OPERACIONAL

FAB forma novos atiradores de elite visando aos Jogos Olímpicos do RJ

Eles concluíram o curso de atiradores de precisão e estão aptos para atuar
Publicado: 24/12/2015 06:00
Imprimir
Fonte: BINFAE-CO

Visando aos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016, no Rio de Janeiro (RJ), a Força Aérea Brasileira (FAB) formou mais nove atiradores de precisão (Sniper). Eles concluíram a 2° edição do Curso de Tiro Tático de Precisão (CTTP/2015), realizado de 30 de novembro a 18 de dezembro, no Rio Grande do Sul.    

"As ações que motivarão o emprego do atirador tático de precisão nos jogos de 2016 envolve, em muito, a capacidade de perceber as ameaças iminentes através da observação e análise das situações. Além da possibilidade de neutralizar uma ameaça em potencial, o atirador é determinante no assessoramento ao Comando de Operações, fornecendo informações relevantes para tomada de decisões”, explica o Primeiro Tenente Daniel Alberto Pereira Bauer, coordenador da segunda edição do CTTP/2015.

O curso teve início com 14 alunos, mas apenas nove conseguiram conquistar o breve de sniper. Foram dois militares do Batalhão de Infantaria da Aeronáutica Especial de Canoas (BINFAE-CO), um do Esquadrão de Aeroterrestre de Salvamento (PARA-SAR) e seis do Terceiro Comando Aéreo Regional (III COMAR). O curso foi realizado em Canoas, na Base Aérea de Canoas (BACO) e no Quartel-General do Quinto Comando Aéreo Regional ( V COMAR). Já a parte de operações ocorreu no Campo de Instrução de Butiá (CIB), pertencente ao Exército Brasileiro, localizado no interior do Rio Grande do Sul.

Inicialmente, os alunos foram submetidos a um rigoroso teste de conhecimentos sobre técnicas de infantaria e navegação, depois a um teste de tiro com o fuzil HK-33. Foi necessário, também, apresentar o laudo de seu último Teste de Condicionamento Físico (TACF), com resultado Acima do Normal, no mínimo. Depois, os efetivamente matriculados iniciaram as instruções teóricas.

Os primeiros tiros foram disparados no estande da Base Aérea de Canoas e posteriormente, no estande de 800m do CIB. O curso contou também com exercícios variados, como apoio em missões de segurança de dignitários, operações de controle de distúrbios civis, proteção da Força (Defesa de bases aéreas), infiltrações, caçadas, dentre outros.

“Ainda que o curso seja destinado à aplicação em operações militares, a formação do sniper da FAB permite que ele seja empregado em ações policiais, quando não há necessidade de realizar a exfiltração, que é a evasão do terreno", ressalta o Tenente Bauer.

Com a finalização do curso, são mais de 100 snipers formados pelo BINFAE-CO, única unidade da FAB destinada ao preparo de atiradores de precisão.