RETROSPECTIVA 2015

As missões que aproximam a FAB da sociedade

Em 2015, além da parte operacional, a Força Aérea estendeu sua atuação no apoio à população em ajudas humanitárias e salvamentos pelo País
Publicado: 25/12/2015 08:00
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea

  No ano de 2015 várias missões e eventos aproximaram a Força Aérea Brasileira (FAB) da sociedade brasileira. E duas palavras sintetizam o estreitamento dessa relação: solidariedade e operacionalidade. A primeira encerra as várias ações voltadas ao cidadão, como os atendimentos médicos e odontológicos proporcionados nas diversas Ações Cívico-Sociais (ACISO); o transporte de órgãos para transplante, o resgate de índios feridos em comunidades distantes e o traslado de pacientes com suspeita de ebola. A segunda, diz respeito, por exemplo, à pronta-resposta para situações de emergência, como no caso do combate ao incêndio na Chapada Diamantina na Bahia.

“As missões de transporte aerologístico e aeroterrestre de apoio à sociedade (ACISO, calamidades públicas, apoio às comunidades isoladas e demais necessidades) são realizadas pela maioria das aeronaves de transporte em cumprimento ao que rege a nossa constituição. Essa versatilidade da Aviação de Transporte está diretamente ligada à pluralidade de capacidades que seus vetores têm de atuar nos diversos cenários. É uma característica valiosa, que deve ser cada vez mais trabalhada, explorada e empregada”, ressalta o Brigadeiro do Ar Robson Roger Garcia Tavares de Melo, Comandante da Quinta Força Aérea (V FAE).

Para que a sociedade também entendesse melhor as atividades da FAB foram promovidos os chamados “Portões Abertos”, eventos nos quais as bases aéreas de várias localidades tiveram a oportunidade para incrementar ainda mais os laços com os moradores do entorno. Por fim, atenta à necessidade de qualificação de seu efetivo, a FAB também proporcionou a soldados, por meio do Programa Soldado Cidadão, ferramentas necessárias para que eles possam, ao final do serviço militar, terem condições de voltar ao competitivo mercado de trabalho. Acompanhe o resumo dessas operações ao longo do ano....

 

SAÚDE – Aeronave SC-105 Amazonas transporta paciente com suspeita de ebola para o RJ

Um brasileiro de 46 anos com suspeita de ter contraído o vírus ebola em viagem à Guiné foi transportado (11/11) de Belo Horizonte (MG) à Base Aérea do Galeão (BAGL), no Rio de Janeiro (RJ). O paciente seguiu a bordo de uma aeronave SC-105 Amazonas da Força Aérea Brasileira (FAB), especialmente preparada para o traslado.

Depois dos exames feitos no Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), referência em doenças infecciosas, ficou constatado que o paciente não estava com a doença. 

 

PORTÕES ABERTOS - Cerca de 600 mil pessoas participaram dos eventos promovidos pela FAB no País

Cerca de 600 mil pessoas participaram dos "Portões Abertos" da Força Aérea Brasileira (FAB) este ano. Os eventos ocorreram de julho a novembro em organizações militares em todas as regiões do Brasil. A maioria deles foi realizada em outubro, mês de celebração do Dia do Aviador e da Força Aérea Brasileira. Os eventos também arrecadaram cerca de 40 toneladas de alimentos não perecíveis. As doações foram distribuídas para entidades assistenciais.

Os “Portões Abertos” foram realizados em 15 organizações militares da FAB: Base Aérea de Campo Grande (BACG), Academia da Força Aérea (AFA), Base Aérea de Anápolis (BAAN),Base Aérea de Brasília (BABR), Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), Parque de Material Aeronáutico (PAMA-SP), Base Aérea de Manaus (BAMN), Campo de Provas Brigadeiro Velloso (CPBV), Base Aérea de Canoas (BACO), Base Aérea de Fortaleza (BAFZ), Museu Aeroespacial (MUSAL), Base Aérea de Boa Vista (BABV), Base Aérea de Natal (BANT), Base Aérea de Florianópolis (BAFL) e Base Aérea de Santa Cruz (BASC).

 

TRANSPORTE DE ÓRGÃOS – FAB ajuda a encurtar distâncias e salvar vidas

Voos pela vida. Assim foram as diversas missões de transporte de órgãos e evacuações aeromédicas realizadas pela FAB ao longo de 2015. O trabalho integrado entre as Unidades Aéreas, os Centros de Coordenação de Salvamento (Salvaero - responsáveis por coordenar as missões) e a Central Nacional de Transplantes, localizada no Rio de Janeiro, foram fundamentais para ajudar a salvar vidas.

O Sexto Esquadrão de Transporte Aéreo (6º ETA), por exemplo, realizou três transportes de órgão vitais. Em uma deles, um coração foi captado em Uberlândia e transplantado em um homem com miocardiopatia isquêmica.

"É sempre muito gratificante saber que estamos ajudando a salvar a vida de uma pessoa", ressaltou na ocasião o Tenente Vitor Moisés Kawka, um dos pilotos da aeronave.

 

AJUDA HUMANITÁRIA – Transporte rápido é fator importante para salvamento

Em 2015 foram registradas várias missões de transporte de pessoas feridas, onde a rapidez foi fundamental para salvá-las. Em outras situações, em localidades onde só era possível chegar de helicóptero, a destreza, aliada à qualificação operacional, com uso de óculos de visão noturna, foi o diferencial nas operações. Pacientes com fraturas, atacados por animais, picados por cobras ou com doenças graves em locais inóspitos encontraram nas asas da FAB o meio para sobreviver.

Um helicóptero H-1H do Esquadrão Pelicano (2º/10º GAV), por exemplo, resgatou um indígena de 85 anos com obstrução arterial aguda. O transporte aeromédico foi realizado da Comunidade Uberaba, localizada na fronteira com a Bolívia, para a Santa Casa da cidade de Corumbá (MS). Na missão, houve a utilização de óculos de visão noturna. O indígena José Marino, que é deficiente visual, precisava de tratamento médico especializado. A aldeia, composta por 55 famílias, fica em local isolado na região do Pantanal.

"Ele já tinha um histórico bem complicado de saúde em função da idade avançada. Nós solicitamos e conseguimos o apoio aéreo da FAB. Isso foi muito importante, pois da aldeia onde ele vive até Corumbá são aproximadamente 350 quilômetros, o que leva seis horas de barco", explicou Paula Victorio Vieira, secretária do Polo Indígena Corumbá, que atende a Comunidade Uberaba.

 

MEIO AMBIENTE – FAB combate fogo na Chapada Diamantina 

No mês de novembro, em cinco dias de atuação, o avião C-130 Hércules da FAB lançou 252 mil litros de água no combate aos focos de incêndio na Chapada Diamantina (BA). Foram 21 decolagens e 12 horas e 45 minutos de voo. As regiões de emprego do MAFFS (Modular Airbone Fire Fighting System), capaz de lançar 12 mil litros em cada decolagem, compreenderam as localidades de Morro Branco, Barro Branco, Mucugê, Pai Inácio, Vale e Morrão.

Enquanto isso, os helicópteros H-34 Super Puma e H-36 Caracal se revezaram nas atividades missões de transporte de bombeiros e brigadistas. “A vinda da FAB nos permitiu dar agilidade ao processo de combate ao incêndio”, afirmou o Secretário Estadual do Meio Ambiente da Bahia, Eugênio Spengler.

 

LOGÍSTICA - Com apoio da FAB, médicos efetuaram mais de 1.200 consultas a índios Yanomami

Em agosto, a FAB prestou apoio logístico para a Expedição Yamomami. Foram empregados dois aviões (o jato C-99 e o cargueiro C-105 Amazonas) e um helicóptero H-60 Black Hawk. As aeronaves foram envolvidas no transporte de 15 toneladas de estrutura, no translado dos médicos e no transporte dos índios das aldeias mais distantes para o local de atendimento.

Um hospital montado no meio da selva amazônica, dotado de centro cirúrgico móvel e consultórios possibilitou a realização de 237 cirurgias e 1.273 consultas médicas a índios da etnia Yanomami que vivem na região da Cabeça do Cachorro, localizada no Amazonas, na fronteira com a Venezuela.

Cerca de 150 profissionais, entre médicos, dentistas e enfermeiros, participaram da ação. Todos eram voluntários da organização sem fins lucrativos Expedicionários da Saúde, além de membros de órgãos parceiros.

“Acho que nós levamos um pouco mais de dignidade e saúde para esse povo que vive tão isolado. Tentamos levar qualidade de vida”, afirmou a coordenadora da organização, Márcia Abdalah.

 

IMUNIZAÇÃO - FAB leva vacinas a cerca de sete mil indígenas no Acre

Realizada em conjunto com o ministério da Saúde, a FAB empregou dois helicópteros H-60 Black Hawk e uma aeronave SC-105 Amazonas no transporte das equipes multidisciplinares e das vacinas durante a Operação Gota. O objetivo foi imunizar cerca de sete mil indígenas de 39 comunidades isoladas no Acre.

“Algumas delas, como no Médio Rio Purus, ainda não estão georeferenciadas e a experiência da Força Aérea em localizar e conseguir chegar a essas localidades é fundamental”, afirmou a Diretora de Atenção à Saúde Indígena do Ministério da Saúde, Daniele Cavalcanti.

Para o Tenente Thiago de Barros, piloto do Esquadrão Pantera (5º/8º GAV), participar dessa missão foi uma oportunidade de prestar um serviço valioso aos cidadãos brasileiros. “É um sentimento de ser útil à nação. Se não tivesse o helicóptero, seriam dois a três dias de barco para chegar a Cruzeiro do Sul, ou até mais em função das condições do rio”, detalhou o piloto.

AÇÕES CÍVICO-SOCIAIS – Médicos e dentistas realizaram cerca de 15 mil atendimentos em várias regiões do País

Durante o ano de 2015, profissionais de saúde da FAB realizaram cerca de 15 mil atendimentos em diversas regiões do País. Médicos e dentistas proporcionaram consultas nas áreas de clínica médica, dermatologia, ginecologia, otorrinolaringologia, ortopedia e pediatria, além de atendimentos odontológicos.

As Ações Cívico-Sociais beneficiaram moradores de localidades como Eirunepé (AM), São José dos Campos (SP), Lagoa Santa (MG), Alcântara (MA), Fortaleza (CE), Manacapuru (AM), Sol Nascente (DF), Campo de Provas Brigadeiro Velloso (PA), Rio de Janeiro (RJ), Canoas (RS), entre outras.

Somente em Lagoa Santa, o Hospital de Campanha (HCAMP) da FAB, montado em parceria com a prefeitura da cidade, em abril, realizou 6.739 atendimentos à população local. Também foram distribuídos quase 24 mil medicamentos. Participaram da ação 74 profissionais de saúde da FAB, sendo 43 médicos, 23 dentistas e 8 farmacêuticos.

"Atenção, educação, carinho, profissionalismo, tudo foi nota 10. Aproveitei e fiz a consulta com dois médicos também. Foi excelente. O Hospital de Campanha poderia voltar sempre”, afirmou Ione Barcelos Silva, que levou as filhas para consulta na pediatria.

 

SOLDADO CIDADÃO -  Unidade da FAB ganha prêmio como destaque na gestão do Programa Soldado Cidadão

O Terceiro Comando Aéreo Regional (III COMAR) foi premiado durante o 6º Prêmio Melhor Gestão do Programa Soldado Cidadão, organizado pelo Ministério da Defesa (MD). O projeto funciona desde 2004 e qualifica profissionalmente quem presta o serviço militar nas Forças Armadas. O objetivo é preparar esses jovens para o mercado de trabalho, após o período obrigatório junto às Forças Armadas.

“Foi de grande valia para a minha vida pessoal e profissional”, relata o Soldado Caio Lucas Damasceno, de 21 anos, militar do efetivo da Base Aérea do Galeão (BAGL), que concluiu este ano o Curso Profissionalizante em Elétrica Predial.  Conheça um pouco mais sobre o dia a dia do soldado na FAB.