SAÚDE

Hospital da FAB em São Paulo avalia usar cães para terapia de pacientes

Cães podem ajudar a diminuir os sintomas de depressão, a melhorar a capacidade motora e a reduzir a pressão arterial
Publicado: 30/06/2015 11:20
Imprimir
Fonte: Comunicação Social do NuHFASP/ Agência Força Aérea

Cães_2  Comunicação Social do NuHFASPO corpo clínico do Núcleo do Hospital de Força Aérea de São Paulo (NuHFASP) está analisando a possibilidade de implementar terapia com cães como tratamento complementar para determinados pacientes. Grandes hospitais brasileiros, a exemplo do Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer (GRAACC), já aderiram à terapia.

Dentre os benefícios apresentados estão a redução da pressão arterial, da frequência cardíaca, dos triglicerídeos e colesterol e a diminuição dos sintomas da depressão. Além disso, possibilita melhora na capacidade motora, aumento da sociabilidade e da autoestima e sensação de melhora e bem-estar.

Na última semana, os profissionais de saúde do hospital tiveram uma palestra com a psicóloga e adestradora comportamentalista Fátima Neves, que destacou a utilização de cães para ajudar crianças com deficiências, idosos ou pessoas hospitalizadas.

"O paciente cria um vínculo afetivo com o animal e, indiretamente, com o tratamento, o que auxilia para que ele tenha menos resistência às indicações da equipe médica", explica a profissional. Ela conta, ainda, que há resultados de pesquisas que comprovam os benefícios emocionais e fisiológicos da terapia canina desde a década de 1950. Uma das primeiras experiências com cães foi na reabilitação de militares da Força Aérea Americana (USAF), no período pós-guerra.

Segundo a chefe da Divisão de Ensino e Pesquisa do hospital, Tenente-Coronel Maria Clélia Borro, a palestra foi um primeiro contato com a técnica, que pode se tornar uma realidade futura no NuHFASP. "Nós estamos conhecendo a terapia e avaliando a possibilidade de colocá-la em prática, inicialmente com o grupo da terceira idade", explica.

O Diretor do hospital, Coronel Médico Ricardo Kanashiro, acredita que a ideia inicial deve ser debatida e aprofundada, pois a terapia pode trazer ganhos se aplicada de forma complementar aos tratamentos tradicionais. Um dos momentos de debate vai acontecer durante a jornada científica que o hospital promoverá em setembro deste ano. "Melhorar o estado de humor de um paciente ajuda muito na sua melhora. Durante a palestra que tivemos aqui, pude constatar que, assim que os cães chegaram ao local, as pessoas já abriram um sorriso. Se isso acontece com nossa equipe de profissionais, já é possível prever qual o efeito da presença desses animais junto a pessoas em recuperação", analisa o médico.