AEDES AEGYPTI

“Forças Armadas devem continuar no auxílio ao combate do mosquito”, afirma ministro

Militares da FAB realizaram palestras de conscientização de estudantes em diversas capitais nesta sexta-feira (19/02)
Publicado: 19/02/2016 14:56
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea/BAFL/BASV/BANT/CLA

  Agência Força Aérea/ Sargento Batista

As Forças Armadas devem continuar no auxílio de combate ao Aedes aegypti. A declaração foi feita nesta sexta-feira (19/02) pelo ministro da Saúde, Marcelo Castro, em Brasília (DF), durante a visita a uma escola no “Dia Nacional de Mobilização da Educação Contra o Zika”. Acompanhado do governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, o ministro deu uma palestra para os alunos da escola Ciman sobre as doenças transmitidas pelo mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika.

“É um trabalho ininterrupto e para isso nós vamos precisar não só da mobilização da sociedade, mas de todo o governo. Uma parte importante são as Forças Armadas. O Exército, a Marinha e a Aeronáutica estão conosco nessa grande luta, nessa grande causa nacional de livrar o país desse mosquito”, afirmou.

Em sua conversa com os alunos, o ministro apresentou alguns dados sobre o mosquito e as doenças provocadas por esse vetor. De acordo com ele, 113 países convivem com a dengue perfazendo atualmente de 2,5 a três bilhões de pessoas. “A situação no Brasil é muito grave. Só temos um caminho a trilhar. É eliminar o mosquito”, ressaltou Castro.

O ministro da Saúde salientou a importância do emprego das Forças Armadas tanto na mobilização quanto no combate efetivo, corpo a corpo, contra o Aedes. “Além da ação efetiva ajudando os agentes a eliminar os criadouros do mosquito, há também esse grande apelo das Forças Armadas, por ser uma das instituições mais admiradas e respeitadas do país”, explica.

O governador Rodrigo Rollemberg também destacou a credibilidade das Forças Armadas como um fator de grande importância para o combate do Aedes no DF. “A palavra de um militar da Aeronáutica, do Exército e da Marinha tem muita força. A confiança da população garante a abertura de suas residências para que possa ser feita a identificação de um foco de dengue e orientar as pessoas”, afirma o governador.

Rede de educação - De acordo com o Ministério da Educação, o dia de mobilização será dedicado à mobilização de estudantes, professores, servidores técnicos e pais de todos os estabelecimentos de ensino do país, incluindo as 188.673 escolas de educação básica, as 63 universidades federais, os 40 institutos federais e Centros Federais de Educação Tecnológica. A iniciativa terá participação das secretarias estaduais e municipais de educação, além das Forças Armadas.

A mobilização dá prosseguimento ao proposto no Pacto da Educação Brasileira contra o Zika, firmado no início do mês entre o MEC, demais representantes do governo federal, de estados e municípios, além de instituições e organizações públicas e particulares.

A expectativa é usar o alcance das redes federal, distrital, estaduais e municipais de educação, em todos os níveis, da pré-escola à pós-graduação, para levar informações sobre as formas de extermínio do mosquito e identificação da doença. O MEC disponibiliza material didático para ser utilizado em sala de aula, além de apoiar a produção científica e a pesquisa sobre o vetor e as suas doenças. 

Veja como foram as ações em outros pontos do país:

  São Paulo (SP) - O ministro da Defesa, Aldo Rebelo, acompanhou a mobilização no Centro Educacional Unificado (CEU) Heliópolis, zona sul da capital paulista. "As crianças constituem um elemento de mobilização das suas famílias. Elas chegam em casa e alertam os pais, as mães, os avós, os irmãos, os familiares, os irmãos da campanha que viram nas escolas, do alerta dos professores, dos agentes de saúde, das Forças Armadas no sentido de que todos têm que estar mobilizados para remover dentro de casa. Se não houver a remoção dentro de casa, o esforço frágil", afirmou Rebelo.

O ministro ainda comentou os números elevados de focos identificados na região de Guarulhos (SP). Ontem (18/02), ele acompanhou a visita de militares da Aeronáutica a 1,8 mil residências na cidade. "As estatísticas comprovam que a maior parte dos focos está dentro de casa e precisa ser removida", afirmou. Ouça entrevista coletiva aqui.

