SEGURANÇA DE VOO

Aeronáutica divulga relatório de acidente com Eduardo Campos

Foram emitidas 13 recomendações de segurança
Publicado: 19/01/2016 19:24
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea

Treze recomend  Cabo Feitosa/ Agência Força Aéreaações para ampliar a segurança da aviação no Brasil. É esse o principal resultado da investigação do acidente com o jato Cessna 560 XLS+ que vitimou sete pessoas em Santos (SP) no dia 13 de agosto de 2014, entre elas o candidato à presidência da República, Eduardo Campos. O relatório final foi divulgado na tarde desta terça-feira (19/01), logo após ser apresentado para os familiares das vítimas.

“É um trabalho extenso. Não se pode perder uma aeronave e sete vidas sem deixar um ensinamento”, afirmou o investigador encarregado do acidente, Tenente-Coronel Raul de Souza, do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), órgão do Comando da Aeronáutica. 

A aeronave, proveniente do Rio de Janeiro (RJ), chegou a sobrevoar a pista do aeródromo santista antes de cair em um bairro residencial às 10h03min, horário local.

A partir das conclusões da investigação, as treze recomendações de segurança envolvem orientações para o cumprimento de regulamentos, normas para treinamento de pilotos e regras mais claras para as avaliações médicas dos aeronavegantes.

Acesse o site do CENIPA para consultar o relatório

De acordo com o CENIPA, a tripulação do jato sofreu uma desorientação espacial induzida tanto pelas condições climáticas desfavoráveis, com muitas nuvens, quanto por terem sido adotadas rotas não previstas para os procedimentos de pouso em Santos. Além disso, o piloto e o copiloto não tinham treinamento específico para o modelo utilizado, e sim em versões anteriores. Foram descartadas hipóteses como fogo na aeronave, voo de dorso (de cabeça para baixo) e colisão aérea.

A equipe de investigadores foi composta por 18 pessoas, entre pilotos e pessoal especializado em áreas como ensaio em voo, inspeção em voo, meteorologia, tráfego aéreo, psicologia, medicina, engenharia aeronáutica, engenharia mecânica e engenharia de materiais, além de assessores técnicos consultivos da Agência Nacional da Aviação Civil (ANAC) e representantes acreditados dos Estados Unidos, país fabricante da aeronave, e Canadá, país fabricante dos motores.

Apesar de o gravador de voz da aeronave ter apresentado defeito e registrado conversas na cabine realizadas em outra data, a investigação se baseou em outras evidências, como os destroços, depoimentos de observadores e de pessoas ligadas aos pilotos e passageiros, dados do sistemas de controle de tráfego aéreo e documentações dos pilotos e da aeronave. A investigação envolveu um procedimento inédito para o CENIPA de análise da voz do copiloto na gravação dos contatos com o controle de tráfego aéreo. Foi  Cabo Feitosa/ Agência Força Aérea possível identificar traços de fadiga.

“É uma investigação que seguiu normas, métodos, um trabalho muito profissional, com muito detalhamento”, afirmou o Chefe do CENIPA, Brigadeiro Dilton José Schuck. O relatório permanecerá disponível na internet, no site do CENIPA, e tem como foco ajudar a evitar  ocorrências semelhantes no futuro. “O nosso trabalho é voltado para a prevenção de acidentes”, completou.