AEDES AEGYPTI

Ministro da Defesa explica atuação das Forças Armadas contra o mosquito

Cerca de 220 mil militares entrarão em ação em 350 municípios de todas as regiões do País
Publicado: 12/02/2016 10:35
Imprimir
Fonte: Ministério da Defesa

  O ministro da Defesa, Aldo Rebelo, detalhou nesta quinta-feira (11/02) a campanha de mobilização contra o mosquito Aedes aegypti que será realizada neste sábado (13/02), em todo o Brasil. A partir das 8h, cerca de 220 mil homens e mulheres da Marinha, do Exército e da Aeronáutica entrarão em ação em cerca de 350 municípios de todas as regiões do País com o intuito de mobilizar a população. Segundo ele, cerca de 4 milhões de panfletos serão distribuídos com o intuito de alertar as pessoas sobre a importância de eliminar qualquer foco de proliferação do mosquito.

"Nós levaremos à população folhetos com medidas que devem ser adotadas pelas famílias dentro de suas residências. Os militares vão bater às portas das casas e fazer um trabalho de esclarecimento e orientação, criar uma consciência elevada sobre o problema”, disse.

Além das Forças Armadas, a ação desse dia 13 também envolverá representantes do governo federal, Estados e municípios. O ministro da Defesa estará em São Paulo (SP), onde se reunirá com os comandantes das três Forças Armadas, do Comando Militar do Sudeste, do 8º Distrito Naval e IV Comando Aéreo. Da capital paulista, ele seguirá para Campinas (SP) e, junto com o governador Geraldo Alckmin, participará de atividades de combate ao mosquito programadas pelo governo local.

 
O ministro lembrou que, apesar de o problema do Zika vírus estar sendo cada vez mais divulgado, às vezes, algumas pessoas ainda olham para a questão como algo distante, que não deverá atingi-las. “A mobilização do dia 13 é para despertar que isto é um problema de todos nós. A população tem que fazer sua parte, que é limpar sua casa e fazer isso permanentemente. Não adianta nada eu fazer a minha parte, se o meu vizinho não está fazendo", esclareceu.

Dando continuidade à campanha das Forças Armadas de enfrentamento ao mosquito, a etapa seguinte contará com 50 mil militares em uma ação direta de combate ao mosquito Aedes e não apenas de orientação, envolvendo desde a aplicação de larvicidas e inseticidas ao acompanhamento dos agentes de saúde.