BAFL na Escola 02  S1 CARRARO

Florianópolis (SC) - Militares da Base Aérea de Florianópolis (BAFL), agentes de saúde e professores realizaram uma ação conjunta de conscientização e motivação com os alunos da escola de Ensino Básico Municipal Brigadeiro Eduardo Gomes, na capital catarinense, na quinta-feira (18/02).

Cerca de 200 alunos assistiram a uma peça de teatro onde foi explicado como realizar os cuidados em casa e conscientizar a família sobre ações de combate ao vetor e também receberam folders explicativos. Ao som de paródias sobre o mosquito, a Banda de Música da BAFL empolgou.

“Por meio das crianças é que conseguimos conscientizar os adultos”, disse Fernanda Aparecida de Oliveira, supervisora da escola.

“O envolvimento dos estudantes faz com que a comunidade se torne parceira no combate aos focos de proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, chikungunya e zika, pois os alunos são multiplicadores junto aos seus familiares, vizinhos e amigos. Somente com participação de toda a comunidade é que venceremos esta luta’’, afirmou o Capitão Aviador Antonio Pereira Damasceno Neto.

  BANTRio Grande do Norte - Oficias da Aeronáutica ministraram palestras para alunos do ensino fundamental e médio nos municípios de São Paulo do Potengi e Nova Cruz, localizados no agreste potiguar, além de Parnamirim, na região metropolitana de Natal.

O objetivo é alertar sobre o perigo que o mosquito representa para a sociedade e como impedir sua proliferação e torná-los multiplicadores. "Eles podem tanto ajudar no combate ao mosquito, quanto cobrar dos pais, familiares e adultos que se mobilizem, fazendo com que eles mudem de comportamento e passem a se preocupar com isso, para dar o bom exemplo ao filho", afirmou a Tenente Renata Campos Wanderley Melo.
Para ela, o objetivo é conscientizar as crianças e adolescentes para que se tornem multiplicadores das orientações e cuidados necessários ao enfrentamento do Aedes.

Em Nova Cruz, as palestras às escolas também começaram na quinta (18/02). De acordo com o Prefeito, Cid Arruda Câmara, a cidade enfrenta uma situação de epidemia do vetor, por isso parcerias que visem esclarecer a população são importantes: "a vinda da Força Aérea, instituição de grande credibilidade, vai mostrar à população que a situação é grave e que é necessário o empenho de todos", afirma Cid Arruda. 

  VII COMARManaus (AM) - As ações da Guarnição de Aeronáutica de Manaus da quarta fase da Campanha Nacional de Combate ao Aedes, nesta sexta-feira (19/02), estão sendo realizadas em escolas municipais das zonas norte e sul da capital amazonense.

Mais de 2 mil alunos do Ensino Fundamental I e II (1° ao 9° ano), de 11 escolas, vão assistir a palestras e aprender a reconhecer focos do mosquito. Os militares da Força Aérea também apresentam vídeos e fazem dinâmicas com os estudantes.

Os colégios visitados hoje estão localizados nos bairros Betânia, Colônia Oliveira Machado, Crespo, Educandos, Morro da Liberdade, Raiz, Santa Luzia, São Lázaro, localizados na Zona Sul de Manaus, e Colônia Terra Nova, Lagoa Azul e Santa Etelvina, na Zona Norte da cidade.

A abertura da fase de Conscientização e Motivação de Estudantes nas Escolas ocorreu na capital do Amazonas esta manhã na Escola Municipal Leonor Uchôa Amorim, localizada no bairro São José, zona leste de Manaus, e reuniu 700 pessoas entre alunos, professores e autoridades civis e militares.

  BASV

Salvador (BA) - Mais de 500 alunos assistiram à apresentação da Banda de Música da Base Aérea de Salvador no Colégio Helena Mateus, localizado em São Cristóvão, próximo ao aeroporto. O evento marcou a participação da Força Aérea Brasileira no Dia Nacional de Mobilização da Educação contra o Zika na capital bahiana.

A ação é a quarta fase da mobilização nacional de Combate ao mosquito Aedes aegypti. Diversas escolas de Salvador e região metropolitana estão envolvidas com o objetivo de alertar professores, alunos e funcionários para a necessidade de prevenir e combater os focos do mosquito transmissor de dengue, zika e febre chikungunya.