TECNOLOGIA

Instituto de Estudos Avançados debate missões da FAB e as necessidades de ciência

Além de unir esforços, debate destaca uso civil e militar das pesquisas realizadas
Publicado: 26/08/2015 10:23
Imprimir
Fonte: IEAV

Seção Pôster  SO BFT DanielO Instituto de Estudos Avançados (IEAV), localizado em São José dos Campos (SP), debateu a missão da Força Aérea Brasileira (FAB) e suas necessidades de desenvolvimento de ciência e tecnologia na mesa redonda realizada durante a 15ª edição do Workshop Anual. O evento, promovido entre 12 e 14 de agosto, reuniu cerca de 200 pesquisadores para conhecer e debater projetos de pesquisa em desenvolvimento.

Neste ano, o tema do workshop foi o impacto da missão da FAB na determinação da pesquisa tecnológica do IEAV. Essa edição contou com a participação de diversos institutos de pesquisa das Forças Armadas.

De acordo com o coordenador do evento, pesquisador doutor Dermeval Carinhana Júnior, a principal contribuição do workshop é aproximar os ambientes operacional e o técnico-científico. “Outro aspecto é a troca de experiências com instituições de pesquisa e desenvolvimenPúblico presente ao evento  to da Marinha e do Exército”, explica.

O workshop promoveu discussões sobre o cenário atual técnico-científico do IEAV, visando à aproximação com os demais institutos de pesquisa das Forças Armadas. O objetivo é unir esforços para a melhoria da pesquisa básica e aplicada, destacando principalmente o uso dual (civil e militar) dessas pesquisas. Isso se dá, sobretudo, pela aproximação dos diferentes protagonistas em torno do assunto.

Os projetos foram apresentados por meio de exposições e mesas redondas envolvendo diversas instituições da Aeronáutica, como o Núcleo do Instituto de Aplicações Operacionais (NuIAop), Comissão de Coordenação e Implantação de Sistemas Espaciais (CCISE), Núcleo do Centro de Operações Espaciais Principal (NuCOPE-P), além do próprio Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA). Também participaram o Instituto de Pesquisa da Marinha (IPqM) e o Laboratório de Óptrônica e Sensores do Centro Tecnológico do Exército (CTEx), além de representantes das indústrias da região, como a Embraer.

O evento contou com apoio do Ministério da Defesa e da Fundação Conrado Wessel.