AEDES AEGYPTI

Unidades da FAB em SP, MS, AM e RR realizaram ações de prevenção e combate

Ações foram intensificadas em unidades da FAB nesses estados e no dia 13 os militares irão para as ruas em ações para a população
Publicado: 04/02/2016 17:50
Imprimir
Fonte: IV COMAR/VII COMAR/BABV/BACG

Cerca de 6 mil militares da Força Aérea Brasileira de unidades da área do Quarto Comando Aéreo Regional (IV COMAR), localizadas nos estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul, participam de ações de combate ao mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika vírus. Estão sendo realizadas ações de conscientização de todo o efetivo e moradores de vilas militares e combate in loco de focos de proliferação do mosquito, em varreduras em toda área Aeronáutica, limpeza de calhas, vedação de fossos e caixas d´água.

Além das ações internas, o efetivo está sendo preparado para atuar junto à comunidade local no esclarecimento para o combate. De acordo com o Coronel Dentista Marcos Aricieri Ribeiro, Chefe do Serviço Regional de Saúde, serão ministradas palestras ao efetivo com o intuito de aprofundar o assunto e dirimir dúvidas. "Como nossos militares farão a conscientização da população, as palestras são importantes para que tenham todas as informações sobre combate à proliferação, fases de desenvolvimento do mosquito e sintomas das doenças transmitidas", pontua o Coronel Ribeiro.

Segundo o Coronel Jayme Ferreira Junior, Chefe do Estado-Maior do IV COMAR e Coordenador-Geral da atuação da FAB em São Paulo e Mato Grosso do Sul, a ação é uma cooperação entre diversos órgãos dos Governos Federal e Estaduais e Municipais e Forças Armadas. "Neste primeiro momento estamos conscientizando nossos militares e eliminando possíveis focos do mosquito em nossas organizações. No dia 13, nossos militares farão o trabalho de conscientização da sociedade quanto à gravidade do problema e procedimentos para evitar criadouros do mosquito transmissor", sintetiza o Coordenador da ação da FAB na região.Militares da BASP combatem focos de proliferação  S1 Queiroz/BASP

Em São Paulo e no Mato Grosso do Sul, a atuação da FAB se concentrará nas regiões do entorno de aeródromos e de organizações da Força Aérea Brasileira. "Na capital paulista, por exemplo, os moradores dos bairros do Cambuci, Jabaquara e Santana receberão visitas dos militares da FAB e faremos ação de conscientização nos Aeroportos de São Paulo e Guarulhos", afirma o Coronel Jayme. Os militares que já participam dessas ações contra o mosquito Aedes Aegypti entendem a importância de ajudar o país no combate a este mal.

Ação na Base Aérea de Campo Grande (BACG) focou nas áreas comuns e vilas militares - Nos dias 03 e 04 de fevereiro, mais de cem militares realizaram coleta de entulhos nas vilas residenciais da BACG e, na sexta-feira (05/02), a ação continua com uma varredura nos quintais, calhas, lixos, construções e áreas comuns da BACG e das vilas. Até o momento, foram recolhidos 54 m³ de materiais, como lixos, restos orgânicos de árvores e entulhos de construções.

  O Suboficial Vilson Roberto Callegário, à frente desta mobilização, esclareceu que “a parte fundamental do trabalho foi a colaboração dos moradores que contribuíram retirando os entulhos de suas casas para que nossas atividades tivessem êxito”. Para a Agente de Endemias do Município, Marlene de Carvalho, “essa ação é um pontapé inicial para que consigamos eliminar o mosquito, mas a população deve estar consciente de que este trabalho é contínuo”, disse Marlene.

Além desta ação de combate, será realizada também uma palestra de conscientização para os militares e seus familiares que incluirá oficinas para a visualização dos ambientes facilitadores para a proliferação dos mosquitos, principalmente dentro das residências.

O Norte do País também realizou mutirão - Na manhã desta quinta-feira (04/02), cerca de 400 militares do Sétimo Comando Aéreo Regional (VII COMAR) realizaram um mutirão para combater o mosquito Aedes Aegypti. Durante a iniciativa, foram inspecionadas as áreas da organização, do Aeroporto Militar de Ponta Pelada e seu entorno, localizados na Zona Sul de Manaus (AM).

