HOMENAGEM

Cerimônias militares homenageiam a aviação de caça do Brasil

Durante a solenidade foram entregues troféus e medalhas aos profissionais que se destacaram no ano de 2015
Publicado: 23/04/2016 11:00
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea, por Ten João Elias

A pira foi acesa pelo Tenente Ribeiro  Sgt Johnson / Agência Força Aérea A Força Aérea Brasileira (FAB) realizou nessa sexta-feira (22/04), na Base Aérea de Santa Cruz (BASC), no Rio de Janeiro, duas cerimônias militares e uma demonstração operacional para homenagear o passado e o presente da aviação de caça. A data relembra o dia histórico em 1945, quando o recente criado Primeiro Grupo de Aviação de Caça (1° GAVCA) realizou o maior número de surtidas em um único dia na Segunda Guerra Mundial. As solenidades contaram com a presença do Ministro de Estado da Defesa, Aldo Rebelo; do Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Nivaldo Luiz Rossato; de oficiais-generais do alto-comando da Aeronáutica, além de outras autoridades militares.

“A participação da Força Aérea na segunda guerra mundial foi muito importante porque foi nela que começamos com essa postura de defesa do espaço aéreo e dos nossos interesses”, explicou o Tenente-Brigadeiro Rossato.

Diversas autoridades participaram das cerimônias  Sgt Johnson / Agência Força Aérea Inicialmente, foi realizada a Cerimônia do P-47. Durante a solenidade o aviador mais moderno do 1° GAVCA, Tenente Felipe Coelho Ribeiro, acendeu a pira que simboliza a chama do ideal, presente no espírito do piloto de caça.

“Para mim é um orgulho estar representando a nova geração dos pilotos de caça e ter a oportunidade de estar nesse dia tão importante para toda a aviação”, disse o Tenente Ribeiro.

Em seguida, foram lidos os nomes e realizada uma salva de tiros para homenagear cada um dos nove veteranos falecidos durante a guerra. Ainda durante a cerimônia, o Ministro Aldo Rebelo, acompanhado do Tenente-Brigadeiro do Ar Rossato e do veterano de guerra Major João Rodrigues Filho, depositaram flores no túmulo do Brigadeiro do Ar Nero Moura, primeiro comandante do GAVCA. O major também hasteou a “Flâmula do Jambock”, que foi utilizada nos acampamentos durante a Campanha da Itália.

Logo depois, foi realizada a Cerimônia Militar Alusiva ao Dia da Caça, com a entrega do Prêmio Pacau Magalhães Mota, instituído pela Associação Brasileira dos Pilotos de Caça, aos militares vencedores do concurso anual de trabalhos literários relativos a assuntos de interesse da aviação.

  Ainda durante a cerimônia, foi concedida a Medalha Mérito Operacional Brigadeiro Nero Moura e os Troféus de Unidade Aérea mais Eficiente e Piloto Mais Eficiente aos que se destacaram em suas áreas. O Major Adalberto de Rezende Rocha Júnior, do Esquadrão Guardião (2°/6° GAV), foi um dos homenageados. “Esse prêmio é um reconhecimento à dedicação que nós pilotos temos dentro do esquadrão”, disse.

Em seu discurso, o Ministro Aldo Rebelo ressaltou a ampliação da capacidade da aviação de caça com a chegada da futura aeronave, Gripen NG. “O Brasil procura oferecer à Força Aérea com o projeto Gripen de Nova Geração exatamente o equipamento à altura da capacidade, da história e das tradições da aviação de caça para que nós tenhamos em pouco tempo o caça à altura das exigências e das necessidades da defesa do espaço aéreo e das águas jurisdicionais do Brasil”, enfatizou.

  Posteriormente, o Tenente Ribeiro passou às mãos do veterano de guerra, Capitão da reserva Osias Machado da Silva, o estandarte que tremulou nos céus da Itália, simbolizando os caçadores do presente, reverenciando os heróis do passado e inspirando os guerreiros do futuro. “Receber esse estandarte é uma alegria e um reconhecimento a todo o nosso trabalho realizado durante a guerra”, destacou o participante da guerra que, atualmente, está com 90 anos.

Em seguida, a tropa composta pelos grupamentos da BASC, dos pilotos de caça, de caçadores da ativa e da reserva, dos ex-integrantes do 1° GAVCA, de veteranos da guerra participaram do desfile militar. A cerimônia contou ainda com a apresentação do Grupo de Ordem Elite da Escola de Especialistas da Aeronáutica (EEAR).

Para finalizar as celebrações foi realizada uma demonstração operacional com o emprego de Unidades Aéreas de Combate. Inicialmente aeronaves F-5M atacaram um alvo simulado lançando bombas de 500 libras, soltando, em seguida, “flare”, demonstrando a capacidade de autodefesa contra os mísseis de guiagem infravermelha. Logo depois, um outro alvo foi atacado por aeronaves A-1M com bombas de 500 libras. Por fim, as aeronaves A-1M realizaram a modalidade de Tiro Terrestre com seus canhões de 30 mm, atingindo o alvo de número três.

Veja abaixo a entrevista com o Comandante da Aeronaútica.

Para saber mais sobre a aviação de caça do Brasil, veja aqui uma reportagem multimídia.

imagens/original/28949/160422joh1027_johnson_barros.jpg
imagens/original/28949/160422joh1547_johnson_barros.jpg