AEDES AEGYPTI

Cerca de 400 soldados da FAB combatem mosquito no DF e GO

Em Vicente Pires, no DF, militares encontraram vários possíveis focos do mosquito em residências
Publicado: 17/02/2016 16:45
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea/ BAAN

Militares da Força Aérea Brasileira (FAB) participam, nesta semana, da terceira fase de mobilização nacional contra o Aedes aegypti. Nesta quarta-feira (17/02), cerca de 400 soldados foram às ruas no Distrito Federal e Anápolis (GO) em busca de focos do mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika. 

No Distrito Federal (DF), militares do Batalhão de Infantaria da Aeronáutica Especial de Brasília (BINFAE-BR) estiveram em duas frentes. Na primeira, com 40 soldados, foram visitadas residências na área de condomínios da cidade de Vicente Pires, distante cerca de 20 km da Esplanada dos Ministérios. Na outra, com 200 militares, as ações se concentraram na região administrativa de Itapuã, a cerca de 15 km de Brasília.

Em Vicente Pires, região administrativa do DF, os soldados encontraram vários possíveis focos do mosquito em diversas residências. Os locais foram tratados e as larvas recolhidas para análise. A campanha de conscientização, realizada na semana passada, facilitou o trabalho dos militares. “A maioria da população nos recebe bem e até pede para que façamos a vistoria na casa. Apesar disso, as residências fechadas ainda continuam sendo um grande problema, pois não conseguimos combater o mosquito”, ressalta o soldado Sidnei dos Santos Jr.

Anapólis (GO) - Em Goiás, a ação envolve cerca de 170 militares da Base Aérea de Anápolis (BAAN). Em auxílio aos agentes de saúde do Controle de Endemias da Secretaria Municipal de Saúde, os militares visitam os bairros determinados pelo órgão, realizando vistorias nas casas e localizando possíveis focos do mosquito.

FAB_BAAN_combateaedes_2016_06A presença dos militares contribui de forma positiva, como relata a Supervisora de Controle de Endemias, Patrícia Severino da Silva Godoi. “Faz toda diferença, a receptividade é muito melhor. Não estamos encontrando nenhum tipo de recusa. O pessoal está abrindo as portas para todo mundo. O trabalho em conjunto sempre é válido”, salienta.

Apesar de, em muitas casas visitadas, os moradores afirmarem que fazem sua parte, há ainda apreensão. “Eu e minhas duas filhas já tivemos dengue. Eu tenho três netos e fico com medo por eles. A gente cuida, mas e se o vizinho do lado não cuidar? Por isso eu acho importante a Força Aérea participar desse combate, porque ajuda muito a conscientizar as pessoas”, explica Maria Aparecida Maranha, moradora do Bairro Alexandrina.

Assista à reportagem da ação da equipe da FAB no Distrito Federal: