AEDES AEGYPTI

Em todo o país, unidades da FAB realizam mutirão de combate ao mosquito

Ação marcou primeira etapa de plano de mobilização das Forças Armadas
Publicado: 01/02/2016 17:00
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea

  BANTA sexta-feira (29/01) foi de mutirão em várias unidades do Comando da Aeronáutica em todo o Brasil. A ação é a primeira etapa do plano de ampliação da ação das Forças Armadas no combate ao mosquito Aedes Aegypti. Veja como foi o trabalho:

Natal - Cerca de mil militares e civis da Base Aérea de Natal (BANT) e oito unidades sediadas participaram do mutirão que ocorreu na sexta-feira (29/01). Copos e pratos descartáveis, restos de embalagens e sacos de lixo, além de papelões, garrafas pets e tampinhas. Todo possível criadouro do mosquito Aedes Aegypti encontrado foi eliminado durante a força-tarefa realizada na BANT, que cobriu uma área correspondente a cerca de 6 milhões de metros quadrados.

“Além de coletar o material que pode servir de criadouro para o mosquito, tivemos a oportunidade de orientar as pessoas sobre a importância de não deixar água parada”, explicou o Sargento Mário Benedito dos Santos Maia, que participou do mutirão. Para o militar que trabalha no Esquadrão de Infraestrutura, todos devem atuar como agentes de conscientização e multiplicação dos hábitos necessários ao combate ao mosquito. “Diante do perigo que é o mosquito, é muito importante que o combate seja intenso e de todos, para ter um resultado efetivo”, ressaltou o sargento.

O esforço faz parte da iniciativa do Comando da Aeronáutica para intensificar a luta contra o mosquito Aedes Aegypti, transmissor de doenças como dengue, zika e febre chikungunya. Na Base Aérea de Natal, o combate começou há duas semanas. Já foram realizadas varreduras nas áreas de mata fechada, trilhas e limites da Base, que correspondem a quase 50% da área de responsabilidade da unidade.

Segundo o Comandante da BANT, Coronel Antonio Santoro, a intenção é transformar esse contexto de ameaça em oportunidade para a reeducação ambiental e práticas de vida mais saudáveis. “A ideia é criar aqui na Base um ambiente favorável à conscientização das pessoas, realizando um projeto que extrapola o combate ao mosquito. O objetivo do projeto é o bem-estar, calcado em quatro pilares: saúde, social, patrimonial e ambiental. E isso será parte da diretriz de comando a partir desse ano”, informou o Coronel Santoro.

  BASVSalvador – Orientados pelo Tenente Farmacêutico Gustavo Ruy Santos Costa, 32 militares foram mobilizados para ação de combate ao mosquito Aedes Aegypti em áreas de vilas militares da Base Aérea de Salvador (BASV). A ação foi realizada na sexta-feira (29/01).

Os militares fizeram rondas pelas ruas em busca de focos do mosquito e todos os pequenos armazenamentos de água, como garrafas, cascas de coco e copos. Em calhas, lixeiras e entulhos encontrados com possíveis criadouros do mosquito, os militares utilizaram água sanitária (hipoclorito de sódio) para impedir a proliferação das larvas. “É importante que todos se conscientizem da prevenção contra o mosquito, evitando o acúmulo de recipientes e mantendo a limpeza em dia, nas residências e nas adjacências. Agora me sinto mais envolvido”, afirmou o Soldado Iuri Dourado Carvalho.

Além desta ação de combate, está sendo realizada uma campanha interna de conscientização para cada um fazer a sua parte na eliminação do mosquito Aedes Aegypti.

Recife – O Batalhão de Infantaria de Aeronáutica Especial de Recife (BINFAE-RF) completou mais de um mês de combate ao mosquito Aedes aegypti nos bairros da capital pernambucana. No período, a equipe da Força Aérea, acompanhada de agentes de saúde, atuou em 11 bairros da Grande Recife. No total, 6.634 imóveis foram visitados, com 1.077 depósitos tratados e 211 criadouros eliminados.

Na sexta (29/01), militares treinados também ajudaram na ação interna em unidades da Guarnição de Aeronáutica de Recife. A varredura nos locais eliminou criadouros e larvas do mosquito, além da limpeza geral.

“Somos multiplicadores de informações e de conscientização. Precisamos dar exemplo dentro do nosso ambiente de trabalho, porque aqui também é nossa casa. Essa mobilização ajuda não só o nosso efetivo, mas a sociedade como um todo, um exemplo de cidadania”, ressalta o Major Bruno, coordenador de operações do batalhão.

As varreduras já ocorriam no Segundo Comando Aéreo Regional (II COMAR) desde 2015. Quando o Serviço Regional de Saúde, em cumprimento à Ordem Técnica Nº 03/DIRSA/11, já havia feito uma varredura identificando criadouros do mosquito e notificando as seções. Nesta nova mobilização, os potenciais criadouros foram tratados. Também foram observados desníveis de solo que tem potencial de acúmulo de água e que devem ser modificados.

  BAFZFortaleza - A Base Aérea de Fortaleza (BAFZ) promoveu na sexta feira (29/01) palestra sobre os meios de identificação e combate ao mosquito Aedes Aegypti a 380 militares e funcionários civis.

Em palestra, a Tenente Médica Lígia Vieira Uchôa abordou como identificar e eliminar os principais criadouros. Divulgou também que, em continuidade a esta ação, serão proferidas outras palestras sobre prevenção da dengue, chikungunya e zika. 

Após as orientações, o efetivo realizou varredura na unidade, em clubes e nas áreas residenciais. Também foram realizadas ações educativas sobre as formas de prevenção e combate ao mosquito.

  BACORio Grande do Sul - A Base Aérea de Canoas se engajou na luta contra a dengue. A campanha iniciou na sexta-feira (29/01) e contou com a participação de mais de 300 militares.

A ação iniciou com palestra sobre as doenças causadas pelo mosquito e como eliminar os seus focos de reprodução. O Comandante da BACO, Coronel Rodrigo Alvim de Oliveira, destacou a importância de todos repassarem as informações de prevenção para familiares e amigos.

Em grupos, os militares inspecionaram áreas externas e internas. A cavalaria do Batalhão de Infantaria de Aeronáutica Especial de Canoas (BINFAE-CO) foi acionada para vistoriar os terrenos alagados e pontos de difícil acesso.

  VII COMARManaus - A Secretaria Municipal de Saúde de Manaus (SEMSA), em parceria com Força Aérea, realizou, nesta quinta-feira (28/01), uma inspeção de combate ao mosquito Aedes Aegypti na Vila Militar Ajuricaba, localizada na Zona Sul da capital amazonense. Em parceria com a Prefeitura de Aeronáutica de Manaus (PAMN), casas, apartamentos e áreas comuns foram vistoriados. Os moradores também foram conscientizados para identificarem possíveis focos do inseto e as formas de prevenção. A Vila Militar Ajuricaba possui mais de 400 residências.

“O objetivo foi eliminar criadouros e colher larvas para sabermos como está o índice de infestação. O bairro da capital onde a situação estiver mais grave receberá um mutirão de combate ao mosquito”, disse o agente de endemias da SEMSA Jaime Carvalho Barroso.

Os moradores das residências visitadas estavam envolvidos na iniciativa. “Nós temos a informação, mas o problema é o descuido. Essa atividade fortalece a ideia de que temos que ter cuidado, pois, na correria do dia a dia, às vezes a gente esquece”, disse o Sargento Francisco Nasareno Rodrigues.

Esposa de um militar da Aeronáutica, a cabeleireira Leda Pereira de Campos falou sobre a importância da prevenção. “É importante para proteger a nossa família”, disse.

  III COMARRio de Janeiro – Militares do Terceiro Comando Aéreo Regional (III COMAR) e do Batalhão de Infantaria de Aeronáutica Especial do Rio de Janeiro (BINFAE-RJ) atuaram nesta quinta-feira (28/01), em sua primeira ação de combate ao Aedes Aegypti, após o plano de ação divulgado pelo Ministério da Defesa que contará com apoio das Forças Armadas.

Durante o mutirão, os militares procuraram por possíveis locais de criadouros e focos do mosquito. “O combate ao Aedes Aegypti tem que começar pela conscientização. A vigilância e a busca incessante são as formas de ajudar a resolver o problema. Hoje, o envolvimento do militar na unidade o ajuda a ser também um agente contra o mosquito em sua residência e comunidade.”, afirma o Coronel Intendente Wilson Chaves Costa, Chefe de Gabinete do III COMAR.
  1ª BDAAE
Brasília – Copos descartáveis e garrafas pet também foram recolhidos na ação de prevenção realizada pelos militares do efetivo da Primeira Brigada de Artilharia Antiaérea (1ª BDAAE), em Brasília (DF). Os envolvidos fizeram uma varredura minuciosa no entorno da unidade. Tampas de bueiros foram fechados com terra. Em palestra, todo o efetivo foi alertado sobre a importância de combate ao mosquito Aedes Aegypti.

São Paulo - Com o objetivo de esclarecer e capacitar os profissionais de saúde, o Núcleo do Hospital de Força Aérea de São Paulo (NuHFASP) promoveu em janeiro a palestra “Zika vírus – Plano de Enfrentamento Nacional à Microcefalia” ao efetivo.

O plano do governo federal apresenta as definições de casos suspeitos, o fluxograma de atendimento destes casos e orientações para notificação junto às autoridades sanitárias locais, bem como outras providências a serem tomadas pelos profissionais de saúde envolvidos.

  NuHFASPA Capitão Médica Maria Isabela Bloise Alves Caldas Sawada, especialista em ginecologia e obstetrícia, falou a todo efetivo sobre a infecção pelo vírus Zika, que tem sido associado ao aumento do número de casos de microcefalia em fetos e recém-nascidos de mulheres infectadas durante a gestação. “As gestantes que apresentarem manchas vermelhas pelo corpo, vermelhidão nos olhos ou dor nas juntas devem comparecer ao pré-natal a fim de serem examinadas e orientadas quanto aos exames pertinentes”, explicou a médica.

O uso de repelentes e de roupas de mangas compridas são medidas aconselháveis, além do acompanhamento regular no pré-natal. O combate ao mosquito transmissor da Zika também deve ser intensificado, evitando assim a propagação da epidemia no Estado de São Paulo. A circulação do vírus também foi identificada em municípios de São Paulo, conforme informação do Centro de Vigilância Epidemiológica de São Paulo (CVE/SES – SP).