HOMENAGEM

Ministro da Defesa destaca heroísmo e abnegação dos peacekeepers em solenidade no DF

Cerimônia ocorreu no Grupamento de Fuzileiros Navais de Brasília
Publicado: 30/05/2016 16:20
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea, por Tenente Flávio Nishimori

“Estendo a todos vocês meu reconhecimento e admiração pelo heroísmo e abnegação com que cumprem cada dia de suas missões”. Com essas palavras o ministro da Defesa, Raul Jungmann, saudou os peacekeepers na solenidade em homenagem ao Dia Internacional dos Mantenedores da Paz das Nações Unidas (ONU) - celebrado mundialmente no dia 29 de maio. A cerimônia, realizada no Grupamento de Fuzileiros Navais de Brasília, contou também com a participação do Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Nivaldo Luiz Rossato.

O ministro da Defesa ressaltou a participação do Brasil nas missões de paz ao longo das últimas décadas e destacou a contribuição direta do País para a formação dos contingentes de 40 missões de paz da ONU, com o envio de 51 mil militares ao exterior. “Atualmente, cerca de 1.200 brasileiros da Marinha, do Exército e da Força Aérea participam de diversas missões de paz das Nações Unidas ao redor do mundo”, disse o ministro.

O Brasil contribui atualmente com tropas no Haiti e no Líbano e participa, com missões individuais, das operações no Saara Ocidental, na Libéria, na República Centro-Africana, no Sudão, no Sudão do Sul, na Guiné-Bissau, na Costa do Marfim e no Chipre. Além disso, lidera a Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (MINUSTAH) desde 2004.

“Isso tem sido motivo de largo reconhecimento internacional e alçou a dimensão de nossa participação em operações de paz a um novo patamar”, frisou o ministro da Defesa.

A Força Aérea Brasileira (FAB) conta com 12 peacekeepers atuando em cinco missões de paz espalhadas pelo mundo, entre elas no Haiti, Costa do Marfim, Sudão, Sudão do Sul e Saara Ocidental. “A participação do Brasil nessas missões é muito importante. No âmbito da Força Aérea, o envio de nossos militares para essas operações, além da ajuda prestada a esses países, reverte em conhecimento que é repassado ao efetivo”, explica o Comandante da Aeronáutica,Tenente-Brigadeiro do Ar Rossato.

Um dos peacekeepers que participaram da cerimônia foi o Coronel de Infantaria Marcelo de Oliveira. O oficial serviu na missão de paz no Haiti entre novembro de 2012 e junho de 2013. “Poderia traduzir a ida ao Haiti como a missão da minha vida. É uma oportunidade de retribuir todo o investimento feito em nossa carreira em uma missão real em prol de quem precisa”, sintetizou o Coronel Oliveira, atualmente servindo no Comando-Geral de Operações Aéreas (COMGAR).

Peacekeepers - A celebração do Dia Internacional dos Peacekeepers relembra o dia 29 de maio de 1948, quando foi enviada a primeira Missão de Paz das Nações Unidas com o objetivo de monitorar o cessar-fogo, prevenir a escalada de novos conflitos e supervisionar os acordos de paz da guerra árabe-israelense.

Desde então, os capacetes azuis da ONU, como são conhecidos, atuaram em 71 missões buscando não apenas o fim das hostilidades, mas trabalhando também para a criação de instituições políticas, na reforma de sistemas judiciais, na reforma de sistemas de segurança, no desenvolvimento de programas de desarmamento, desmobilização e reintegração de ex-combatentes, promovendo assistência humanitária, o respeito aos direitos humanos e auxiliando na realização de eleições.

Atualmente, os peacekeepers brasileiros trabalham em nove das 16 operações de paz da ONU.

Veja como foi a solenidade em homenagem ao Dia Internacional dos Peacekeepers em Brasília: