ANIVERSÁRIO

Sessão Solene marca comemorações do cinquentenário do Esquadrão Gavião

Em 50 anos, o esquadrão já formou mais de dois mil pilotos de helicópteros
Publicado: 30/10/2017 16:05
Imprimir
Fonte: Ala 10, por Tenente Juliana Lopes

Sessão Solene foi realizada pela Câmara Municipal de NatalA Câmara Municipal de Natal realizou, na última sexta-feira (27/10), Sessão Solene em homenagem ao Esquadrão Aviação (1º/11º GAV), que completou 50 anos de criação no dia 20 de outubro. A sessão foi proposta pelo vereador Franklin Capistrano.

"É um orgulho muito grande para o esquadrão receber essa homenagem, que demonstra o reconhecimento e o acolhimento do povo potiguar. O Esquadrão Gavião e a Força Aérea escolheram o Rio Grande do Norte como a localidade para a especialização de seus pilotos de combate. A satisfação do nosso efetivo em servir aqui e os bons resultados que o esquadrão alcança anualmente, entregando pilotos preparados e aprimorando continuamente sua doutrina, demonstram que Natal é o local ideal para a nossa missão", afirma o Comandante, Tenente-Coronel Aviador Alexandre de Carvalho Ribeiro.

Programação especial

No dia do cinquentenário, a data foi rememorada em uma palestra, ministrada pelo historiador aeronáutico e militar da reserva, Coronel Aparecido Camazano Alamino, com o tema "A saga dos 50 anos do Esquadrão Gavião". Também foi realizada, no dia 17 de outubro, a Corrida Gavião, em que os participantes percorreram um circuito ao redor da área administrativa da Ala 10.

Já a cerimônia militar alusiva à data foi realizada no dia 19 de outubro, no hangar do esquadrão, o Ninho das Águias. No evento, o Tenente-Coronel Alexandre foi agraciado com a Medalha Mérito Operacional Brigadeiro Nero Moura, que é concedida ao Comandante de Unidade Aérea como reconhecimento de sua conduta em prol da operacionalidade do seu esquadrão e da Força Aérea Brasileira.

Durante a solenidade, foram homenageados os ex-Comandantes, Coronel Aviador Coelho, que comandou a unidade em Santos (SP) de 2004 a 2006; e o Coronel Aviador Falcão, que foi Comandante de 2006 a 2008 e responsável pela sua transferência para o Rio Grande do Norte.

Também foram entregues o Título Gavião Honorário, destinado àqueles que demonstram consideração e apreço pela unidade; os Destaques Graduado e Praça Padrão; as Menções Destaque Logístico do Comando-Geral de Apoio, Destaque Operacional do Comando de Preparo e Destaque Segurança de Voo. Foram entregues, ainda, as Medalhas Militares por Tempo de Serviço a 16 militares do 1º/11º GAV, por completarem 10 ou 20 anos de bons serviços prestados à Força Aérea Brasileira.

Placa em homenagem aos cinquenta anos do Esquadrão Em discurso, o Comandante do Gavião reverenciou o espírito de corpo e patriotismo do efetivo. "Assim como esse esquadrão aéreo faz mais que manter o reconhecido padrão de excelência na instrução dos combatentes do rotor, aqui, há 50 anos, também é o local de realização de sonhos. Jovens que buscavam, com a infinita garra, servir o Brasil, salvando vidas, defendendo nosso território e espaço aéreo, encontraram no glorioso 11 a chama que propicia o eterno brilho no olhar de todos os Gaviões que levam para suas vidas os ensinamentos que viabilizaram seus respectivos sonhos", destacou o Tenente-Coronel Alexandre, em discurso.

A solenidade foi presidida pelo Comandante da Ala 10, Brigadeiro do Ar Pedro Luís Farcic. Ela foi precedida por um culto ecumênico, em que o helicóptero H-50 Esquilo, operado pelo Esquadrão, foi abençoado por um capelão militar. Uma placa em homenagem ao cinquentenário também foi descerrada.

50 anos de saga

Os primeiro helicópteros foram recebidos pela Força Aérea Brasileira (FAB) há mais de 50 anos, quando os pilotos ainda eram especializados nas próprias unidades operadoras. Com o intuito de padronizar a doutrina de instrução operacional da aviação de asas rotativas, em 20 de outubro de 1967 foi ativado o Centro de Instrução e Emprego de Helicópteros (CIEH). Sediado no então Destacamento de Base Aérea de Santos, a nova organização se constituiria na primeira e única do gênero na América do Sul, com o objetivo de preparar pilotos e mecânicos de formação militar para a ativa e reserva, bem como para civis, devido à deficiência de padronização nesse tipo de aeronave.

Com o passar do tempo, a unidade passou por mudanças e recebeu diversas designações, com o intuito de se adequar à estrutura operacional e administrativa da Força Aérea, em constante modernização. Em 1973, o CIEH é extinto, dando lugar à Ala 435, Unidade Aérea Isolada subordinada ao Comando Aerotático, que em 4 de junho de 1979 é desativada para a criação do 1º Esquadrão do 11º Grupo de Aviação. Originado em Santos (SP), o 1º/11º GAV é, então, transferido, em 2006, para Natal, após a criação da Primeira Força Aérea (I FAE), em 2005. O objetivo foi de centralizar em uma só localidade as organizações subordinadas à I FAE e responsáveis pela especialização dos pilotos de combate da FAB.

Nesses cinquenta anos de instrução, o Esquadrão Gavião já formou mais de dois mil pilotos militares de Asas Rotativas para as Forças Armadas e Auxiliares brasileiras e para Forças Aéreas de nações amigas. E operou as seguintes aeronaves: H-13H, SH-19D, OH-4, OH-13H, UH-1H, H-13 e H-50 Esquilo - aeronave ainda hoje utilizada para a instrução dos pilotos.

Em dezembro de 2016, a I FAE foi desativada e, dentro da nova concepção estratégica "Força Aérea 100", uma nova Organização Militar foi criada: a Ala 10. Mantendo sua missão de especializar os pilotos de combate da FAB na aviação de asas rotativas, o 1º/11º GAV passou a fazer parte dessa unidade, que tem como missão treinar ou empregar os esquadrões subordinados, de acordo com as diretrizes e os planos emitidos pelos escalões superiores, além de especializar todos os pilotos de helicópteros da Força Aérea Brasileira.