INSTITUCIONAL

Alexandre de Moraes visita unidades de defesa e controle de tráfego aéreo

Ministro destacou a importância da aproximação entre FAB e Ministério da Justiça
Publicado: 11/10/2016 15:20
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea, por Ten Evellyn Abelha

O Ministro da Justiça Alexandre de Moraes conheceu nesta segunda-feira (10/10) o Primeiro Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA I) e o Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (COMDABRA). A visita às unidades da Força Aérea Brasileira, localizadas em Brasília (DF), foi acompanhada pelo Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Nivaldo Luiz Rossato.

No CINDACTA, o ministro conheceu como funciona o gerenciamento do tráfego aéreo civil e militar. A unidade também desenvolve outras atividades operacionais como defesa aérea, meteorologia aeronáutica, busca e salvamento e informações aeronáuticas. Responsável por monitorar uma área de aproximadamente 1,5 milhão de km² na porção central do País, o CINDACTA gerencia o maior fluxo de movimento aéreo do Brasil - cerca de 1.600 por dia.

Alexandre também visitou o COMDABRA, comando conjunto permanentemente ativado para realizar as ações de defesa aérea no País e garantir a soberania do espaço aéreo brasileiro. Na unidade, um dos destaques apresentados ao ministro foi a integração entre as Forças Armadas e órgãos do setor aéreo, de segurança e de inteligência para a defesa e a pronta-resposta nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. Do COMDABRA, foram gerenciadas as atividades de policiamento do espaço aéreo durante o evento.

Além do trabalho conjunto realizado na unidade, outro destaque foi o satélite Eros-B (Earth Remote Observation System-B). As informações do equipamento são recebidas e gerenciadas no COMDABRA. O satélite, cedido por Israel por meio de um acordo bilateral, foi utilizado durante a Olimpíada e hoje é empregado principalmente na vigilância de fronteiras.

Em entrevista, Alexandre de Moraes destacou como a aproximação entre o Ministério da Justiça e a FAB pode beneficiar o Brasil: