11/2017 09:00
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea, Tenente Aline Fuzisaki

Militares na Fundação Hemocentro de Brasília O caráter voluntarioso é inerente ao serviço militar, por isso, diante da constatação de que a falta de doadores de sangue é uma realidade, o Comando-Geral do Pessoal (COMGEP) deu início a uma campanha com o objetivo de conscientizar o efetivo da FAB. No mês em que se comemora o Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue (25/11), o Comandante do COMGEP, Tenente-Brigadeiro do Ar Antonio Carlos Moretti Bermudez, fala sobre a campanha: “Você era a gota que faltava. Doe sangue. Doe vida!”.

Como surgiu a iniciativa?

O COMGEP constatou que a falta de doadores de sangue é uma realidade em nosso meio. Constantemente, recebemos pedidos em nossas Organizações Militares para que doadores compareçam aos hospitais, com a finalidade de atender esta necessidade.

Como o senhor avalia a campanha até o momento?

Iniciada em agosto de 2017, a campanha já obteve mais de 100 doadores até o momento. Com isso, constatamos que ela extrapolou as expectativas iniciais. Inclusive, já estamos conseguindo, junto aos familiares de nossos militares, mais voluntários para aderirem à doação.

Quais ações foram realizadas durante a Campanha?

Inicialmente, foi realizado um planejamento geral, com o objetivo de motivar e conscientizar os militares e civis da importância de se doar sangue. Como primeira atividade da campanha, promovemos uma palestra para todas as Organizações Militares da Guarnição de Brasília. A ideia inicial foi formar agentes multiplicadores, com vistas a serem coordenadores das diversas etapas que se seguiriam. Na sequência, estabelecemos a meta de formar grupos mensais de doadores com, no mínimo, 30 voluntários.

Existe a intenção de ampliar a campanha para outras unidades?

Sim, o objetivo é ampliá-la para todas as Organizações Militares da FAB. Inclusive, os nossos hospitais já estão participando. Gostaria de destacar nesse contexto o Hospital de Aeronáutica dos Afonsos (HAAF), que possui o serviço de hemoterapia, sendo a única Organização de Saúde da Força Aérea que tem a capacidade de coletar o sangue de doadores e, após o processamento adequado, fornecer hemocomponentes a todos os hospitais de aeronáutica na área do Rio de Janeiro (RJ).

Até quando a campanha deve ocorrer?

Não há previsão de término, pois a ideia é potencializá-la. Importante esclarecer que o objetivo não é somente a doação voluntária, mas, sim, fazer com que o doador seja “fidelizado” ao ato de doar sangue.

Qual mensagem o senhor gostaria de deixar aos nossos leitores?

Primeiramente, doar sangue é um ato de solidariedade. Em nossa campanha, aprendemos que cada doação pode salvar a vida de até quatro pessoas. Como cidadãos, além da nobreza do ato de doar para uma outra pessoa que está precisando do sangue para sobreviver, sem esperar nada em troca, este ato também representa uma grande prova de amor e respeito ao próximo. Por fim, gostaria de dizer que salvar uma vida não tem preço. Afinal, doar sangue é compartilhar a vida.

 Leia outras matéria da edição de novembro do Notaer: