AJUDA HUMANITÁRIA

Em cinco dias, FAB transporta 21 ton de alimentos e medicamentos no Equador

Também foram retiradas cerca de 450 pessoas da região de Manta, uma das cidades mais atingidas pelo terremoto
Publicado: 29/04/2016 08:00
Imprimir
Fonte: 1º/9º GAV
Edição: Agência Força Aérea, por Ten João Elias

  A Força Aérea Brasileira (FAB) transportou, em cinco dias, mais de 21 toneladas de mantimentos e materiais hospitalares para a população de Manta, no Equador, uma das cidades atingidas pelo terremoto. Também já retirou cerca de 450 pessoas desabrigadas da área de risco. As ações estão sendo realizadas pelo Esquadrão Arara (1º/9º GAV), sediado na Base Aérea de Manaus (BAMN).

“É notório nos olhos dos equatorianos a tristeza pela situação vivida. Por diversas vezes transportamos para Quito pessoas que estavam desabrigadas e que dependiam da nossa ajuda para sair da região de risco", constata o Comandante do Arara, Tenente-Coronel Aviador Alexandre Moutta da Silva.

A cidade de Manta, um dos principais destinos turísticos e uma das cidades mais afetadas pelos tremores, foi a escolhida pela coordenação do Equador para receber o apoio prestado pelo Brasil.

  A equipe decolou no último sábado (23) para apoiar o país que já contabiliza mais de 500 mortos e dois mil desabrigados. A chegada na capital Quito foi marcada pelo enfrentamento de condições climáticas adversas pouco encontradas no Brasil, como sobrevoo sobre cordilheira a mais de 2.850 metros de altura e com baixa ou nenhuma visibilidade.

Em 2015, o Major Tito Lívio Lúcio Alencar de Andrade, piloto do Esquadrão Arara, trabalhou por seis meses como instrutor da Força Aérea Equatoriana. A experiência de intercâmbio foi muito útil nesta missão de ajuda humanitária, com orientações e experiências sobre como transpor todas as dificuldades. “A região na qual estamos operando neste apoio humanitário possui suas peculiaridades como grande altitude e clima bem diferente em relação ao que estamos acostumados. Por isso, o preparo de missão é ainda mais criterioso”, explicou.