OPERACIONAL

FAB presta apoio logístico para interdição de garimpo na Amazônia

Procuradoria Geral da República vai analisar os impactos ambientais causados pela extração na região
Publicado: 06/04/2017 18:00
Imprimir
Fonte: Ala 8, Tenente Cassia Guterres
Edição: Agência Força Aérea, por Tenente Flávio Nishimori

Crédito: Sargento CarleilsonDois helicópteros H-60L Black Hawk, do Sétimo Esquadrão do Oitavo Grupo de Aviação (7º/8º GAv), um C-98 Caravan e um Bandeirante pertencentes ao Sétimo Esquadrão de Transporte Aéreo (7º ETA), ambos Esquadrões subordinados à Ala 8, sediada em Manaus (AM), decolaram, na manhã da quarta-feira (05/04) para o Garimpo do Juma, no município de Apuí, no Amazonas, localizado a 453 quilômetros de Manaus. A missão teve como objetivo prestar apoio aerologístico no cumprimento de uma Ação Cívil Pública do Ministério Público Federal no Amazonas (MPF/AM) na localidade.

De acordo com o Procurador da República do Ministério Público Federal, Titular do Ofício Ambiental no Amazonas, Leonardo de Faria Galiano, a missão decorre de uma ação civil pública que ajuizou em desfavor de alguns órgãos ambientais e de particulares empreendedores que exploram o Garimpo do Juma.

Crédito: Sargento Carleilson“Foi deferida, pela Justiça Federal, a interdição liminar do garimpo e, entre outras providências, iremos fazer a fiscalização para uma análise do impacto ambiental dos danos causados, principalmente nas barragens de mineração que estão em iminência de rompimento e outras estão até rompidas. Com base nisso, iremos verificar quais providências técnicas podemos tomar para a preservação da natureza local”, disse o Procurador.

Na ocasião, ele destacou a importância do apoio da Força Aérea para a missão que é inédita para o Ministério Público.

“De acordo com informações, esse é o maior garimpo a céu aberto do País, após o de Serra Pelada. Tivemos que acionar essa missão conjunta com diversos Órgãos Federais e Estaduais para verificar o impacto ambiental e social da situação. O apoio da FAB à solicitação da Procuradoria Geral da República, e com a autorização do Ministério da Defesa foi primordial para que a missão fosse desenvolvida”, destacou.

Crédito: Sargento CarleilsonO coordenador da missão e Chefe da Seção de Operações do 7º/8º GAv, Major Leonardo Ell Pereira, informou que o garimpo fica a 85 quilômetros e a 30 minutos de voo da cidade de Apuí. “Além da comitiva, temos 18 militares envolvidos na missão. Lá tem estrada, mas as condições são bem precárias, então a utilização dos helicópteros é primordial para o cumprimento da missão”, revelou.

Além do Ministério Público, participam da iniciativa integrantes da Justiça Federal, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (IPAAM) e de Órgãos de Segurança Pública.