SAÚDE

FAB transporta coração para transplante em Brasília

Medidas de coordenação aérea permitiram reduzir em 20 minutos voo entre Brasília (DF) e Joinville (SC)
Publicado: 04/08/2015 18:45
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea

  Cabo Feitosa/Agência Força AéreaUm homem  de 42 anos em Brasília (DF) irá receber um coração de um doador de 16 anos da cidade de Jaraguá do Sul (SC). O transporte do órgão aconteceu nesta terça-feira (04/08) e teve o apoio de um jato Learjet U-35 da Força Aérea Brasileira (FAB). Os órgãos de controle do espaço aéreo também atuaram para diminuir o tempo de voo.

A aeronave operada pelo Esquadrão Guará (6º ETA) decolou às 10h50 da Base Aérea de Brasília com destino a Joinville (SC), de onde os dois médicos cirurgiões e um enfermeiro seguiram no h
elicóptero Águia da Polícia Militar. Às 16h04, o avião decolou de volta para a capital federal, onde pousou às 17h50 e seguiu no helicóptero sentinela do Detran-DF para o Instituto de Cardiologia do Distrito Federal, onde o transplante será realizado.

A enfermeira Karine Lustosa Araújo Melo, que acompanhou a captação do órgão, destacou que o trabalho conjunto entre as diferentes instituições é fundamental para o transplante ser realizado. "Para a gente fazer esse procedimento de captação de órgão é necessário sempre um trabalho conjunto. Se não fosse a equipe de aviação, isso não seria possível, pois esse procedimento tem que ser feito rápido", explica. A profissional também ressaltou que, sem o apoio aéreo, o órgão seria perdido. "O tempo de isquemia do coração é de quatro horas", afirma.

Tempo de voo reduzido
As medidas de coordenação do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), órgão do Comando da Aeronáutica, permitiram que o te
mpo de voo entre Brasília (DF) e Joinville (SC) fosse reduzido em cerca de 20 minutos a cada trecho. O ganho total de tempo foi de quase uma hora. A aeronave percorreu uma rota praticamente em linha reta, fora das aerovias estabelecidas para a região.

"Quando a gente decolou para o destino, e também na volta, a aeronave teve essa prioridade no tráfego aéreo, de acordo com as regras previstas. Justamente para ganhar tempo e ter mais facilidade e rapidez", assegura o Tenente Vitor Freitas, um dos pilotos envolvidos na missão. Para o militar "é uma satisfação participar de uma missão que vai salvar uma vida".

De acordo com o Tenente Lucas Ferreira Rosa, do Salvaero Curitiba que coordenou o apoio aéreo, em função do tempo   Cabo Feitosa/Agência Força Aérearestrito para a retirada do órgão, a missão de transporte de órgãos é uma operação muito sensível. "É necessário prontidão, agilidade e operacionalidade de todos os elos envolvidos nos apoios aéreos e terrestres da missão” finaliza. 

A missão, coordenada pelo Salvaero Curitiba - unidade da Aeronáutica que coordena missões de busca e salvamento na região Sul, também envolveu Polícia Militar de Santa Catarina, Hospital São José de Jaraguá do Sul, Detran do Distrito Federal e Central Nacional de Transplantes.