AJUDA HUMANITÁRIA

Esquadrão Arara cumpre missão no Equador e retorna ao Brasil com repatriados

O esquadrão prestou apoio com o transporte de vacinas, remédios e material hospitalar
Publicado: 03/05/2016 13:00
Imprimir
Fonte: VII COMAR, por Ten Lorena Molter
Edição: Agência Força Aérea, por Ten Iris Vasconcellos

1°/9° GAv retorna ao país após apoio ao Equador  Tenente LorenaUma aeronave C-105 Amazonas do Esquadrão Arara (1°/9° GAV) concluiu, no último domingo (01/05), a missão de apoio ao Equador e retornou ao Brasil trazendo a bordo um grupo de repatriados. A equipe da Força Aérea pousou no Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, sediado na zona oeste de Manaus.

O Esquadrão decolou rumo a Quito, capital do Equador, no dia 23 de abril, carregado com vacinas, remédios e materiais de uso hospitalar. O objetivo foi prestar apoio à população do país, que foi atingido por um terremoto no dia 16 de abril deste ano.

O jornalista goiano Gilson Dantas Carmini voltou para o Brasil na aeronave da Aeronáutica. No avião também vieram sua esposa e seu filho de oito anos. A família morava no Equador há dois anos e três meses. “Ficamos assustados. Depois do terremoto, não ficamos confiantes. Durante 45 dias após o tremor, ainda podem ocorrer novos terremotos. Graças a Deus a FAB e a embaixada agiram rápido”, disse.

Esquadrão Arara cumpre missão de apoio ao Equador  Tenente LorenaDe acordo com o Tenente Aviador Maurício Siqueira do Espírito Santo, que participou da missão, a ida do Esquadrão Arara ao Equador foi uma forma de levar alívio para os equatorianos. “Não podemos controlar um fenômeno natural e impedir um terremoto, mas podemos ajudar a população e diminuir o sofrimento dela”, disse.

O Suboficial Dilson Lopes, integrante da tribulação do Esquadrão Arara, falou sobre o trabalho da equipe da Força Aérea e descreveu a situação do Equador. “Trabalhamos o máximo para ajudar. Estávamos levando esperança. Essa missão foi bastante expressiva pelas consequências do terremoto. Havia muitos mortos e pessoas desabrigadas. Víamos no semblante das pessoas que elas não acreditavam no que havia acontecido”, disse.