ENCONTRO

Em SP, palestra apresenta reestruturação da FAB

Comandante da Aeronáutica detalhou principais mudanças a serem consolidadas até 2041
Publicado: 11/10/2016 18:00
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea
Edição: Por, Tenente Flávio Nishimori

Dando prosseguimento ao ciclo de palestras em comemoração ao Dia do Aviador e da Força Aérea Brasileira (FAB), o Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Nivaldo Luiz Rossato, apresentou para aos oficiais da reserva, em São Paulo, o andamento da reestruturação do Comando da Aeronáutica (COMAER). O encontro com a “Turma da Sucata” foi realizado nesta terça-feira (11/10), no auditório do Quarto Comando Aéreo Regional (IV COMAR), na capital paulista. O evento contou com as presenças do ex-ministro de Estado da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Walter Werner Bräuer, e do ex-Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Juniti Saito.

Em cerca de uma hora e meia, o Comandante da Aeronáutica esquadrinhou os principais pontos da reestruturação da FAB, tanto na parte administrativa quanto na organizacional, a serem consolidados até 2041, quando a Força Aérea completa 100 anos.

No início da palestra, o Tenente-Brigadeiro Rossato fez breves considerações sobre alguns itens como as dificuldades de recursos financeiros, horas de voo para a aviação, a consciência da sociedade e governo da importância das forças armadas e os projetos estratégicos.

O Comandante traçou uma linha do tempo das várias etapas históricas da Força Aérea dividindo-as em quatro gerações: a primeira de 1941 a 1966, caracterizada pela integração nacional; a segunda, de1966 a 1991, com destaque para a infraestrutura aeroportuária e o desenvolvimento da indústria aeronáutica; a terceira, de 1991 a 2016, pontuada pelo incremento do comando e controle e pela modernização dos meios aéreos.

“A partir de agora estamos entrando na quarta geração, com uma Força Aérea com grande capacidade dissuasória, operacionalmente moderna e atuando de forma integrada”, afirma.

Na explanação, o Comandante ressaltou que o cenário prospectivo para a reestruturação da FAB contempla a priorização dos recursos humanos, incremento de TI, uso intensivo de tecnologia de ponta como Vant e satélites, estrutura organizacional focada na operacionalidade, alta capacitação, e otimização de processos operacionais, logísticos e administrativos.

As bases para a transformação da FAB estão apoiadas, segundo o Comandante, em dois pilares fundamentais: a concentração das atividades administrativas, com o estabelecimento, por exemplo, dos Grupamentos de Apoio (GAP); e a reestruturação organizacional, com a criação, incorporação e extinção de algumas organizações e unidades militares.

“As vantagens da concentração administrativa são o incremento da eficiência, otimização do emprego dos recursos materiais e humanos, além de unidades focadas em suas atividades-fim”, explica o Tenente-Brigadeiro Rossato.

Já entre os pontos positivos da reestruturação organizacional, conforme explicou o Comandante Rossato, estão a concentração do planejamento e controle operacional no QG do comando de operações; melhoria de eficácia e eficiência nos processos de desenvolvimento de doutrina de emprego; foco na atividade-fim e desoneração das atividades administrativas.

“A reestruturação organizacional, administrativa e operacional vai trazer a otimização de recursos humanos”, destaca o Tenente-Brigadeiro Rossato.

Por fim, o Tenente-Brigadeiro Rossato destacou os projetos estratégicos KC-390 e o Gripen NG como imprescindíveis. Com compensação comercial de 9 bilhões de dólares, o projeto Gripen NG deve gerar 2300 empregos diretos no setor aeroespacial e 14.650 empregos indiretos, incluindo outros setores da economia. O Comandante também ressaltou a importância do Programa Estratégico de Sistemas Espaciais (PESE). “Nós precisamos voltar a olhar para o espaço”, afirma.

As explicações sobre a reestruturação da FAB nos próximos anos dirimiram dúvidas entre os integrantes da Turma da Sucata. O Tenente-Coronel Dentista da reserva, Guerino Antonio Guerra, avaliou de forma positiva as mudanças apresentadas durante o encontro.

“São muitas informações novas. Essa reestruturação demonstra uma grande visão de planejamento, valorizando a otimização de recursos e meios da Força Aérea. Achei bem positivo”, analisa o oficial.