OPERACIONAL

Militares do Esquadrão Pelicano treinam sobrevivência e evasão no Pantanal

Unidade da FAB é especializada em busca e salvamento. Exercício realizado no MS contou com a participação de 20 profissionais
Publicado: 20/08/2015 10:50
Imprimir
Fonte: 2º/10º GAV

Veja mais do treinamento da Força Aérea Brasileira no COMBATE SAR:

  Vinte militares do Esquadrão Pelicano (2°/10° GAV) participaram do Exercício de Sobrevivência e Evasão no Pantanal, organizado pela equipe de resgate da unidade entre os dias 3 e 14 de agosto. O objetivo foi proporcionar conhecimentos mínimos necessários para sobreviver no pantanal e viabilizar o resgate em ambiente hostil, a partir de uma força tarefa de resgate em combate – também conhecido como CSAR, do inglês combat search and rescue.

Segundo o chefe da equipe de resgate do 2°/10° GAV, Tenente Thiago de Souza Junqueira, o Esquadrão Pelicano é a unidade responsável pela doutrina CSAR na FAB e por isso também capacita seus militares para missões de sobrevivência e evasão. “A meta do treinamento foi nivelar conhecimento”, explicou.

Para isso, os alunos foram divididos em quatro grupos e cada um permaneceu 24 horas na base de selva – área do Esquadrão no Pantanal, próximo ao município de Rio Negro (MS) a cerca de 100km de Campo Grande. Os militares se alimentaram de ração operacional e animais obtidos por meio de caça.

Eles também receberam um kit com itens de sobrevivência, que sempre estão nos helicópteros para casos de pouso de emergência. O material inclui facões, redes de selva, água, sinalizadores, entre outros. Para aplicar os conhecimentos, os alunos tiveram que construir abrigos, obter água e fogo, além de montar armadilhas.

Evasão – Na área de resgate, foram realizados os procedimentos de vetoração da aeronave (orientação de navegação da aeronave a partir das coordenadas de solo),   sinalização para o helicóptero e autenticação dos evasores, finalizando com o regresso à Campo Grande. Cada grupo realizou a evasão durante a madrugada, com acompanhamento dos instrutores e utilização das técnicas aprendidas. “Informamos o ponto para resgate e eles tinham que fazer a evasão em uma hora, utilizando as técnicas para não serem descobertos em território inimigo. Chegando ao local, aguardavam o contato para iniciarem a sinalização para o helicóptero de resgate”, explicou o Tenente Junqueira.

Preparação – Antes de serem deixados para o exercício prático, os militares tiveram aulas teóricas que abordaram os aspectos necessários à sobrevivência: doutrina CSAR, evasão, orientação, obtenção de água e fogo, obtenção de alimentos de origem vegetal e animal, fisiografia do Pantanal e psicologia da sobrevivência, entre outras.

Assista ao vídeo que explica como é realizada uma operação de resgate em combate: