LAAD 2017

Campanha de ensaios do KC-390 vai envolver reabastecimento em voo de helicópteros

Fabricante também indica que cargueiro militar poderá ter versão para uso civil
Publicado: 06/04/2017 15:05
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea, por Tenente Jussara Peccini

Como parte da campanha de testes dos protótipos do avião cargueiro KC-390, a Embraer deve realizar o reabastecimento em voo de helicópteros, uma das missões previstas para quando a frota entrar em operação. A informação foi destacada na quarta-feira (5/4) durante coletiva de imprensa realizada pela fabricante na feira de defesa LAAD 2017, que acontece no Rio de Janeiro.

Embraer divulga primeira imagem da produção em série do KC-390

A empresa apresentou a primeira imagem do primeiro avião destinado à Força Aérea Brasileira (FAB), que adquiriu 28 unidades – conforme contrato assinado em 2014. As primeiras serão entregues em 2018, uma no primeiro semestre e outra no segundo semestre.

Segundo a fabricante, o cronograma de desenvolvimento está dentro do planejado. Os dois protótipos estão cumprindo cerca de dois voos diários, o que contabilizou até o momento mais de 900 horas. Para o próximo ano, estão previstas as certificações da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) e a de capacidade operacional.

Diretor do Programa KC-390 informou que cargueiro poderá ter versão civilAntes disso, também, devem ocorrer os testes no gelo, que começam nos Estados Unidos, com gelo artificial, e depois serão ampliados para operações com gelo natural e finalmente para operações em ambiente com gelo e neve, o que deve ocorrer no próximo ano. O avião deverá atender aos requisitos da FAB de operar na Antártida, que reúne condições climáticas adversas e submete a aeronave a situações extremas de operação.

No calor, o jato já foi aprovado: o avião esteve nos Emirados Árabes, quando suportou temperatura ambiente de 45 graus Celsius. As campanhas também contemplam testes na Amazônia, que apresenta temperatura e umidade altas.

Versão civil - O diretor do programa na Embraer, Paulo Gastão Silva, classificou como “promissor” o interesse pela versão civil do modelo. “Nós também devemos competir com a versão civil deste produto”, afirmou.