SAÚDE

População do bairro Pratinha recebeu atendimento médico e odontológico da FAB

Também foram oferecidos acesso a documentos e serviços jurídicos por meio de parcerias com outros órgãos do governo
Publicado: 28/09/2015 15:01
Imprimir
Fonte: ACS I COMAR/Agência Força Aérea

Atividade preventiva de saúde bucal  2T Brenda

A população do bairro da Pratinha, em Belém (PA), recebeu no fim de semana (26 e 27/09) uma equipe de saúde da Força Aérea Brasileira (FAB) com mais de cem profissionais, entre médicos, dentistas, farmacêuticos e enfermeiros.

Durante os dois dias, os médicos da FAB atenderam 849 pessoas nas especialidades de clínica médica, ginecologia e obstetrícia, pediatria, otorrinolaringologia e cardiologia. Também foram levados ao local equipamentos de ultrassonografia e eletrocardiograma para os casos em que os profissionais julgassem necessária a realização de exames. Entre exames e consultas, foram 2.159 procedimentos médicos.

Os dentistas realizaram atividades educativas voltadas à prevenção de doenças bucais, como distribuição de kits de escovação e palestras.

Atendimento médico  CB Mário

Segundo a Capitão Médica Patrícia Francioli Honorato, uma das responsáveis pela atuação da equipe de médicos do Hospital de Aeronáutica de Belém (HABE), o bairro da Pratinha fica nas proximidades da Base Aérea de Belém (BABE) e possui algumas carências em relação à infraestrutura. Apesar de contar com um posto de saúde municipal, a ação cívico-social agilizou o acesso da população, estimada em mais de 3 mil pessoas, aos especialistas.

"Não é a primeira vez que atendemos nessa localidade, praticamente todos os anos realizamos ações na Pratinha. O que nós percebemos é que os problemas, em sua maioria, não são tão complexos, mas que pela demora no atendimento médico, o quadro se agrava. Na otorrinolaringologia, que é uma especialidade de difícil acesso, isso é muito comum", explica a capitão.

A ação é resultado de uma parceria com órgãos estaduais e municipais. Além de atendimentos médicos e orientação odontológica, houve a possibilidade de se fazer documentos e certidões, testes rápidos para doenças sexualmente transmissíveis e receber assistência jurídica.