SATÉLITE BRASILEIRO

FAB disponibiliza áreas em Brasília, Salvador e Florianópolis para instalações

Área de quase 70 mil m² fica sob responsabilidade da estatal Telebras
Publicado: 30/01/2017 17:14
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea, por Ten Gabrielli Dala Vechia

O Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Nivaldo Luiz Rossato, e o Presidente da Telebras, Antonio Loss, assinaram, nesta segunda-feira (30/01), um termo de cessão de área relacionado à operação do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC), que será lançado em 21 de março.

A Força Aérea Brasileira (FAB) está cedendo uma área total de quase 70 mil m2 nas cidades de Brasília (DF), Salvador (BA) e Florianópolis (SC) para instalações de apoio ao satélite que, além de atender à área de defesa (banda X), também levará banda larga para todo o território brasileiro (banda Ka).

Segundo explica o vice-presidente executivo da Comissão de Coordenação e Implantação de Sistemas Espaciais (CCISE), Coronel José Vagner Vital, são dois terrenos na capital federal, na área onde já está instalada a antena de controle do satélite e outros dois em Florianópolis e Salvador, onde serão construídos os chamados gateways, para comunicação e distribuição de sinal do satélite. “Além da Força Aérea Brasileira, Exército e Marinha també
m irão ceder áreas militares para o projeto, em Campo Grande (MS) e Rio de Janeiro (RJ), respectivamente”, explica.

Apesar da assinatura ter acontecido hoje, a cooperação da Força Aérea com o projeto de lançar um satélite que tenha uso dual, ou seja, civil e militar, existe desde sua concepção. “Isso porque, pela Estratégia Nacional de Defesa, nós, Aeronáutica, somos os responsáveis por fomentar a área espacial brasileira”, afirma o presidente do CCISE, Major-Brigadeiro Fernando Cesar Pereira Santos.
 
O Presidente da Telebras aproveitou a ocasião para reforçar a importância do satélite não só na área de defesa, mas também na inclusão social e digital dos brasileiros. “Nenhuma região do País vai ficar de fora. Já em sua concepção, o objetivo do projeto é ajudar a construir um Brasil mais igual”, explica Loss. “O satélite vai iluminar o País”, finaliza ele.

Para o Comandante da Aeronáutica, esse satélite irá mostrar a importância da questão espacial para o Brasil. Com isso, a população conseguirá entender o que isso representa. “Precisamos mais do que antenas de solo para controlar, por exemplo os quase 17 mil quilômetros de fronteira seca. A melhor solução de que dispomos hoje são os satélites”, disse.
 
Próximos passosO SGDC está em etapa de finalização de testes em Cannes, na França, onde fica a sede da Thales Alenia Space – empresa fornecedora do equipamento. Dia 14 de fevereiro está prevista a chegada do satélite à cidade de Kourou, na Guiana Francesa, onde está o centro espacial de onde vai acontecer o lançamento, em 21 de março.