A Sargento Thaís Correia do efetivo do VII COMAR disse considerar o combate ao Aedes um dever de todos. “A inciativa é boa porque é um problema social e vai além da organização. É nosso dever, como cidadão, contribuir. Para quem não sofre o problema, parar algumas horas do trabalho para buscar os focos do mosquito pode parecer algo insignificante. Mas quem sofre com as doenças causadas pelo Aedes sabe da importância desse trabalho”, disse.

  Para participar do mutirão, o efetivo do VII COMAR passou por um treinamento. A ideia era apresentar aos militares, por meio de uma palestra, o que eles deviam procurar e onde procurar. O objetivo da iniciativa foi capacitar o efetivo para reconhecer e eliminar os criadouros do mosquito. A atividade foi realizada em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de Manaus (SEMSA).

Segundo o Aspirante a Oficial Eric Teixeira, durante a capacitação foi possível perceber que ainda temos muito a aprender sobre o combate ao mosquito. Nós temos, a princípio, a ideia de que somos conhecedores do assunto, porém, quando estamos em contato com o técnico ou pessoa responsável pela área, surgem dúvidas sobre o assunto, como, por exemplo, se na água suja o mosquito se prolifera. Jamais imaginei que a bandeja de ar condicionado poderia acumular água e fosse foco. Fiquei impressionado que, em nossa própria casa, existem focos que jamais imaginaríamos encontrar, ou seja, há um descaso com a nossa própria casa e a preocupação apenas com a casa do vizinho. Os cuidados começam em nossa casa”, disse.

De acordo com a Chefe do Setor de Educação em Saúde e Mobilização Social da SEMSA, enfermeira Laura Cristina Pacheco, palestras de conscientização de combate ao Aedes no ambiente de trabalho trazem benefícios para organizações e funcionários. “Obtemos um ambiente de trabalho mais saudável e diminuímos a infestação de mosquitos nas organizações. Também diminui o afastamento por motivo de saúde”, disse.

Já a Base Aérea de Boa Vista (BABV) iniciou o mês de fevereiro focada no combate ao mosquito Aedes Aegypti. No primeiro dia do mês realizou uma série de palestras para seu efetivo, para conscientizar sobre o tema. No dia seguinte (02/02), fez um mutirão por toda a extensão da unidade buscando possíveis focos de proliferação do mosquito. A ação contou, ainda, com a participação dos familiares dos militares, que realizaram uma varredura nas vilas onde residem. A área soma 176 mil metros quadrados.

Militares da BACG realizam varredura contra mosqui  S2 Rafael dos Anjos / BACG“Esse tipo de trabalho é muito importante para conscientizar os militares de nossa Organização e, também, seus familiares, transformando todos em agentes multiplicadores na guerra contra o Aedes Aegypti” comentou a Sargento Andressa do Nascimento Santos, que participou do mutirão.

 

A ação foi coordenada pelo Coronel Regis Augusto Azevedo Peroba, Comandante da BABV, que ressaltou ao efetivo a necessidade de engajamento de todos nessa missão.“Apesar da cidade de Boa Vista estar atravessando um dos piores períodos de estiagem de sua história, o ovo do mosquito Aedes Aegypti pode resistir até 450 dias nessas condições. Por isso, devemos identificar os possíveis locais de acúmulo de água, buscando eliminar a proliferação do mosquito quando o período de chuvas chegar", disse o comandante. 

 

Próximas etapas do combate ao Aedes Aegypti - No dia 13 de fevereiro, militares das Forças Armadas farão o trabalho de conscientização junto à sociedade e há previsão de atuação da Marinha, Exército e Aeronáutica também em outras etapas no programa de combate à dengue, chikungunya e zika vírus. "Ainda em fevereiro, está previsto a participação de nossos militares no combate aos focos de proliferação de áreas urbanas, coordenado pelas Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde, além de palestras de conscientização em escolas", cita o Coronel Jayme,Coordenador-Geral da atuação da FAB em São Paulo e Mato Grosso do Sul.