SAÚDE BUCAL

Odontoclínica de Recife realiza palestra para pacientes com câncer

A iniciativa contou com diversas atividades, como aplicação de flúor e distribuição de kits de higiene
Publicado: 19/05/2015 16:43
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea/ OARF

  OARFUma equipe de 20 profissionais da Odontoclínica de Aeronáutica de Recife (OARF) dedicou a sexta-feira (15/05) a prestar informações sobre higiene bucal no Hospital de Câncer de Pernambuco. A programação da ação cívico-social contou com escovação supervisionada, aplicação tópica de flúor assistida, distribuição de kits de higiene bucal e palestra. “O Hospital de Câncer de Pernambuco possui um trabalho de excelência no resgate psicossocial de seus pacientes”, afirmou o Diretor da OARF, Coronel Dentista José Teófilo Jourdan de Aquino.

Cerca de 300 pessoas, envolvendo pacientes e cuidadores, acadêmicos e equipes de saúde da unidade de referência na área, responsável por atender cerca de 55% dos pacientes oncológicos do estado, participaram da palestra sobre repercussões bucais em pessoas que estão com câncer.

De acordo com o cirurgião buco-maxilo-facial, Tenente Dentista Ricardo Gurgel, os procedimentos contra a doença causam alterações no organismo. “Os tratamentos de quimioterapia e de radioterapia provocam manifestações na boca em cerca de 80% dos pacientes e isso debilita bastante”, afirma o especialista.  OARF

O profissional apresentou alternativas para ajudar a melhorar a qualidade de vida dos doentes, como a necessidade de hidratação oral e o uso de enxaguatório bucal sem álcool ou associado a anestésico tópico. “São dicas simples, que podem ser feitas em casa, e possibilidades de uso de novas tecnologias que podem melhorar bastante a qualidade de vida de quem está em tratamento”, explica o profissional.

Doutor no uso de laser no tratamento de doenças bucais, o dentista também falou sobre o uso da laserterapia, que possui 100% de eficácia no tratamento da mucosite, uma inflamação da parte interna da boca e da garganta que pode levar a úlceras e feridas.

"Esta é uma alteração comum que mais debilita o paciente, pois ele não consegue se alimentar corretamente e, se não tratada, pode evoluir e causar infecções", ressalta.

Para a coordenadora de odontologia do Hospital do Câncer de Pernambuco, Eliane Revoredo, as atividades foram positivas. “A ação foi bem estruturada e sempre temos algo a aprender”, avaliou.