RIO 2016

Defesa empregará 21 mil militares diretamente na Olimpíada

Força Aérea será responsável pelo controle do espaço aéreo e atuará nas proximidades do Aeroporto do Galeão
Publicado: 07/07/2016 09:00
Imprimir
Fonte: III COMAR, por Ten Myrian de Aguiar
Edição: Agência Força Aérea, por Ten João Elias

Raul Jungmann explica atuação dos militaresO ministro da Defesa, Raul Jungmann; o ministro da Justiça, Alexandre Moraes; o Chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (CEMCFA), Almirante de Esquadra Ademir Sobrinho; e o Coordenador Geral de Defesa de Área (CGDA), General Fernando Azevedo, participaram de uma coletiva no Comando Militar do Leste, no centro do Rio de Janeiro (RJ), nesta quarta-feira (06/07), para esclarecer as ações de responsabilidade das Forças Armadas dentro do eixo de Defesa Nacional, durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 (JO2016).

Durante a entrevista o ministro Raul Jungmann falou sobre os dispositivos de defesa e de segurança no decorrer dos Jogos. De acordo com ele, 21 mil homens das Forças Armadas vão trabalhar na Olimpíada. “Originalmente a nossa previsão era de que teríamos 18 mil homens trabalhando diretamente na olimpíada. Entretanto, houve uma solicitação do senhor governador Dornelles para que fosse disponibilizado mais efetivo e, então, nós colocamos mais três mil homens. Não vai faltar segurança na Olímpiada do Rio de Janeiro, de forma alguma, de maneira nenhuma”, relatou Jungmann. 

O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, afirmou que a segurança em pontos turísticos ficará a cargo da Polícia Militar. Ele enfatizou que o grande legado da Segurança Pública nos Jogos será a integração entre Força Nacional, Forças Armadas, Polícia Federal, Polícia Estadual, Polícia Civil e Polícia Militar. “Uma integração de planejamento, de execução, pra que nós possamos garantir total segurança, total tranquilidade nos Jogos Olímpicos. Seja para os cariocas, seja para os brasileiros ou estrangeiros que vêm ao Rio de Janeiro assistir à Olimpíada", ressaltou Moraes.

Nesse contexto de trabalho integrado foi criado pelo Ministério da Defesa uma estrutura de Comando Conjunto de Prevenção e Combate ao Terrorismo. “Tudo que existe de Forças Armadas contra terrorismo foi integrado para atuar nos Jogos Olímpicos”, reforçou o Comandante de Operações especiais, General Mauro Sinott.

A Força Aérea Brasileira é responsável pelo controle do espaço aéreo, além de atuar nas proximidades do Aeroporto Internacional do Galeão. “Será proibido o tráfego de aeronaves em uma área de cinco milhas dos locais de competição e concentração de atletas. As exceções são as aeronaves de busca e salvamento, aeromédicas, de segurança pública, da imprensa que vá fazer a cobertura dos eventos. Ninguém mais pode entrar”, relatou o Chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas.

O Exército ficará responsável pelas áreas de competição da Barra da Tijuca e Deodoro, na Zona Oeste, e Maracanã, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Já a Marinha do Brasil atuará na área que se estende da orla de São Conrado, na Zona Sul, até o Caju.

De 15 a 22 de julho, os 21 mil militares das Forças Armadas estarão no Rio de Janeiro em fase final de preparação e reconhecimento de área para que no dia 24 de julho, com a abertura da Vila Olímpica e mediante compromisso firmado com o Comitê Olímpico, todos estejam realmente prontos para atuar na segurança e defesa dos Jogos Olímpicos.