SEGURANÇA DE VOO

SERIPA V aborda gestão da instrução na aviação civil

Estágio destacou principais problemas relacionados à Aviação de Instrução
Publicado: 19/07/2016 13:30
Imprimir
Fonte: SERIPA V
Edição: Agência Força Aérea, por Ten Emília Maria

O Quinto Serviço Regional de Investigação de Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA V) realizou a quinta edição do Estágio de Padronização da Instrução Aérea (EPIA), nos dias 6 e 7 de julho, em Curitiba (PR). O evento contou com a participação de representantes da comunidade da Aviação de Instrução, reunindo pilotos, instrutores, alunos e membros de aeroclubes, escolas de aviação e faculdades de ciências aeronáuticas.

Os palestrantes falaram sobre temas relacionados aos problemas da Aviação de Instrução, discutiram o perfil do instrutor de voo e alertaram para a necessidade de maior comprometimento da gestão das instituições de ensino para uma supervisão e o acompanhamento do dia a dia da instrução aérea.

Também foram abordados assuntos relacionados ao preenchimento de ficha de voo, aerodinâmica e desempenho de aeronaves de baixa performance, brifim e debrifim, erros mais comuns na aviação de instrução, julgamento e processo decisório.

Na avaliação do Chefe do SERIPA V, Tenente-Coronel Aviador Luís Renato Horta de Castro, a comunidade aeronáutica aceitou a necessidade da padronização da instrução aérea como forma de elevar os índices de segurança. “Realizamos cinco eventos na Região Sul, onde as ocorrências aeronáuticas são relevantes, e houve muita receptividade. A boa notícia é que o EPIA foi recomendado pelo CENIPA para sua adequação às áreas de jurisdição dos demais serviços regionais”, afirmou.

“O EPIA é importante para a padronização da instrução aérea no país”, disse Ricardo Augusto Voltolini, instrutor de voo do Aeroclube de Blumenau (SC). Segundo ele, o gerenciamento da segurança operacional nas instituições de ensino é quase inexistente. “É fundamental que haja mais participação dos dirigentes e que a instrução aérea seja cada vez mais profissional para mitigar o acidente”, alertou.

Lívia Duarte Martins Lacerda Mendes, Diretora da empresa Flydoc Assessoria Aeronáutica, de Goiânia (GO), viu no Estágio muitas informações atualizadas. “Eu acompanho as notícias da aviação como quem atua na bolsa de valores. Meu trabalho é assessorar e orientar pilotos e empresas para estarem em dia com as normas da legislação aeronáutica. O relacionamento no EPIA é de confiança e credibilidade”, destacou.


EPIA – O Estágio que vem sendo realizado pelo SERIPA V desde 2015 será difundido à comunidade aeronáutica de São Paulo e Mato Grosso do Sul. O evento será promovido pelo SERIPA IV (São Paulo), nos dias 17 e 18 de agosto, na Faculdade Anhanguera.

Em outubro, o SERIPA V realizará mais uma edição do Estágio, na região central do Estado do Rio Grande do Sul.

O curso surgiu das experiências de investigações de acidentes e da análise de seus fatores contribuintes e busca influenciar na melhoria do processo ensino-aprendizagem das instituições responsáveis pelo primeiro contato do futuro piloto com a aviação. Além de elevar o nível de profissionalização, o Estágio busca mitigar ocorrências aeronáuticas e reduzir o índice de estatísticas da Aviação de Instrução no Brasil.