GESTÃO

Comando da Aeronáutica busca integrar e padronizar processos

Durante dois dias mais de 100 militares debatem temas como gestão de resultados e de projetos
Publicado: 29/07/2015 17:30
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea

  Sgt Bruno Batista / Agência Força AéreaMais de 100 militares da Aeronáutica participam hoje (29/7) e amanhã (30/7) do Curso de Gestão Integrada, promovido pelo Estado-Maior da Aeronáutica (EMAER) em Brasília (DF). Vindos de unidades operacionais e de apoio distribuídas por todo o País, os participantes debatem temas como gestão de resultados e de projetos.

"O grande ganho é a integração", afirma o vice-chefe do EMAER, Major-Brigadeiro do Ar Mário Luis Jordão. De acordo com o oficial-general, o curso reúne participantes de grupos de trabalho e faz parte da preparação da Aeronáutica para, até o fim do ano, lançar o escritório de processos para coordenar trabalhos com os demais órgãos setoriais. "O objetivo de tudo isso é aprimorar a gestão do Comando da Aeronáutica", diz.

  Sgt Bruno Batista / Agência Força AéreaPara o Coronel César Guimarães, chefe do Centro de Computação da Aeronáutica de Brasília (CCA-BR), participar do encontro é fundamental para pôr em prática melhorias planejadas. "É muito importante pela padronização de conhecimentos", opina. Já o Tenente-Coronel Lúcio Bastos, do Instituto de Pesquisas e Ensaio em Voo (IPEV), ressalta o intercâmbio entre gestores. "Aprendemos com as experiências de outras unidades", declara.

Processos cruzam setores

Pela quinta vez à frente de cursos para militares da Aeronáutica, a professora Léa Friedmann dos Reys ressalta que em organizações de grande porte os processos cruzam as fronteiras dos setores e precisam ter foco nos resultados. Mestre pela Fundação Getúlio Vargas e com MBA pela Universidade de Toronto, ela disse ter sido interessante conhecer a gestão militar. "É muito mais difícil gerir uma organização militar que uma civil", constata.

Segundo ela, a atual tendência na sociedade civil é partir para iniciativas de menos hierarquia e mais autonomia. "Já na sociedade militar é necessário manter a ordem e a hierarquia ao mesmo tempo em que se propõe a participação. É muito mais desafiador", argumenta.

Prioridade

O Major-Brigadeiro Jordão ressalta a participação de 21 oficiais-generais e de 35 comandantes, chefes e diretores de organizações militares no curso. "A gestão é uma das prioridades do Comandante da Aeronáutica", finaliza.