ESPAÇO AÉREO

Aeronáutica prepara estrutura para atender demanda de tráfego aéreo em Parintins (AM)

Movimentos aéreos saltam de cerca de 20 para 300 voos por semana no período do festival
Publicado: 14/06/2016 08:20
Imprimir
Fonte: DECEA, por Denise Fontes
Edição: Agência Força Aérea, por Ten Jussara Peccini

    O Festival de Parintins, evento realizado a cerca de 370 km de Manaus (AM), faz os movimentos aéreos do Aeroporto Júlio Belém, na cidade às margens do Rio Amazonas que dá nome ao evento, saltarem de 22 para 300 voos semanais. “Temos uma previsão de 1.263% de acréscimo de movimentos aéreos”, explica o comandante do Destacamento de Controle do Espaço Aéreo Eduardo Gomes (DTCEA-EG), Capitão Carlos Eduardo Azevedo Alvares.

Os números estimados para o evento programado para o próximo fim de semana (de 24 a 26 de junho) motivam as medidas da Aeronáutica para a segurança das operações aéreas na região.

  O Quarto Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA IV), unidade da Aeronáutica para gerenciar o tráfego aéreo em toda a região Norte do País, preparou uma estrutura para prover os serviços de navegação aérea e controle de tráfego aéreo durante o evento. A operação para atender as demandas do boi bumbá é realizada desde 1995.

A estrutura composta pelo Controle de Área de Terminal (APP) e Torre de Controle (TWR) é ativada pelo CINDACTA IV. O aeródromo passa a ser monitorado e coordenado pelo Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA), localizado no Rio de Janeiro (RJ), para que a capacidade de operações previstas não seja ultrapassada.

  A montagem e a operação conta com 30 militares somente do CINDACTA IV, entre técnicos de eletrônica, controladores de tráfego aéreo, engenheiros, meteorologistas e especialistas em informações aeronáuticas. “O suporte técnico-operacional é fundamental, uma vez que garante o controle de tráfego aéreo naquele aeródromo, contribuindo para a fluidez e a segurança das operações aéreas durante o evento”, explica o comandante da CINDACTA IV, Coronel Carlos Henrique Afonso Silva.

Treinamento extra - A montagem da estrutura operacional, iniciada na semana passada (08/06), inclui a instalação de equipamentos de telecomunicações, preparação do ambiente da torre de controle, da sala de informações aeronáuticas e da estação meteorológica de superfície.

  Em paralelo ao trabalho da área técnica em Parintins, os controladores de tráfego aéreo que participarão da operação treinam simulações das condições que terão de gerenciar, como procedimentos de emergência utilizando medidas de Serviço de Gerenciamento de Fluxo de Tráfego Aéreo, separação convencional e meteorologia desfavorável.

“O objetivo é que os controladores possam se familiarizar com a circulação aérea da zona de controle de Parintins e estejam devidamente capacitados para lidar com o aumento do fluxo de tráfego aéreo durante o evento”, afirma o Capitão Alvares.

O Grupo Especial de Inspeção em Voo (GEIV) fará a aferição da qualidade dos sinais recebidos pelos auxílios à navegação aérea, assegurando a sua operacionalidade.