NOTAER

Comando da Aeronáutica não apresenta restrição contábil em relatório do TCU

Dos 33 órgãos avaliados, Aeronáutica está entre os seis que não tiveram restrições na conformidade contábil em 2014
Publicado: 02/08/2015 06:00
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea

  Em meados de junho, a presidente Dilma Rousseff recebeu o Relatório Preliminar sobre as Contas do Governo, elaborado pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Dentre os números apresentados, um dado chama a atenção: o Comando da Aeronáutica (COMAER) está entre as seis instituições que não tiveram restrições na conformidade contábil no Exercício de 2014.

Ao todo, são avaliados, nesse quesito, 33 órgãos superiores do Poder Executivo Federal. O COMAER vem repetindo o feito desde que o TCU passou a adotar este modelo de relatório, em 2011. Segundo o documento, a ausência de restrições significa que as informações registradas no Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (SIAFI) têm qualidade. “Em regra, restrição contábil significa existência de erros ou pendências que prejudicam a qualidade dos dados no SIAFI”, explica o Major Giovanni Magliano Júnior, da Secretaria de Economia e Finanças da Aeronáutica (SEFA).

A SEFA avalia que o excelente desempenho é resultado do constante acompanhamento e do atendimento às dúvidas provenientes das unidades gestoras. Desde 2007, a organização mantém o MCA 172-3 (Digital), um manual de procedimentos para auxiliar os responsáveis pela contabilidade e, em 2013, instituiu o prêmio Destaque Execução Contábil, a fim de reconhecer boas práticas e performances das Unidades do COMAER. “O resultado é excelente, sendo reflexo do trabalho conjunto entre a SEFA e as demais unidades, bem como de trei
namentos, de diálogos e de atendimento às demandas dos Gestores”, avalia o Major Nelson Barreto Costa, também da SEFA.

Confira essa e outras matérias na edição do mês de agosto do Notaer: