AEDES AEGYPTI

Militares da FAB começam a atuar nesta quinta-feira (28/1) no Distrito Federal

O efetivo será empregado na cidade de Brazlândia
Publicado: 27/01/2016 19:00
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea

Cerca de 40 militares do Batalhão de Infantaria da Aeronáutica Especial de Brasília (BINFAE-BR) devem começar a atuar na guerra contra o Aedes Aegypti no Distrito Federal (DF) a partir desta quinta-feira (28/1). A área de atuação será na região de Brazlândia, considerada uma das mais críticas pela Vigilância Ambiental, da Secretaria de Estado de Saúde do DF.

A preparação dos militares começou na segunda-feira (25/01). Na terça-feira (26/1) houve aulas teóricas ministradas por agentes da Vigilância Ambiental. Já na quarta-feira (27/1), eles partiram para a parte prática.

O soldado Eduardo dos Santos Vieira é um dos veteranos neste tipo de ação. Já esteve no combate ao mosquito em dezembro de 2014 e início de 2015. “Eu me sinto muito útil para a sociedade em poder combater e orientar os cidadãos sobre os perigos das doenças causadas pelo Aedes”, explica o militar.

O trabalho dos militares deve ser um grande aliado dos agentes de saúde na luta contra o mosquito causador da dengue, chikungunya e zika, conforme explica Francisco Sebastião de Araújo, do Núcleo de Vigilância Ambiental de Ceilândia (NUCEI).

“O apoio das Forças Armadas é fundamental, pois além de aumentar o número de combatentes, também proporciona uma facilitação com relação ao acesso às residências”, avalia Araújo. 

Recife - A Base Aérea do Recife (BARF) promoveu, na manhã desta quarta-feira (27/01), uma palestra para todo os militares da unidade sobre as formas de combate ao mosquito Aedes Aegypti e orientações para evitar o aumento de criadouros.

A palestra, ministrada pelo Tenente Médico Guimarães, teve o objetivo de informar sobre os diferentes sintomas das doenças: Dengue, Chikungunya e Zika, assim como as formas de combate ao mosquito.

Também foram reforçadas as orientações sobre a eliminação de recipientes que podem acumular água e de outros possíveis criadouros do mosquito. Os militares ainda receberam instruções sobre os cuidados necessários para evitar o avanço da doença.

A Base Aérea também tem a meta de criar uma brigada de combate ao vetor para levar conhecimento a todos os militares da BARF. A ideia é que, em conjunto, os profissionais realizem o controle e erradicação dos eventuais focos dentro da Organização Militar.

Assista ao vídeo de como a FAB está se preparando para atuar na guerra contra o Aedes Aegypti no Distrito Federal