RIO 2016

Da periferia à Olimpíada: uma vitória sem medalha

Projeto social incentiva crianças e jovens à prática do esporte
Publicado: 17/08/2016 08:50
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea, por Ten Cynthia Fernandes

O olhar ainda é de um menino, apesar dos 19 anos. O sorriso no rosto também. O sonho de participar de uma Olimpíada – e ser o primeiro brasileiro a levar o badminton para esta competição – foi concretizado. Para o jovem, essa conquista tem o real valor de medalha. O militar da Força Aérea Brasileira (FAB) não conseguiu avançar para as oitavas de final e foi eliminado no último domingo (14/08).

O Sargento Ygor começou a jogar badminton aos três anos, por iniciativa do pai. As primeiras tacadas foram dentro de uma piscina vazia, já que a natação foi descartada. Morador da Comunidade da Chacrinha, em Jacarepaguá, na zona oeste do Rio de Janeiro (RJ), o atleta foi um dos primeiros alunos do projeto social Miratus, uma iniciativa do pai, que incentiva a prática do esporte na periferia para mais de 200 crianças e adolescentes. “Ygor é uma referência para eles. Mais do que qualquer medalha, prefiro que seja um exemplo”, orgulha o pai, Sebastião Oliveira.

Para o atleta, o apoio da FAB vai ser fundamental para conquistar uma melhor posição na próxima Olimpíada. “Quero estar entre os 20 favoritos do mundo. Quero chegar em Tóquio mais forte”, acrescenta.

Confira a matéria sobre o Projeto Miratus: