SAÚDE

FAB realiza mais de 2 mil atendimentos no Sol Nascente, comunidade do Distrito Federal

No total, 82 profissionais de saúde se revezaram no fim de semana na comunidade a 60km de Brasília
Publicado: 14/09/2015 13:28
Imprimir
Fonte: AGÊNCIA FORÇA AÉREA

  Agência Força Aérea/ Cabo Feitosa  Agência Força Aérea/ Cabo FeitosaMirian Jorge Teixeira, 40 anos, estava a postos desde 4h30 da madrugada para garantir o primeiro lugar na fila em frente a Escola Classe 66, no Condomínio Sol Nascente. Há quatro meses ela aguardava por uma consulta médica e outros dois para atendimento odontológico. “A saúde hoje está um caos. A gente vai ao hospital, aos postos, e não tem atendimento. Você vê pelo tamanho da fila. Hoje é a chance de resolver”, afirma.

Por volta de 10 horas da manhã, menos de duas horas após o início do atendimento, reencontramos a dona de casa, em companhia dos dois filhos, feliz com as sete consultas que conseguiu para toda a família. Ela já havia passado por oftalmologista, ginecologista e dentista, e os filhos – Joice e Alex, atendidos na pediatria. “Valeu a pena ter levantado cedo”, avalia.   Agência Força Aérea/ Cabo Feitosa

Nos dois dias de Ação Cívico-Social (ACISO), a Força Aérea Brasileira (FAB) contabilizou 2.150 atendimentos e procedimentos médicos e odontológicos. A ala da escola que concentrou os serviços de saúde permaneceu lotada ao longo de todo o dia. Na área médica, a maior procura foi por oftalmologia, pediatria e ginecologia. O maior número de atendimentos odontológicos concentrou-se na área de odontopediatria e cirurgias. 

Entre uma das seis remoções de emergências para hospitais da região estava o caso de um bebê de dez meses com catapora há cerca de 12 dias. As lesões estavam com infecção bacteriana. A mãe não tinha ideia que o caso fosse grave.

A grande demanda na ACISO é compreendida quando se entende a situação do bairro Sol Nascente. Expansão da região administrativa de Ceilândia, o local abriga mais de 56 mil moradores de acordo com dados do censo de 2010 do IBGE. A região foi escolhida para receber o 1º Mutirão da Cidadania organizado pela Secretaria de Justiça e Cidadania por ser uma das comunidades mais pobres do Distrito Federal. O local também não conta com posto de saúde.

  Agência Força Aérea/ Cabo FeitosaMoradora desde o surgimento do Sol Nascente, Maria Valdecir viu o bairro crescer. Foi a terceira a instalar-se na rua onde mora há 13 anos. Mas a infraestrutura não cresceu na mesma proporção. “Aqui não há posto de saúde. Quando precisamos, temos que ir para outros lugares”, explica a moradora que conseguiu atendimento médico e odontológico para ela e os filhos Vitória e Cristian.

Para o Governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, os atendimentos médicos e odontológicos prestados pelos profissionais de saúde da Aeronáutica ajudam a desafogar os hospitais. “A gente tem um profundo agradecimento pelo trabalho social produzido pela Força Aérea numa comunidade extremamente carente, como é a do Sol Nascente, levando serviços indispensáveis à saúde e à qualidade de vida onde as pessoas estão. Isso só aumenta nosso apreço, nosso reconhecimento e nosso respeito pela Força Aérea Brasileira”, afirmou após conhecer a infraestrutura instalada no local. “Saúde é uma necessidade fundamental, uma demanda grande da população. Quando a gente traz tratamento de qualidade aqui, estamos desafogando os nossos hospitais que hoje estão numa situação difícil”, complementou.

Ao todo, a FAB empregou 150 militares para realizar a Ação Cívico-Social. Foram 82 profissionais de saúde diretamente envolvidos nos atendimentos. Na avaliação do Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Nivaldo Luiz Rossato, esse tipo de ação coloca a infraestrutura da instituição à disposição da população. “A atividade fim da Força Aérea é muito importante. Mas nós nunca podemos esquecer de valorizar essas atividades paralelas, que são também nossa responsabilidade como cidadãos brasileiros”, declarou.  Agência Força Aérea/ Cabo Feitosa

Atividades lúdicas - Enquanto os pais eram atendidos, as crianças ficaram brincando numa área de lazer preparada especialmente para recebê-las. Desenho animado, história em quadrinhos, pirulito, balões, desenhos para colorir, aviões para recortar e montar, com tantas atrações, houve até fila de espera para entrar. Mas o que mais atraiu foi o sorteio de brinquedos resultado de uma campanha de doações entre os militares do Sexto Comando Aéreo Regional (VI COMAR), que organizou a ação cívico-social.

Veja na reportagem: